Cientistas descobriram como visualizar alterações genéticas em cérebros vivos

Athit Perawongmetha / World Bank

-

Cientistas descobriram como visualizar as alterações da atividade genética em cérebros vivos, uma técnica que pode ajudar a entender se os medicamentos funcionam como é suposto em tratamentos de Alzheimer, esquizofrenia e outros distúrbios neurológicos.

Os investigadores concentraram-se nas moléculas que regulam o modo como o ADN se envolve em torno das proteínas que servem como unidades estruturais do nosso material genético.

Essas moléculas, chamadas de Histona deacetilases (HDAC), foram encontradas em doentes com Alzheimer – em níveis elevados – na zona do cérebro que regula a memória.

Um grupo de investigação, liderado por Hsiao-Ying Wey e Tonya Gilbert, da Harvard Medical School, passou sete anos a desenvolver o composto químico – Martinostat – que se liga ao cérebro e identifica onde estão essas HDAC e em que quantidade.

No estudo, publicado pela Science Translational Medicine, os cientistas injetaram o químico em oito pacientes saudáveis ​​e conseguiram analisar, pela primeira vez, o modo como essas moléculas funcionam em humanos vivos.

Mira Jakovcevski, uma investigadora epigenética do Instituto Max Planck de Psiquiatria, afirmou que “no passado, os cientistas que estudaram o tecido cerebral de pacientes psiquiátricos – com doenças como depressão e dependência – encontraram, após a morte, níveis elevados de HDAC“.

Mas os estudos realizados em cérebros humanos mortos não eram suficientemente credíveis porque o nível de moléculas tem tendência a mudar rapidamente depois da morte.

Além disso, os cientistas que estudam um tecido morto, normalmente só conseguem olhar para uma região de cada vez, enquanto que a análise do cérebro vivo permite observar várias regiões ao mesmo tempo.

“É extremamente importante conhecer diretamente a forma como as moléculas são distribuídas no cérebro vivo, e esta é uma maneira muito elegante de fazê-lo” sublinhou Jakovcevski.

De acordo com Jacob Hooker, diretor de radioquímica e co-autor do estudo, os investigadores que têm acompanhado, até hoje, o efeito dos medicamento para tratar a doença de Alzheimer, não conseguem ver diretamente como funciona.

Com o descobrimento do químico Martinostat, os cientistas conseguirão ver, em exames cerebrais, se o medicamento está a atuar na molécula correta.

Os investigadores já receberam financiamento para estudar pessoas com esquizofrenia, Alzheimer e doença de Huntington.

BZR, ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …