Cientistas descobriram como visualizar alterações genéticas em cérebros vivos

Athit Perawongmetha / World Bank

-

Cientistas descobriram como visualizar as alterações da atividade genética em cérebros vivos, uma técnica que pode ajudar a entender se os medicamentos funcionam como é suposto em tratamentos de Alzheimer, esquizofrenia e outros distúrbios neurológicos.

Os investigadores concentraram-se nas moléculas que regulam o modo como o ADN se envolve em torno das proteínas que servem como unidades estruturais do nosso material genético.

Essas moléculas, chamadas de Histona deacetilases (HDAC), foram encontradas em doentes com Alzheimer – em níveis elevados – na zona do cérebro que regula a memória.

Um grupo de investigação, liderado por Hsiao-Ying Wey e Tonya Gilbert, da Harvard Medical School, passou sete anos a desenvolver o composto químico – Martinostat – que se liga ao cérebro e identifica onde estão essas HDAC e em que quantidade.

No estudo, publicado pela Science Translational Medicine, os cientistas injetaram o químico em oito pacientes saudáveis ​​e conseguiram analisar, pela primeira vez, o modo como essas moléculas funcionam em humanos vivos.

Mira Jakovcevski, uma investigadora epigenética do Instituto Max Planck de Psiquiatria, afirmou que “no passado, os cientistas que estudaram o tecido cerebral de pacientes psiquiátricos – com doenças como depressão e dependência – encontraram, após a morte, níveis elevados de HDAC“.

Mas os estudos realizados em cérebros humanos mortos não eram suficientemente credíveis porque o nível de moléculas tem tendência a mudar rapidamente depois da morte.

Além disso, os cientistas que estudam um tecido morto, normalmente só conseguem olhar para uma região de cada vez, enquanto que a análise do cérebro vivo permite observar várias regiões ao mesmo tempo.

“É extremamente importante conhecer diretamente a forma como as moléculas são distribuídas no cérebro vivo, e esta é uma maneira muito elegante de fazê-lo” sublinhou Jakovcevski.

De acordo com Jacob Hooker, diretor de radioquímica e co-autor do estudo, os investigadores que têm acompanhado, até hoje, o efeito dos medicamento para tratar a doença de Alzheimer, não conseguem ver diretamente como funciona.

Com o descobrimento do químico Martinostat, os cientistas conseguirão ver, em exames cerebrais, se o medicamento está a atuar na molécula correta.

Os investigadores já receberam financiamento para estudar pessoas com esquizofrenia, Alzheimer e doença de Huntington.

BZR, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Buracos negros minúsculos podem estar a "esconder-se" dentro de estrelas (e a devorá-las por dentro)

Uma equipa de investigadores tem um novo palpite sobre onde procurar a misteriosa matéria escura: esta pode estar a assumir a forma de buracos negros endoparasitários. De acordo com o ScienceAlert, buracos negros primordiais minúsculos, quase …

Maionese está a salvar tartarugas após derrame de petróleo em Israel

Membros do Centro Nacional de Resgate de Tartarugas Marinhas de Israel estão a usar maionese para limpar as vias respiratórias de tartarugas que inalaram petróleo em alto-mar. Israel fechou este domingo as praias mediterrânicas dias após …

Itália investiga empresas de entrega de comida. Há estafetas tratados "como escravos"

Itália está a investigar as empresas de entrega de comida online, com um promotor a lamentar que os estafetas que fazem as entregas, muitos deles imigrantes, são praticamente tratados "como escravos". Procuradores de Milão avançaram que …

O IONIQ 5 é o novo carro elétrico da Hyundai (e é enorme entre eixos)

O ano 2021 vai ser promissor na apresentação e lançamento de carros elétricos no mercado mundial. Algumas marcas, como a Hyundai, têm produtos prontos para serem comercializados. Agora, a marca sul-coreana apresenta o IONIQ 5. Com …

Em Moscovo, qualquer um pode ser vacinado contra a covid-19 (e até ganha um gelado)

Em Moscovo, capital da Rússia, a vacina Sputnik V está disponível gratuitamente a qualquer pessoa que queira ser vacinada desde 18 de janeiro. Os interessados não precisam de agendar a toma e até ganham um …

As abelhas convenceram-nos de que sabiam matemática. Mas mentiram-nos

O novo estudo não significa necessariamente que as abelhas não entendam números, mas sugere que os animais usam propriedades não numéricas para resolver problemas matemáticos. Vários estudos convenceram-nos de que as abelhas são pequenos génios matemáticos: …

Liam Thorpe era prioritário na vacinação contra a covid-19 por ter 6,2 cm. Foi um erro

Liam Thorp, um homem de 32 anos sem comorbilidades, foi incorporado na lista de cidadãos prioritários para a vacinação contra a covid-19 no Reino Unido. Tudo por causa de um erro no sistema, que o registou …

Decisão de Lyon de retirar carne das ementas escolares gera protestos em França

A decisão temporária do presidente da Câmara de Lyon, membro do partido Europa Ecologia - Os Verdes, está a ser recebida com protestos em França. De acordo com o jornal The Guardian, Grégory Doucet decidiu retirar …

Roma 3-1 SC Braga | Minhotos despedem-se na Cidade Eterna

Portugal está sem equipas na Liga Europa 2020/21. O Sporting de Braga deslocou-se a Roma e perdeu por 3-1, terminando a eliminatória dos 16 avos-de-final com um agregado de 5-1, após a derrota por 2-0 …

Desenhe o seu próprio icebergue. Um site diz-lhe se flutua ou se vira

Joshua Tauberer criou um simulador de icebergues com o objetivo de demonstrar que a glacióloga Megan Thompson-Munson estava certa. "Um icebergue alongado não flutuaria de cabeça, mas de lado", disse a especialista na semana passada. A …