China não quer “brincar à Guerra dos Tronos”, mas exige respeito pela sua soberania

Luong Thai Linh / EPA

O ministro chinês dos Negócios Estrangeiros afirmou esta quarta-feira que Pequim não pretende destronar os Estados Unidos como potência hegemónica, e que respeitará os interesses norte-americanos, mas defenderá o seu modelo de desenvolvimento, não admitindo interferências.

Wang Yi, que falava à margem de um jantar em Nova Iorque organizado por grupos empresariais e pelo Comité Nacional para as Relações EUA-China, lembrou que o “conflito e confrontação” não levarão a lado algum. “A China e os EUA não podem avançar um sem o outro”, apontou.

A crescente assertividade da política externa chinesa e a ascensão de Donald Trump nos Estados Unidos ditaram o deteriorar das relações entre as duas maiores economias do mundo. Washington passou a definir o país asiático como a sua “principal ameaça”, apostando numa estratégia de contenção das ambições chinesas, que ameaça bipolarizar o cenário internacional.

Durante a intervenção na Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça-feira, Donald Trump voltou a atacar as práticas comerciais de Pequim e disse que não aceitaria um “mau acordo” nas negociações comerciais com a China.

Donald Trump referiu que, depois da entrada do gigante asiático na Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001, ficou provado que estavam “erradas” as teorias que previam que esse desenvolvimento iria “liberalizar” o país asiático e “fortalecer” as proteções comerciais e legais.

Não só a China rejeitou adotar as reformas que prometeu, como entrou numa batalha económica, depende de enormes barreiras comerciais e de grandes subsídios estatais, recorre à manipulação de moeda, fazem dumping de produtos, obrigam à transferência de tecnologias e promovem o roubo de propriedade intelectual”, disse Trump.

Wang Yi defendeu que as negociações para pôr fim à guerra comercial entre Pequim e Washington devem assentar no respeito mútuo e lembrou que uma desagregação das duas maiores economias do mundo não é realista: “É como tentar construir castelos no ar”, afirmou. “Separar-se da economia chinesa, seria como separar-se de oportunidades e do futuro”, apontou ainda.

Wang rejeitou ainda a visão de parte da elite política norte-americana de que a China pretende substituir os EUA como principal potência mundial, e erguer uma nova ordem mundial. Trata-se de um “julgamento estratégico errado” e reflete “falta de autoconfiança” em Washington, considerou. “Procurar a hegemonia não está no nosso ADN”, garantiu.

Wang Yi lembrou que a China é um país em desenvolvimento, ainda muito atrás dos Estados Unidos em riqueza per capita, índice de desenvolvimento humano e na ciência, tecnologia ou ensino. “A China não tenciona jogar à Guerra dos Tronos no cenário mundial. Por enquanto, e no futuro próximo, os Estados Unidos são e continuarão a ser o país mais forte do mundo”, disse.

Wang Yi considerou ainda que os dois países precisam de seguir os princípios da não interferência nos assuntos internos um do outro, respeitar a soberania territorial e não tentar moldar o outro à sua imagem, referindo a posição de Washington sobre as questões de Hong Kong e Xinjiang. “Para assegurar a prosperidade de Hong Kong é necessário rejeitar a violência e respeitar o Estado de Direito”, disse.

“Esperamos que os EUA sejam consistentes nas suas palavras e ações, respeitem a soberania da China e respeitem os esforços do Governo de Hong Kong para parar a violência e restaurar a ordem”, afirmou.

No caso de Xinjiang, Wang também criticou as acusações dos EUA ao tratamento dado pela China à minoria étnica de origem muçulmana uigur, garantindo que a política repressiva de Pequim visa combater o extremismo e o terrorismo.

O secretário de Estado adjunto dos EUA, John Sullivan, deve liderar um painel de discussão sobre a “crise dos direitos humanos em Xinjiang”, durante uma reunião marcada para esta semana na Assembleia Geral da ONU.

Organizações não-governamentais estimam que a China mantém detidos cerca de um milhão de membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure e alguns cazaques, em campos de doutrinação política, na região de Xinjiang.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …