Cientistas descobrem que a vida na Terra pode ter surgido antes do tempo

Matthew priteeboy / Deviant Art

"Origins of Life"

“Origins of Life”

Um novo estudo teórico sugere que a vida na Terra é, na escala cósmica, prematura.

Enquanto o universo tem 13,8 mil milhões de anos de idade, a Terra, o nosso planeta, formou-se há apenas 4,5 mil milhões de anos atrás.

Alguns cientistas acreditam que este intervalo de tempo significa que a vida em outros planetas pode ser mil milhões de anos mais antiga do que a nossa.

No entanto, um novo trabalho teórico sugere agora que a vida na Terra é, na verdade, prematura – numa perspectiva cósmica.

“Se alguém perguntar Quando é mais provável que a vida surja?, podemos ingenuamente dizer agora”, diz à Phys.org o autor principal do estudo, Avi Loeb, investigador do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, nos EUA.

“Mas descobrimos que há uma probabilidade muito maior que tal aconteça no futuro distante”, aponta.

A vida como a conhecemos tornou-se possível cerca de 30 milhões de anos após o Big Bang, quando as primeiras estrelas semearam o cosmos com os elementos necessários para a sua existência dela – como o carbono e o oxigênio – e vai acabar daqui 10 biliões de anos, quando as últimas estrelas desaparecerem e morrerem.

Avi Loeb e os colegas consideraram a probabilidade relativa entre esses dois limites distantes de tempo.

O tempo das estrelas

O estudo de Loeb, publicado no Journal of Cosmology and Astroparticle Physics, concluiu que o factor predominante é o tempo de existência das estrelas. Quanto maior for a massa de uma estrela, mais curta a sua vida útil.

Estrelas maiores, com cerca de três vezes a massa do Sol, desaparecem antes que a vida tenha hipótese de evoluir.

Por outro lado, as menores estrelas do Universo pesam menos do que 10% da massa do Sol. Estas anãs brilham por 10 biliões de anos, dando tempo suficiente a que a vida evolua em qualquer planeta que elas abriguem.

Como resultado, a probabilidade cresce ao longo do tempo – o que resulta numa probabilidade 1.000 vezes maior de que tal aconteça num futuro distante do que agora.

Perigos

“Então, porque é que não estamos a viver no futuro, próximo de uma estrela com uma massa pequena?” diz Loeb.

Uma possibilidade é que sejamos prematuros. Outra possibilidade é que o ambiente em torno de uma estrela dessas seja perigoso”, explica o cientista.

Apesar de estrelas anãs vermelhas viverem por um longo tempo e terem pouca massa, elas também representam ameaças únicas.

Na sua juventude, as anãs vermelhas emitem chamas fortes e radiação ultravioleta, que podem atingir a atmosfera de qualquer planeta rochoso na zona habitável.

Para determinar qual a resposta correta – se a nossa existência é prematura ou se os riscos da proximidade de uma estrela com massa pequena são muito altos – Loeb recomenda que estudemos as proximidades de estrelas anãs vermelhas e os seus planetas em busca de sinais de habitabilidade.

Missões espaciais futuras como o Satélite de Pesquisa Transiting Exoplanet e o Telescópio Espacial James Webb devem ajudar a responder estas perguntas.

Até lá, não nos resta mais que ficar na dúvida: somos prematuros cósmicos? E porquê?

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Veneno de cascavel pode ser o segredo para novo analgésico poderoso

Um composto do veneno da cascavel sul-americana pode ser usado para criar um analgésico poderoso. Os testes feitos em animais foram um sucesso. A crotoxina pode ser encontrada no veneno da cascavel sul-americana, Crotalus durissus terrificus, …

O falecido George Solitário, última tartaruga da sua espécie, pode ter parentes vivos

Uma expedição científica encontrou, em Galápagos, uma tartaruga com uma alta carga genética da espécie a que pertenceu o famoso George Solitário. Em 2012, uma tartaruga gigante, conhecida como George Solitário, faleceu com 100 anos. A …

Vídeo de criança vítima de bullying gera onda de apoio global

Internautas de todo o mundo, inclusive celebridades, uniram-se para dar apoio ao menino australiano, de nove anos, que sofre de bullying por causa da sua aparência. De acordo com a BBC, Yarraka Bayles partilhou o vídeo …

Descoberta nova quasipartícula: o π-ton

Foi descoberta uma nova quasipartícula no Instituto de Tecnologia de Viena. Os cientistas batizaram-na de π-ton, uma quasipartícula que contém dois eletrões e duas lacunas. Existem diferentes tipos de partículas. Um deles, as quasipartículas, são excitações …

É oficial. Friends está de volta para um episódio especial

As preces dos fãs foram finalmente ouvidas. O elenco de Friends vai reunir-se para um episódio especial exclusivo na HBO Max. Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, Matthew Perry e David Schwimmer voltarão ao …

Dieta ocidental está a deixar as pessoas menos inteligentes

Uma dieta pouco saudável, à base de hambúrgueres e doces está literalmente a deixar as pessoas menos inteligentes apenas no espaço de uma semana. Esta foi a conclusão de um estudo de investigadores da Universidade …

Pedro Proença: Sociedade deve atuar no combate ao racismo

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) disse, esta sexta-feira, que a sociedade portuguesa deve atuar no combate ao racismo, violência, xenofobia e intolerância. A Liga vai lançar, durante este fim-de-semana, uma campanha com …

Na última década, Coreia do Norte gastou mais de meio milhão de dólares em cavalos russos

A Coreia do Norte gastou recentemente dezenas de milhares de dólares na aquisição de 12 cavalos provenientes da Rússia, de acordo com os dados alfandegários. A Coreia do Norte gastou quase meio milhão de dólares (584.302 …

O caranguejo "supervilão" do Canadá vai ser transformado em plástico biodegradável

Uma equipa de cientistas no Canadá desenvolveu um plano para transformar uma espécie invasora de crustáceo - conhecida como como caranguejo supervilão - em copos e talheres  de "plástico", usando as suas carapaças para criar …

Covid-19. Tripulante de navio japonês pode ser o primeiro português infetado

Um português que é tripulante do navio Princess Cruises, atracado no porto de Yokohama, no Japão, pode ter sido diagnosticado "positivo" com o novo coronavírus. Contactada pela agência Lusa, a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas, afirma …