Cientistas encontraram forma de transformar células cancerosas em tecido saudável

Annie Cavanagh / Wellcome Images

Um cluster de células cancerígenas num cancro de mama

Um cluster de células cancerígenas num cancro de mama

Uma equipa de cientistas da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, acredita que pode ter encontrado uma forma de transformar células cancerosas em tecido saudável – ou seja, de restaurar a normalidade das células e interromper a sua reprodução descontrolada.

As moléculas usadas nos testes conseguiram travar o crescimento do cancro, e os cientistas esperam que este novo mecanismo possa ser usado em todos os tipos de tumores.

No entanto, apesar de os primeiros testes em laboratório parecerem promissores, ainda não está claro se esta técnica vai ajudar no tratamento de pessoas que tenham a doença.

O resultado da pesquisa foi publicado na revista especializada Nature Cell Biology.

A pesquisa da Mayo Clinic junta dois ramos da investigação científica: o estudo da aderência entre células e a biologia do microRNA, ou miRNA, que até agora não tinham sido relacionadas.

Os cientistas pensavam que as moléculas de adesão eram simplesmente a cola que mantém as células juntas. Mas descobriu-se que podem ter também um papel de sinalização.

O trabalho da Mayo Clinic mostra que as moléculas de adesão não apenas ligam células, mas também emitem sinais, através dos miRNAs, para controlar o seu crescimento.

Se este processo se desregula, as células crescem descontroladamente, o que pode estimular o desenvolvimento do cancro.

Mas reabastecer as células com miRNAs pode solucionar esse problema.

“Ao administrar os miRNAs afetados em células cancerosas para restaurar os seus níveis normais, devemos ser capazes de restabelecer os supressores do cancro e restaurar a função normal da célula”, disse Panos Anastasiadis, que liderou a investigação.

“As experiências iniciais, em alguns tipos agressivos de cancro, são realmente muito promissoras”, acrescentou o investigador da Mayo Clinic.

“Esta investigação resolve um mistério biológico que já tinha muito tempo, mas não devemos precipitar-nos”, diz à BBC Henry Scowcroft, investigador da Cancer Research UK, ONG britânica especializada em investigação oncológica.

“Há um longo caminho a percorrer antes de sabermos se estas descobertas, em células cultivadas em laboratório, vão ajudar a tratar pessoas com cancro”, acrescenta Scowcroft, “mas é um importante passo em frente na compreensão de como certas células no nosso corpo sabem quando crescer e quando parar“.

“Compreender estes conceitos chave é crucial para continuar a estimular o progresso contra o cancro que temos visto nos últimos anos”, conclui o investigador.

 ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …

Ventura: "Não vejo outra possibilidade senão a ministra da Saúde ou pedir desculpa ou ser afastada"

O Chega vai questionar formalmente o Governo pelo “facto de a ministra da Saúde ter utilizado um carro do Estado” para ir a uma ação de campanha no Porto na sexta-feira, anunciou este sábado André …

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …