/

Chuva de críticas à F1 em Portimão. Organização promete expulsar quem não cumprir distanciamento

2

Jorge Guerrero / EPA POOL

Fotografias das bancadas da Fórmula 1 em Portimão começaram a correr este sábado nas redes sociais, gerando alguma polémica e descansando uma série de críticas, uma vez que as bancadas pareciam ter mais público do que o previsto e as pessoas pareciam não respeitar o distanciamento social.

As mesmas fotografias, que rapidamente foram partilhadas nas redes sociais, pareciam mostrar bancadas com mais pessoas do que o previsto, sendo que é também possível identificar algumas pessoas sem máscara de proteção individual.

Contactada pelo Jornal de Notícias, a organização do Grande Prémio de Fórmula 1 de Portugal assegurou que o policiamento será reforçado no recinto, prometendo mais medidas para as corridas deste domingo.

Quanto às fotografias que circulam nas redes sociais, o administrador do Automóvel Internacional do Algarve, Paulo Pinheir, explicou que dizem respeito às bancadas “Portimão” e “Portimão 2”. “O autódromo [de Portimão] tem 11 bancadas e em nove correu tudo bem e nas outras duas mal”, explicou.

Quem não cumprir o que está assinalado nas bancadas e sair do seu lugar vai imediatamente para a rua“, assegurou o responsável ao mesmo matutino.

O líder do PSD, Rui Rio, e o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, recorreram também as redes sociais para criticar a situação.

“Critiquei a realização da festa do Avante e tenho de criticar, com a mesma veemência, este enorme ajuntamento de pessoas, principalmente numa altura em que a pandemia se está a agravar perigosamente. Não pode ser. Temos de ser responsáveis”, escreveu o líder laranja na sua conta pessoal no Twitter.

Rui Moreira manifestou-se na sua página de Facebook, numa publicação em que faz acompanhar um texto com um gráfico sobre a evolução dos internamentos associados à covid-19 em Portugal. “Não me posso calar, nem ser cúmplice”, começou por escrever.

“A DGS devia, por isso, ter cuidado. Não deixa mais de 1.500 pessoas estarem num estádio ao ar livre a ver futebol, não permite pequenos eventos organizados com todos os cuidados pelas autarquias, mas deixa que 27.500 pessoas estejam em cima umas das outras a ver F1. Estes paradoxos fazem com que os portugueses percam a confiança nas instituições”.

“Resta-nos ter bom senso, cumpre-nos a todos, individual e colectivamente, agir com prudência. Entender as fragilidades, conviver com as duvidas e angústias, mas não calar o que nos vai na consciência”, rematou.

Nas redes sociais foram várias pessoas a comentar a iniciativa.

No regresso da F1 a Portugal, 24 anos depois da última passagem do ‘circo’, o piloto da Mercedes conseguiu a 97.ª ‘pole’ da sua carreira este sábado, um recorde na modalidade, e pode chegar aos 92 triunfos no Campeonato do Mundo, superando o máximo que partilha com o alemão Michael Schumacher (91).

  ZAP //

2 Comments

  1. Por isso mesmo dou tanto valor ao moralismo ditado por as altas instancias como aos conselhos dados por um qualquer aldrabão, quando é evidente que os lobby’s de certas organizações condicionam o poder Politico do Estado. É mais que flagrante (para não dizer obsceno)o tratamento desigual que se exige a uns e não a outros. De aí em relação a eventos e actividades não indispensáveis no momento que vivemos; bombardeados de avisos e alertas diariamente evocando a responsabilidade Civil, assiste-se a permissividade dada a certas Organizações que chegam a concentrar milhares de Indivíduos !….. A responsabilidade da DGS e Ministério da Saúde e do proprio Governo, não passam de uma FARSA !

    • O que se passou ontem em Portimão deveria no minimo demitir toda a cupula do Ministério da Saude ( Ministra tenha o seu Momento De ” Jorge Coelho” dignifique a Politica ).A política precisa de ser dignifica e dignificada…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.