Adeus, Tinder? Cidade chinesa está a criar um banco de dados para os seus solteiros

As autoridades de uma cidade chinesa meteram mãos à obra para tentar resolver a vida amorosa dos seus moradores solteiros.

De acordo com a revista Vice, funcionários do Partido Comunista Chinês da cidade de Luanzhou anunciaram, esta segunda-feira, que começaram a recolher informações pessoais de homens e mulheres não casados. O objetivo? Inserir estes dados num banco de dados central para tentar ajudar estas pessoas a encontrar o amor.

Esta é apenas uma das medidas encontradas pelas autoridades para tentar resolver a vida amorosa dos seus moradores. Também estão a ser realizadas festas para funcionários públicos e trabalhadores de empresas estatais nesta situação, bem como sessões de encontros às cegas.

Esperamos reunir homens e mulheres solteiros através destas atividades”, disse um representante do município num comunicado publicado na rede social Sina Weibo.

Para justificar esta ideia, as autoridades também destacaram que já tinham recebido pedidos de várias pessoas da população para que fosse criado um fórum de namoro. Mas, como conta a revista norte-americana, por melhores que sejam as intenções do município, há quem tenha ficado com a pulga atrás da orelha.

“Se acham que os mais jovens vão renunciar às festas em favor de uma festa virtual de encontros, estão muito enganados“, escreveu um utilizador da Weibo.

“As grandes famílias foram fortemente penalizadas com a política do filho único e, agora, o Governo está a tentar desfazer as repercussões prejudiciais dessa lei tóxica”, lembrou outro.

“Vai ser preciso muito mais para convencer a China moderna a voltar aos velhos tempos. As pessoas estão muito contentes com as suas vidas para as mudar agora drasticamente”, complementou.

De acordo com a Vice, o desequilíbrio entre homens e mulheres continua a ser um grande problema da sociedade chinesa – uma clara consequência da política do filho único que vigorou durante décadas no país e que preferia os rapazes às raparigas.

Em 2016, a nação asiática passou a permitir dois filhos por casal, mas acabou este ano por subir o limite para três devido à baixa taxa de natalidade.

Dados demográficos divulgados pelo Governo chinês mostram que há mais 35 milhões de homens solteiros do que mulheres, enquanto o número total de solteiros no país deverá ultrapassar os 90 milhões nos próximos anos.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.