Cientistas criam tatuagem que recarrega bateria com suor

J.Wang, ACS / BBC

A bio-bateria em forma de tatuagem é alimentada pelo lactato - naturalmente presente após uma vigorosa sessão de exercício físico

A bio-bateria em forma de tatuagem é alimentada pelo lactato – naturalmente presente após uma vigorosa sessão de exercício físico

Uma boa sessão de exercício físico não só é benéfica para a saúde – também pode no futuro recarregar o seu telemóvel. Uma tatuagem que produz energia a partir do suor foi um dos destaques de um encontro da Sociedade Americana de Química, em San Francisco.

A tatuagem é um adesivo que contém uma bio-bateria alimentada por lactato, uma substância muito semelhante ao ácido lático produzida durante o exercício físico intenso e presente no suor.

A técnica pode em breve ser usada para fornecer energia a aparelhos de monitorização cardíaca, relógios digitais e até mesmo smartphones, dizem cientistas americanos.

Os cientistas já desenvolveram formas de usar o corpo humano para carregar pequenos aparelhos eletrónicos: algumas tecnologias tiram proveito do movimento do corpo, enquanto outras recorrem ao sangue para fornecer energia a células de biocombustível implantadas no organismo.

“O nosso aparelho é o primeiro a usar o suor. É um teste do conceito”, explica à BBC a cientista Wenzhao Jia, da Universidade da Califórnia, em San Diego, que publicou detalhes da técnica na revista científica Angewandte Chemie.

“Para já, não conseguimos produzir muita energia. Mas estamos a trabalhar para melhorar a tecnologia com o fim de poder carregar aparelhos eletrónicos de pequeno porte.”

A investigadora Wenzhao Jia, da UCSD, testa a sua bio-bateria

Descoberta inesperada

A investigadora conta que a equipa científica que realizou o estudo não estava à procura de desenvolver uma bio-bateria, mas sim de um aparelho de monitorização dos níveis de lactato.

A medição dos níveis da substância é feita por atletas profissionais para avaliar a sua preparação física e eficiência. Mas o procedimento é inconveniente, porque normalmente envolve tirar amostras de sangue.

Para criar uma forma mais rápida e confortável de realizar o teste, Jia acoplou um sensor de lactato a uma tatuagem temporária. “Eu mesmo a usei – nem sequer se sente. É como uma verdadeira tatuagem”, diz a cientista.

“Não é uma coisa só para atletas. A maioria das pessoas que se exercita quer saber como pode melhorar a eficiência do seu exercício físico.”

Mas a equipa de Jia foi mais longe e transformou o sensor numa bateria carregada pelo suor, incorporando uma enzima que recolhe electrões do lactato, gerando corrente elétrica.

Numa sessão de 30 minutos de bicicleta com intensidades variadas, voluntários com as tatuagens geraram até 70 microwatts por centímetro quadrado de pele.

“Os nossos eléctrodos têm só 2×3 milímetros de tamanho, e geram cerca de 4 microwatts – um pouco pequenos para gerar energia suficiente para carregar um relógio digital, por exemplo, que requer 10 microwatts”, explica a investigadora.

Curiosamente, diz Jia, quem tem menos preparação física geraram mais energia, e os que se exercitavam mais de três vezes por semana geraram menos.

“Acreditamos que seja porque as pessoas menos preparadas fisicamente se cansam mais rapidamente, gerando mais lactato. Uma pessoa melhor preparada terá que se exercitar bastante mais para produzir energia para a bateria.”

Energia renovável

Jia diz que aumentar a produção de energia é um dos desafios que o seu laboratório precisa de vencer para desenvolver o produto comercialmente – finalidade para a qual inclusive já formou uma parceria com uma startup de tecnologia.

Uma maneira de o fazer é tornar o aparelho mais sensível à substância. Outra seria incorporar várias células de biocombustível à tatuagem, ligadas em série ou em paralelo.

Outros passos futuros são ligar aparelhos electrónicos portáteis à tatuagem e criar uma forma de armazenar a corrente eléctrica gerada, diz Jia.

Mas porque usar o corpo e não miniaturizar baterias convencionais?

“Porque as bio-baterias têm algumas vantagens”, argumenta Jia.

“Elas podem ser recarregadas mais rapidamente e são mais seguras. Não há risco de explosão ou fuga de materiais tóxicos” explica.

“E usam uma fonte de energia renovável: você.”

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Myanmar: Exército dispara munições reais contra manifestantes

O exército birmanês disparou este domingo contra vários manifestantes com munições reais em Bagan, a cidade histórica na área central de Myanmar, causando um ferido leve, segundo os organizadores do protesto. Milhares de birmaneses voltaram às …

Cientistas criam um "relógio" que mede a idade biológica

Dois cientistas do CECAD Cluster of Excellence in Aging Research desenvolveram um método que pode determinar a idade biológica de um organismo com uma precisão sem precedentes. Todos conhecemos a idade cronológica - a nossa idade …

"Das palavras aos atos". Marcelo com mais de 60% de mulheres na sua equipa no segundo mandato

O Presidente da República considerou este domingo que os passos dados para salvaguardar a igualdade de género em Portugal não são ainda suficientes e afirmou que quis passar "das palavras aos atos" com mais mulheres …

Governo dá 19,8 milhões às escolas para testes rápidos. Ensino privado também quer

O Conselho de Ministros aprovou, este domingo, uma resolução que permite às escolas e ao setor solidário efetuar despesa na realização de testes rápidos de antigénio à covid-19, num montante global de 19,8 milhões de …

Afinal, abandonar Montijo não obriga a indemnizar ANA (e há quem defenda opção Beja)

A alteração do local do novo aeroporto na sequência da avaliação ambiental estratégica não obriga ao pagamento de qualquer indemnização à ANA. De acordo com o esclarecimento do Ministério das Infraestruturas, uma eventual alteração do local …

Descoberta nova relação entre a biodiversidade dos animais e das florestas

Uma análise ao registo de imagens de 15 reservas de vida selvagem em florestas tropicais revelou uma relação até então desconhecida entre a biodiversidade de vários mamíferos e as florestas em que vivem. As florestas tropicais …

Pelo menos 17 mortos e 400 feridos em explosões na Guiné Equatorial

Pelo menos 17 pessoas morreram e outras 400 ficaram feridas após várias explosões registadas, este domingo, num quartel militar na cidade de Bata, na Guiné Equatorial, informaram as autoridades. De acordo com dados do Ministério da …

Marques Mendes antecipa desconfinamento a 15 de março. Creches e 1º ciclo são os primeiros a abrir

No seu habitual espaço de comentário na SIC, Luís Marques Mendes revelou, este domingo, que as creches, pré-escolar e 1º ciclo deverão abrir já a 15 de março. Segundo o comentador, o plano que vai ser …

Olivier Dassault, deputado bilionário francês, morre em acidente de helicóptero

O deputado francês Olivier Dassault, neto do fundador da Dassault Aviation, morreu este domingo, aos 69 anos, num acidente de helicóptero, no nordeste de França, avança a Agência France-Press (AFP). O acidente aconteceu este domingo perto …

Teoria ensinada na escola pode estar errada. Há um "núcleo mais interno" no centro da Terra

Uma equipa de investigadores da Universidade Nacional da Austrália confirmou, rastreando milhares de modelos numéricos, a existência do "núcleo mais interno" nas profundezas da Terra.  Na escola, os estudantes costumam aprender que o planeta Terra é …