/

Poeira de asteróide encontrada na cratera Chicxulub encerra caso da extinção dos dinossauros

1

Uma equipa de investigadores acredita ter encerrado o caso da extinção dos dinossauros após ter encontrado poeira de asteróide na cratera que Chicxulub terá criado há 66 milhões de anos.

Desde os anos 1980 que a hipótese principal dos cientistas para explicar a extinção dos dinossauros era a morte por asteróide – em vez de uma série de erupções vulcânicas ou alguma outra calamidade global. Nessa altura, os cientistas encontraram poeira de asteróide na camada geológica que marca a extinção dos dinossauros.

Esta descoberta pintou um quadro apocalíptico de poeira do asteróide vaporizado e rochas do impacto a circular o planeta, bloqueando o sol e causando a morte em massa durante um inverno global escuro – tudo antes de regressar à Terra para formar a camada enriquecida em asteróide material que é visível hoje.

Nos anos 1990, a ligação foi fortalecida com a descoberta da cratera de impacto Chicxulub de 200 quilómetros de largura sob o Golfo do México, que tem a mesma idade da camada de rocha.

Agora, um novo estudo sela o acordo, segundo a equipa de investigadores que encontraram poeira de asteróide com uma impressão digital química correspondente dentro da cratera no local geológico preciso que marca o momento da extinção dos dinossauros.

“O círculo está agora finalmente completo”, disse Steven Goderis, um professor de geoquímica na Vrije Universiteit Brussel, na Bélgica, em comunicado divulgado pelo EurekAlert.

O sinal revelador da poeira do asteróide é o elemento irídio – que é raro na crosta terrestre, mas está presente em níveis elevados em certos tipos de asteróides. Aliás, um pico de irídio encontrado na camada geológica foi como a hipótese do asteróide nasceu.

No novo estudo, os investigadores descobriram um pico semelhante numa secção de rocha retirada da cratera. Na cratera, a camada de sedimentos depositada dias a anos após o impacto é tão espessa que os cientistas conseguiram datar com precisão a poeira em apenas duas décadas após o impacto.

“Estamos agora no nível de coincidência que geologicamente não acontece sem causa”, disse Sean Gulick, professor da Escola de Geociências da UT Jackson. “Isto acaba com qualquer dúvida de que a anomalia do irídio não esteja relacionada à cratera Chicxulub.”

A poeira é tudo o que resta do asteróide de 11 quilómetros de largura que chocou contra o planeta há milhões de anos, provocando a extinção de 75% da vida na Terra, incluindo todos os dinossauros não-aviários.

Os cientistas estimam que a poeira levantada pelo impacto circulou na atmosfera durante não mais do que duas décadas – o que ajuda a cronometrar o tempo de extinção. “Se se realmente colocar um relógio na extinção há 66 milhões de anos, poderia facilmente argumentar que tudo aconteceu em algumas décadas, que é basicamente o tempo que demora para que tudo morra à fome”, disse.

As maiores concentrações de irídio foram encontradas dentro de uma secção de cinco centímetros do núcleo da rocha recuperado do topo do anel do pico da cratera – um ponto de alta elevação na cratera que se formou quando as rochas ricochetearam e colapsaram com a força do impacto.

Além do irídio, a secção da cratera mostrou níveis elevados de outros elementos associados ao material do asteróide. A concentração e a composição desses “elementos asteróides” assemelhavam-se a medições feitas na camada geológica em 52 outros locais ao redor do mundo.

A secção central e a camada geológica têm elementos terrestres em comum, incluindo compostos sulfurosos. Um estudo de 2019 revelou que rochas com enxofre não estão presentes em grande parte do restante do núcleo, apesar de estarem em grandes volumes no calcário circundante. Isso indica que o impacto atirou enxofre para a atmosfera, o que pode ter exacerbado o arrefecimento global e semeado chuva ácida.

Gulick e os seus colegas planeiam regressar à cratera este verão para começar a analisar locais no seu centro, onde esperam perfurar no futuro para recuperar mais material de asteróide.

Este estudo, publicado esta semana na revista científica Science Advances, é o mais recente de uma missão do Programa Internacional de Descoberta do Oceano em 2016, coliderada pela Universidade do Texas, nos Estados Unidos, que colheu quase 914 metros de núcleo de rocha da cratera enterrada no fundo do mar.

  Maria Campos, ZAP //

 

 

1 Comment

  1. O que acho interessante é que se fosse extinção em massa por causa do asteróide, todos os esqueletos de dinossauro estariam na mesma camada ou camada imediatamente a seguir! Mas não, estão espalhados por várias camadas! Não estou a excluir a hipótese, só acho estranho ser explicação única.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.