China pode entrar no TPP que os EUA abandonaram

Ricky Qi / Wikimedia

O outono em Shangai

Um especialista do Instituto de Estudos Internacionais da China (CIIS), um grupo de analistas ligado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, considera que a China poderá juntar-se ao Acordo de Associação Transpacífico (TPP).

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na segunda-feira a saída do TPP, que foi sempre visto em Pequim como uma estratégia de Washington para contrariar a ascensão económica e comercial da China.

“Se houver novas negociações sobre o TPP, não creio que haja nenhum obstáculo que impeça a China de participar“, afirmou Teng Jianqun, diretor do Departamento de Estudos Americanos do CIIS, num encontro com jornalistas em Pequim.

O TPP, uma iniciativa impulsionada pelo ex Presidente norte-americano Barack Obama, inclui os EUA, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname e abrange 40% da economia mundial.

Segundo Teng, a China gostaria de participar do TPP, já que “é um acordo de comércio regional e a China quer incrementar a cooperação com todos as países”.

“A postura da China é clara: primeiro, somos abertos, e, segundo, somos inclusivos”, afirmou. Tang destacou ainda as vantagens do TPP para todos os países, insistindo que “não há nenhuma razão para que a China não participe”.

O Presidente chinês, Xi Jinping, tem defendido o livre comércio e a globalização, face ao protecionismo advogado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas Teng Jianqun rejeitou que a China vá assumir a liderança da economia mundial.

“Não queremos assumir nenhuma liderança”, afirmou Teng, em contraposição com o diretor do Departamento dos Assuntos Económicos Internacionais do ministérios dos Negócios Exteriores, Zhang Jun, que assegurou que a China está preparada para assumir as rédeas da economia mundial, “caso seja necessário”.

Com a chegada de Trump à Casa Branca, Teng prevê que os dois países vão encontrar um mecanismo para gerir as suas diferenças, não descartando que as relações atravessem um período turbulento nos próximos anos.

“A cooperação e os conflitos coexistirão”, ressalvou, descartando que a Administração Trump envie barcos para bloquear o acesso da China às ilhas disputadas no Mar do Sul da China, no que constituiria uma “declaração de guerra”.

Segundo o académico chinês, Trump decide com a cabeça, é inteligente e atua como um empresário que procura maximizar os benefícios.

“Porém, as relações internacionais não são apenas uma maximização dos benefícios. Também há deveres morais e outros fatores além de tirar vantagens e interesses comerciais”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos culpa Rússia pelo assassinato de Alexander Litvinenko

Decisão remonta ao incidente de novembro de 2006, que ocorreu num hotel londrino, seis anos após o dissidente político se ter mudado para o Reino Unido, precisamente para fugir às ameaças do regime de Vladimir …

"Tratam-nos assim por causa da cor da nossa pele". Polícias nos EUA filmados a chicotear migrantes

Fotos e vídeos mostram polícias na fronteira a carregar contra migrantes e a usar objectos semelhantes a chicotes. A Casa Branca já condenou a situação e promete que vai investigar o sucedido. Pareciam imagens do tempo …

Benfica: a principal ameaça na Liga dos Campeões será Darwin

Pelo menos é a visão catalã. Benfica é o próximo adversário do Barcelona. Mais um jogo, mais uma vitória. O Benfica só sabe ganhar no campeonato português, para já, e na noite passada venceu em casa …

Estado vai financiar formação de funcionários públicos em universidades e politécnicos

Verbas destinadas ao projeto provêm do Orçamento do Estado e do Plano de Recuperação e Resiliência — cerca de 600 milhões. O Estado vai financiar, inteira ou parcialmente, as formações profissionais dos profissionais públicos, através do …

Sevilha rescinde com jogador por má forma física

O Sevilha anunciou a rescisão de contrato com o defesa-central Joris Gnagnon por falta de profissionalismo relativamente à sua forma física. De acordo com o jornal A Bola, o Sevilha rescindiu contrato com o defesa-central francês …

"O nosso Governo está pronto". Trudeau volta a ganhar as eleições - mas sem maioria absoluta

O líder do Partido Liberal do Canadá (LP) Justin Trudeau disse hoje, depois de ganhar as eleições gerais do país, que os eleitores canadianos escolheram "um plano progressivo" e que está pronto para formar um …

Travar margens nos combustíveis pode acabar por prejudicar os consumidores (e até fechar bombas)

A proposta de lei do Governo aprovada, na semana passada, para a limitação das margens das petrolíferas nos preços dos combustíveis pode acabar por travar a concorrência e até levar ao encerramento de bombas de …

"Nunca se pode tirar Messi" (mas há um gesto que pode explicar a sua substituição)

A substituição de Messi, e a forma como reagiu, no jogo entre o Paris Saint-Germain e o Lyon da Liga francesa, continua a dar que falar. E agora avança-se a possibilidade de o craque argentino …

Médicos querem que norma de isolamento tenha em conta a atual taxa de vacinação

Com o regresso às aulas, médicos de saúde pública defendem a revisão da norma referente ao isolamento de contactos de risco, para que esta tenha em consideração a elevada taxa de vacinação. O ano letivo arrancou …

Com Moedas como alvo e Temido como "guardiã", Medina prometeu um novo futuro para Lisboa

O candidato da coligação PS/Livre à presidência da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou a direita de ambicionar nas autárquicas de domingo “a segunda volta do jogo que perdeu na disputa do poder legislativo”. Fernando Medina …