Cientistas descobrem novo sistema raro de grupos sanguíneos

Um novo estudo realizado por cientistas da Universidade de Bristol e do NHS Blood & Transplant permitiu descobrir um novo e raro sistema de grupos sanguíneos.

O tipo de sangue humano é determinado pelos antigénios nos glóbulos vermelhos.

Um antigénio é uma estrutura na superfície celular que provoca uma resposta imunitária humana a que reage se a estrutura for estranha ao corpo da pessoa.

Como resultado, uma correspondência do tipo sanguíneo é de importância crítica. Existem vários grupos sanguíneos essenciais, mas existem dois que são mais familiares — ABO ou RH — (o mais ou o menos).

Cientistas da Universidade de Bristol e do NHS Blood & Transplant descobriram um novo e raro sistema de grupos sanguíneos.

Segundo a Tech Explorist, como parte de uma colaboração internacional, os cientistas quiseram investigar um mistério de 30 anos em torno da base de três antigénios conhecidos mas geneticamente não caracterizados que não cabiam em nenhum sistema de grupos sanguíneos conhecidos.

Neste estudo publicado este mês na ASH Publications Blood, indivíduos que tinham aloanticorpos contra um grupo de antigénios conhecidos como Er que foram descobertos há mais de 30 anos foram examinados utilizando um método poderoso que permitiu a investigação simultânea de todas as suas sequências de ADN codificadoras de genes.

Estes indivíduos produziram uma proteína alterada nas suas superfícies celulares devido a alterações específicas no gene que codifica a proteína Piezo1.

Ao utilizar a edição genética numa linha celular imortalizada desenvolvida em Bristol, a proteína Piezo1 foi removida e reintroduzida para provar aloanticorpos aos antigénios Er (incluindo dois nunca antes reportados) ligados ao Piezo1. O Piezo1 é necessário para a expressão dos antigénios Er.

A equipa estabeleceu o Er como um novo sistema de grupos sanguíneos, demonstrando claramente que Piezo1, uma proteína de ampla importância biológica, é o portador para estes locais, utilizando uma combinação de sequenciação de ADN de vanguarda e técnicas de edição de genes.

A descoberta da base genética dos grupos sanguíneos permite aos cientistas desenvolver novos testes para identificar aqueles com grupos sanguíneos pouco comuns, a fim de proporcionar o melhor cuidado possível aos doentes com tipos sanguíneos mesmo raros.

Apesar do facto de ainda haver muito a aprender sobre o Piezo1, a descoberta da equipa faz avançar a compreensão neste campo e marca mais um desenvolvimento 1290significativo na área das ciências do sangue.

O Dr. Tim Satchwell, um dos principais autores do estudo na Universidade de Bristol, afirmou: “Este estudo é um grande exemplo de como as novas tecnologias podem combinar-se com abordagens mais tradicionais para abordar questões de longa data que teriam sido impossíveis de responder não há muitos anos atrás. Er acabou por ser Piezo1, uma proteína com um interesse tão generalizado, o que a torna ainda mais intrigante”.

O Professor Ash Toye, Professor de Biologia Celular na Universidade de Bristol e Director da Unidade de Pesquisa de Sangue e Transplante do NIHR, disse: “Este trabalho demonstra que mesmo depois de toda a investigação realizada até à data, o simples glóbulo vermelho do sangue ainda nos pode surpreender.”

“As proteínas piezoelétrico são proteínas mecanossensoriais utilizadas pelos glóbulos vermelhos para sentir quando estão a ser espremidas. A proteína está presente em apenas algumas centenas de cópias na membrana de cada célula. Este estudo destaca a potencial antigenicidade, mesmo das proteínas muito pouco expressas, e a sua relevância para a medicina transfusional”.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.