Changesite-(Y). Cientistas chineses descobriram um novo mineral na Lua

China National Space Administration

Um grupo de cientistas chineses anunciou recentemente a descoberta de um novo mineral na Lua, ao qual deram o nome de Changesite-(Y), o sexto encontrado pela humanidade no satélite natural da Terra.

A China foi o terceiro país do mundo a identificar um mineral na Lua, a seguir aos Estados Unidos (EUA) e à Rússia. O nome do mineral encontrado em partículas basálticas lunares foi divulgado em conferência de imprensa pelo vice-presidente da Autoridade de Energia Atómica da China, Dong Baotong.

Apesar de a descoberta só ter sido agora anunciada, o mineral foi localizado há quase dois anos em amostras coletadas numa região da Lua identificada como Oceanus Procellarum, durante a missão de exploração lunar não tripulada Chang’e 5, que pousou no satélite natural em novembro de 2020.

No segundo semestre do ano passado, cerca de 1.731 miligramas do material chegou à Terra e, desde então, as amostras têm sido utilizadas em diversos estudos.

O estudo das amostras envolveu várias instituições daquele país, nomeadamente a Academia Chinesa de Ciências e os ministérios da Educação e Recursos Naturais e o Cientistas do Instituto de Pesquisa de Geologia em Urânio (Briug), de Pequim.

A equipa responsável por esta parte do projeto conseguiu descodificar a estrutura do Changesite-(Y) e concluiu que se trata de um fosfato em cristal colunar encontrado em partículas de basalto lunar.

O material em causa já foi analisado, reconhecido e aprovado pela Comissão de Classificação e Nomenclatura de Novos Minerais, subsidiária da Associação Mineralógica Internacional.

Citado pelo Tech Explorist, o investigador Li Ziying, que liderou a equipe do Briug, disse que a descoberta desse mineral ajudará na compreensão do processo de formação da Lua e da composição do solo lunar. Além disso, os dados obtidos são importantes para que em futuras missões lunares as equipes já tenham conhecimento prévio sobre os recursos que podem ser encontrados no satélite natural.

A missão Chang’e recebeu esse nome em homenagem à deusa da Lua na cultura chinesa. O projeto iniciou em 2007, com o lançamento de uma primeira sonda para estudar o solo lunar. Essa iniciativa é até hoje um dos maiores investimentos da China em programas espaciais.

Em junho do ano passado foi anunciada a descoberta de minerais de alta pressão nas amostras recolhidas pela mesma sonda, como é o caso de fragmentos de seifertita e estishovita, minerais formados a partir de dióxido de silício submetido a altas temperaturas e pressões.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.