Cientistas descobrem que a vida na Terra pode ter surgido antes do tempo

Matthew priteeboy / Deviant Art

"Origins of Life"

“Origins of Life”

Um novo estudo teórico sugere que a vida na Terra é, na escala cósmica, prematura.

Enquanto o universo tem 13,8 mil milhões de anos de idade, a Terra, o nosso planeta, formou-se há apenas 4,5 mil milhões de anos atrás.

Alguns cientistas acreditam que este intervalo de tempo significa que a vida em outros planetas pode ser mil milhões de anos mais antiga do que a nossa.

No entanto, um novo trabalho teórico sugere agora que a vida na Terra é, na verdade, prematura – numa perspectiva cósmica.

“Se alguém perguntar Quando é mais provável que a vida surja?, podemos ingenuamente dizer agora”, diz à Phys.org o autor principal do estudo, Avi Loeb, investigador do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, nos EUA.

“Mas descobrimos que há uma probabilidade muito maior que tal aconteça no futuro distante”, aponta.

A vida como a conhecemos tornou-se possível cerca de 30 milhões de anos após o Big Bang, quando as primeiras estrelas semearam o cosmos com os elementos necessários para a sua existência dela – como o carbono e o oxigênio – e vai acabar daqui 10 biliões de anos, quando as últimas estrelas desaparecerem e morrerem.

Avi Loeb e os colegas consideraram a probabilidade relativa entre esses dois limites distantes de tempo.

O tempo das estrelas

O estudo de Loeb, publicado no Journal of Cosmology and Astroparticle Physics, concluiu que o factor predominante é o tempo de existência das estrelas. Quanto maior for a massa de uma estrela, mais curta a sua vida útil.

Estrelas maiores, com cerca de três vezes a massa do Sol, desaparecem antes que a vida tenha hipótese de evoluir.

Por outro lado, as menores estrelas do Universo pesam menos do que 10% da massa do Sol. Estas anãs brilham por 10 biliões de anos, dando tempo suficiente a que a vida evolua em qualquer planeta que elas abriguem.

Como resultado, a probabilidade cresce ao longo do tempo – o que resulta numa probabilidade 1.000 vezes maior de que tal aconteça num futuro distante do que agora.

Perigos

“Então, porque é que não estamos a viver no futuro, próximo de uma estrela com uma massa pequena?” diz Loeb.

Uma possibilidade é que sejamos prematuros. Outra possibilidade é que o ambiente em torno de uma estrela dessas seja perigoso”, explica o cientista.

Apesar de estrelas anãs vermelhas viverem por um longo tempo e terem pouca massa, elas também representam ameaças únicas.

Na sua juventude, as anãs vermelhas emitem chamas fortes e radiação ultravioleta, que podem atingir a atmosfera de qualquer planeta rochoso na zona habitável.

Para determinar qual a resposta correta – se a nossa existência é prematura ou se os riscos da proximidade de uma estrela com massa pequena são muito altos – Loeb recomenda que estudemos as proximidades de estrelas anãs vermelhas e os seus planetas em busca de sinais de habitabilidade.

Missões espaciais futuras como o Satélite de Pesquisa Transiting Exoplanet e o Telescópio Espacial James Webb devem ajudar a responder estas perguntas.

Até lá, não nos resta mais que ficar na dúvida: somos prematuros cósmicos? E porquê?

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Revelada origem das galáxias mais "extremas"

Os astrónomos descobriram que a chave para entender as galáxias com tamanhos "extremos", pequenas ou grandes, pode estar nos seus arredores. Em dois estudos relacionados, uma equipa internacional descobriu que as galáxias que são "ultracompactas" ou …

Cientista sugere construir abrigos em Marte com polímeros de insetos e solo marciano

Um cientista da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura desenvolveu uma tecnologia à base de quitina que poderia ser utilizada para produzir ferramentas e abrigos marcianos. Javier Fernandez e os seus colegas utilizaram substâncias químicas …

Mergulhadores terão encontrado o USS Grenadier, um submarino norte-americano perdido na 2.ª Guerra

O submarino norte-americano USS Grenadier, perdido durante a II Guerra Mundial, terá sido encontrado por mergulhadores no estreito de Malaca, perto da Tailândia. Os mergulhadores acreditam ter encontrado no estreito de Malaca, a 150 quilómetros a …

Justiça angolana manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

A justiça angolana ordenou o encerramento e apreensão de todos os templos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, estando o processo de selagem a ser feito “de forma gradual”, disse à …

"Reality show" afirma que vai enviar concorrente à Estação Espacial Internacional

Space Hero, uma unidade de produção com sede nos Estados Unidos que afirma ser a "primeira empresa de media espacial", alega que garantiu um lugar numa missão da SpaceX para a Estação Espacial Internacional de …

Oceanbird: O navio movido a energia eólica que vai revolucionar a indústria da navegação

A transportadora Oceanbird deverá transportar 7 mil carros e será movido a energia eólica, e por isso deverá tornar o processo de deslocação de veículos mais sustentável. De acordo com um relatório do The Driven, um …

"Esqueceu-se disto". Parque Nacional na Tailândia envia lixo deixado pelos visitantes por correio

Se deitar lixo ao chão no Parque Nacional Khao Yai, na Tailândia, esse mesmo lixo será enviado de volta para sua casa. Os infratores também serão registados na polícia local. O Parque Nacional Khao Yai, no …

Banco britânico HSBC permitiu branqueamento de esquema de Ponzi de milhões de dólares

O banco britânico HSBC permitiu que fossem transferidos milhões de dólares para todo o mundo de forma fraudulenta, mesmo depois de ter tomado conhecimento da fraude, de acordo com documentos secretos revelados, divulgou hoje a …

Este é o primeiro aeroporto 5 estrelas do mundo devido aos seus protocolos contra covid-19

A Skytrax, órgão que examina e classifica aeroportos em todo o mundo, costuma chamar a atenção do setor pelo menos uma vez por ano, durante a sua cerimónia de prémios. Este ano, o World Airline Awards, …

Há alguma ligação entre stress, insónias e sistema imunitário? Estudo americano sugere que sim

Um estudo realizado por neuro-cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, sugere que poderá existir uma relação entre o stress, as insónias e um fraco sistema imunitário. Investigadores do laboratório Cold Spring Harbor e da …