Cientistas criaram algodão que brilha no escuro

Uma equipa de investigadores, do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel, criou um algodão que brilha naturalmente no escuro.

Os cientistas andam a desenvolver diversos materiais “inteligentes” como, por exemplo, uma nova resina de polímero que pode fechar feridas, fios de nanotubos de carbono que podem gerar eletricidade, entre outros.

O que essas tecnologias têm em comum é que todas dependem de revestimentos superficiais que transformam substâncias “normais” em novas ferramentas, o que pode ser um problema porque, quanto mais são usadas, menos funcionais se tornam por causa do desgaste natural.

Agora, investigadores tentaram resolver esse problema ao inserir uma funcionalidade diretamente nos blocos de construção fundamentais dos materiais.

E parece que estão no caminho certo. De acordo com um estudo publicado na revista Science, uma equipa de cientistas conseguiu criar um algodão que brilha naturalmente no escuro, cultivando a planta de forma a que esta incorpore moléculas fluorescentes nas suas fibras.

O método

Os cientistas conseguiram fazer isso ao sintetizar compostos, chamados derivados de glicose, que atuaram como uma “cola” molecular para ligar as moléculas fluorescentes à camada celular mais externa das fibras de algodão.

Na mesma experiência, usaram essas “conexões vasculares” para anexar uma molécula que conferia magnetismo às fibras de celulose a que estavam ligadas.

“A fluorescência e as propriedades magnéticas foram a nossa prova de princípio – as aplicações estão agora abertas”, disse o autor principal do estudo, Filipe Natalio, do Instituto Weizmann de Ciência, em Israel, ao portal Inverse.

“As abordagens atuais para produtos têxteis inteligentes usam revestimentos. Na nossa abordagem, a molécula funcional será tecida juntamente com outros blocos de construção”, explica.

Natalio destaca as aplicações potenciais da técnica, como transformar materiais naturais num meio para armazenar dados, e também a ideia de usar uma matéria-prima como o algodão, que foi escolhida para este estudo por causa de sua “importância económica e do longo relacionamento com humanos”.

Será que um dia chegaremos lá?

No futuro, o cientista prevê uma série de estufas hidropónicas auto-sustentáveis – técnica de cultivo em que as plantas são colocadas fora do solo, em recipientes com água e soluções nutritivas – nas quais os cientistas poderão simplesmente adicionar a molécula funcional de escolha no recipiente de água e observar suas “plantas inteligentes” crescerem.

Natalio está já a pensar no conceito da “nova era da agricultura material”, a ideia de manipular quimicamente um sistema biológico – seja algodão, linho ou bambu – e colher o produto final pelas suas propriedades personalizadas.

No entanto, o investigador tem o cuidado de destacar que não se trata de engenharia genética, ao contrário do estudo que criou coelhos para brilhar no escuro, por exemplo.

PARTILHAR

RESPONDER

Petição quer enfermeiros como profissão de desgaste rápido e subsídio de risco. 2.500 já assinaram

Mais de 2.500 pessoas já assinaram uma petição online que defende a atribuição do estatuto de profissão de desgaste rápido aos enfermeiros, bem como a atribuição de um subsídio de risco. No texto, os promotores defendem …

Para os norte-americanos, Portugal é o melhor país para gozar a reforma

Para os norte-americanos, Portugal é o melhor país para gozar a reforma depois de uma vida de trabalho. Os custos de vida, o clima e as pessoas são alguns dos motivos que levam os pensionistas …

Berardo apresenta recurso contra arresto de imóveis de luxo

Joe Berardo apresentou um recurso contra o arresto a dois imóveis de luxo em Lisboa. As propriedades foram arrestadas pela Caixa Geral de Depósitos por dívidas superiores a 300 milhões. O empresário madeirense Joe Berardo interpôs …

Para além de autocarros, Cascais quer comboios gratuitos dentro do município

Desde 1 de janeiro de 2020, Cascais tornou-se no primeiro concelho do país a ter transportes públicos rodoviários gratuitos. Agora, quer alargar a iniciativa aos comboios. "Estamos a abrir um novo paradigma, que encara a mobilidade …

Governo convoca sindicatos para negociar aumentos acima dos 0,3%

O Governo convocou as estruturas sindicais da administração pública para voltar a negociar a proposta dos aumentos salariais de 0,3% para este ano. De acordo com a agência Lusa, o Governo convocou as estruturas sindicais da administração …

Governo prepara injeção final de 1400 milhões no Novo Banco

Desde a venda, em outubro de 2017, o Estado já injetou 1,9 mil milhões de euros no Novo Banco. Agora, o Fundo de Resolução estuda injetar mais 1,4 mil milhões. O Fundo de Resolução e o …

Em Espanha, há jogadores a serem pressionados a sair para países árabes

Jogadores do UD Almería estão a ser pressionados pelo dono do clube a sair para clubes de países árabes. Alguns atletas já apresentaram queixa ao sindicato. O xeique Turki Al-Sheikh, dono do Almería, da segunda divisão …

Chuva forte inunda Hospital de São José, em Lisboa

As chuvas fortes que se fizeram sentir esta quinta-feira inundaram o Hospital de São José, em Lisboa, deixando algumas salas alagadas. A informação é avançada pelo Correio da Manhã, que publicada algumas fotografias nas quais se …

Aos 58 anos, Carlos Sainz volta a fazer história ao conquistar o seu terceiro Dakar

Carlos Sainz reforçou o estatuto de piloto mais veterano a conquistar o Dakar, ampliando assim por mais um par de anos o recorde que já lhe pertencia. O espanhol Carlos Sainz (Mini) conquistou a terceira vitória …

Alunos até ao 6.º ano vão poder ficar nas escolas das 9 às 17 horas

O princípio da Escola a Tempo Inteiro (ETI), que permite prolongar o horário escolar dos alunos do 1.º ciclo através de Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC), vai ser também alargado aos estudantes do 2.º ciclo. …