Cientistas descobrem flor intacta em fóssil com 15 milhões de anos

George Poinar

As flores, batizadas de Strychnos electri, estavam incrivelmente bem conservadas, o que facilitou seu estudo

Investigadores da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, descreveram uma nova espécie de planta graças à descoberta de flores fossilizadas dentro de pedaços de âmbar com pelo menos 15 milhões de anos.

As duas flores estavam entre os 500 fósseis recolhidos numa expedição realizada em 1986 pelo professor George Poinar, um famoso entomologista.

A maioria das amostras recolhidas era de insectos mas, depois de quase 30 anos de investigação o professor começou a analisar as flores.

Poinar percebeu que estas estavam praticamente intactas, algo muito difícil de acontecer com plantas presas em âmbar: regra geral, restam apenas fragmentos.

Em 2015, Poinar enviou fotos em alta resolução para Lena Struwe, da Universidade Rutgers, em Nova Jérsei.

“Parecia que essas flores tinham acabado de cair de uma árvore. Pensei que poderiam ser flores Strychnos“, conta Pionar.

Ao receber as amostras presas em âmbar, Struwe comparou a estrutura física de todas as 200 flores conhecidas da espécie Strychnos, analisando coleções inteiras de museus e acervos – e comprovou a descoberta do colega.

A professora explica que as características usadas para identificar espécies de Strychnos estão na morfologia da flor, e “por sorte era o que encontramos nesse fóssil”.

“Analisei cada amostra de espécie do Novo Mundo, fotografei e medi, e então comparei com a foto que George me mandou e fui-me perguntando: ‘Como são os pelos nas pétalas? Onde estão situados?’, e assim por diante.”

A descoberta foi publicada na revista especializada Nature Plants.

Veneno

George Poinar

As flores datam do fim do período cretáceo

As flores datam do fim do período cretáceo

A nova planta, batizada de Strychnos electri, pertence ao género de arbustos tropicais e árvores conhecidos por produzir a toxina estricnina.

Para os animais do fim do período cretáceo que conviveram com ela, a planta era um perigo.

“Espécies do género Strychnos são quase todas tóxicas de alguma forma”, explica George Poinar.

“Cada planta tem os seus próprios alcalóides com efeitos variados. Algumas são mais tóxicas do que outras e pode ser que tenham sido bem-sucedidas porque os seus venenos ofereciam algum tipo de defesa contra os animais herbívoros”, acrescentou.

O mais famoso desses alcalóides, a estricnina, é uma toxina usada como base de muitos venenos contra ratos.

Esta toxina também é citada em muitos trabalhos de ficção, como o filme Psicose, de Alfred Hitchcock. A estricnina era uma das armas do personagem de Norman Bates.

Contudo, essas plantas são também da família das asterídeas, que inclui mais de 80 mil plantas floríferas – até mesmo muitas que são de consumo humano, como a batata, o café e o girassol.

A descoberta destas flores quase intactas e tão antigas é um novo elemento muito importante no registo de fósseis desta família, que ainda não é totalmente compreendida pelos cientistas.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Hubble capta a imagem mais nítida do primeiro cometa interestelar confirmado

O Hubble conseguiu captar uma fotografia de 2I/Borisov, o primeiro cometa interestelar até agora detetado, avançou a NASA, que opera o telescópio espacial. De acordo com a nota divulgada pela agência espacial norte-americana, a fotografia …

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …