Chocos passaram num teste cognitivo desenvolvido para crianças

No ano passado, os chocos já tinham passado no teste do marshmallow, mas agora uma equipa de cientistas decidiu fazer uma nova experiência.

Segundo o site Science Alert, o teste do marshmallow consiste em colocar uma criança numa sala com um destes doces, sendo-lhe dito que, se conseguir não o comer durante 15 minutos, recebe outro, podendo nessa altura comer os dois.

Esta capacidade para adiar uma gratificação demonstra habilidades cognitivas como planeamento futuro e foi originalmente conduzida para estudar como a cognição humana se desenvolve. Mais especificamente, com que idade é que um ser humano é inteligente o suficiente para atrasar a gratificação, se isso significar um melhor resultado mais tarde.

Por ser tão simples, este teste pode ser adaptado para animais. Obviamente, não se pode dizer a um animal que vai ter uma recompensa melhor se esperar, mas é possível treiná-lo para entender que uma comida melhor está a caminho se não comer a que está à sua frente no imediato.

Alguns primatas já demonstraram conseguir passar no teste, assim como os cães (embora com algumas inconsistências) e até os corvos. No ano passado, foi a vez dos chocos (Sepia officinalis). Os cientistas responsáveis pela investigação mostraram que estes cefalópodes evitavam comer caranguejo pela manhã, pois sabiam que o jantar seria algo de que gostavam muito mais (camarão).

Agora, uma equipa de cientistas liderada pela ecologista comportamental Alexandra Schnell, que já tinha participado no estudo anterior, fez uma nova experiência.

Seis chocos foram colocados num tanque especial com duas câmaras fechadas, que possuíam portas transparentes para que os animais pudessem ver o seu interior. Nessas câmaras havia dois snacks: um pedaço de um camarão cru numa e um camarão vivo muito mais atraente na outra.

As portas também tinham símbolos que os chocos foram treinados para reconhecer: um círculo significava que a porta se abriria de imediato, um triângulo que a porta se abriria após um intervalo de tempo entre 10 e 130 segundos e um quadrado (usado no grupo de controlo) significava que a porta ficava fechada indefinidamente.

No teste inicial, o camarão cru foi colocado atrás da porta aberta, enquanto o camarão vivo só ficou acessível depois de algum tempo. Se o choco se dirigisse à primeira opção, a outra era retirada imediatamente. Enquanto isso, no grupo de controlo, o camarão permaneceu inacessível atrás da porta do símbolo quadrado.

Os investigadores descobriram que todos os chocos decidiram esperar pelo seu alimento preferido (o camarão vivo), mas não se preocuparam em fazê-lo no grupo de controlo, onde não tinham acesso a ele.

A segunda parte da pesquisa serviu para testar quão bem se safavam os seis chocos na aprendizagem e, para isso, os animais viram duas pistas visuais diferentes: um quadrado cinza e um branco. Ao aproximarem-se de um deles, o outro era retirado do tanque. Se fizessem a escolha “correta”, seriam recompensados com um snack.

Depois de aprenderem a associar um dos quadrados a uma recompensa, os cientistas trocaram-lhes as voltas, de forma a que o outro quadrado passasse a ser o sinónimo de recompensa. Curiosamente, os chocos que aprenderam a adaptar-se a esta mudança mais rápido foram também os que conseguiram esperar mais pela recompensa do camarão.

Segundo o mesmo site, a equipa pensa que esta capacidade de atrasar a gratificação pode ter algo a ver com a forma como os chocos procuram alimento, o chamado forrageamento.

“Passam a maior parte do tempo camuflados, à espera, comportamento pontuado por breves períodos de procura de alimento”, explicou Schnell, autora principal do estudo publicado, a 3 de março, na revista científica Proceedings of the Royal Society B.

“Os chocos quebram a sua camuflagem ao forragear, ou seja, ficam expostos a todos os predadores no oceano que os querem comer. Especulamos que a gratificação atrasada pode ter evoluído como um subproduto disto, de modo a que possam otimizar o forrageamento esperando para escolher a comida de melhor qualidade”, acrescentou.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Avisos de voto contra complicam xadrez orçamental. Governo tem um dilema em mãos (e até Marcelo está preocupado)

O Governo tem 15 dias para dar o braço a torcer. Com o Bloco de Esquerda, o PAN, os Verdes e o PCP a acenar com o voto contra, as contas complicam-se e nasce assim …

Com contas certas, Leão prometeu um Orçamento de investimento — só possível graças à bazuca

Apesar de falar em contas certas, João Leão prometeu um Orçamento de investimento. No entanto, sem a bazuca de Bruxelas, Leão pouco dá à economia. Sem contar com o dinheiro que vem da bazuca de Bruxelas, …

"Situação dramática" no Hospital de Leiria e nova demissão em bloco. Milhões do OE não chegam para curar o SNS

Depois da demissão em bloco de médicos no Hospital de Setúbal, a equipa da Urgência de Psiquiatria do Porto também bateu com a porta. E no Hospital de Leiria vive-se uma "situação dramática" quando os …

Novo estudo associa desodorizantes a mutações genéticas semelhantes às do cancro da mama

Investigadores suíços apuraram que os sais de alumínio presentes nos desodorizantes anti-transpirantes provocam as mesmas mutações genéticas que são encontradas no cancro da mama, em experiências com hamsters. A eventual influência dos desodorizantes no desenvolvimento do …

Vox volta a anexar Portugal ao mapa espanhol a propósito do Dia da Hispanidade

Esta é já uma atitude repetida, uma vez que o partido espanhol de extrema-direita já havia incluído Portugal no mapa de território espanhol. O partido nacionalista espanhol VOX divulgou um cartaz alusivo ao Dia da Hispanidade, …

Assembleia da República debate diplomas sobre ordens profissionais

Propostas de PS, PAN, IL e Cristina Figueiredo serão debatidas hoje, com abstenção garantida de PSD e do PCP. A Assembleia da República debate hoje os diplomas do PS, PAN, IL e Cristina Rodrigues sobre ordens …

Quase meio século depois, cientistas desvendaram o "mistério de Manu"

Quase meio século depois, os cientistas conseguiram finalmente resolver o "Mistério de Manu", relativo a uma planta tropical encontrada no Peru. Em 1973, Robin Foster descobriu no Parque Nacional de Manu, no Peru, uma planta com …

Afinal, a corrosão até pode aumentar a durabilidade de um material

Ao contrário do que se possa pensar, a corrosão até pode ser benéfica para um material, aumentado a sua durabilidade, revela um novo estudo. A corrosão é, regra geral, provocada pelo oxigénio. Os metais têm uma …

Encontrada explicação para a superfície surpreendentemente irregular do asteroide Bennu

Um novo estudo descobriu que as rochas altamente porosas são responsáveis pela superfície surpreendentemente irregular do asteroide Bennu. Os cientistas pensavam que a superfície do asteroide Bennu seria como uma praia arenosa, abundante em areia fina …

Mosteiro medieval abriga o mais completo museu do circo da Europa

Nos salões de um mosteiro medieval na pitoresca localidade de Besalú, em Girona, alojou-se o Circusland - Palácio Internacional do Circo, o primeiro museu profissional da Europa que se dedica ao circo. O espaço conta com …