China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

(dr) Xinhua

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as organizações e empresas estrangeiras que cedem às pressões do Partido Comunista Chinês (PCC).

O atrito entre a China e a NBA iniciou quando o diretor do Houston Rockets, Daryl Morey, escreveu no Twitter (posteriormente apagado): “Lute pela liberdade, fique com Hong Kong”. Isso levou a China a suspender as transmissões da NBA na pré-temporada, a retirar os seus patrocínios e a romper os laços com a equipa.

Perante a perspectiva de desfazer décadas de trabalho para promover o crescimento no mercado externo, a liga retratou-se. Mas a decisão de seguir a linha do PCC não é exclusiva da NBA, revelou na terça-feira o OZY.

Segundo especialistas, a China está a utilizar um mecanismo especializado para controlar as relações com marcas e empresas estrangeiras que operam no país, que, por sua vez, estão cada vez mais a atender aos pedidos do PCC.

Esse mecanismo é um comité do partido que opera em empresas e instituições privadas e estatais, cujos membros são escolhidos pelo PCC e pelas empresas em questão. Oficialmente, existem para permitir que as empresas se mantenham informadas sobre as mudanças legais e atualizadas com o clima político na China. Porém, é através destes que o partido exerce cada vez mais influência sobre as empresas que operam no país.

Até há 18 meses, esses organismos eram maioritariamente simbólicos, mas no final do ano passado, 106 mil empresas estrangeiras já haviam estabelecido comités do PCC, totalizando 70% das empresas que operam no país. Isso representa um aumento de 125% em relação a 2011, quando o número era de 47 mil.

No geral, das 2,7 milhões de empresas privadas nacionais e estrangeiras na China, 68% criaram um comité partidário, 30% nos últimos cinco anos.

United Nations / Flickr

O presidente da China, Xi Jinping

“O PCC sempre demonstrou poder administrativo para reprimir ou punir empresas que não seguem a linha do partido”, disse Xin Sun, professor de negócios chineses e asiáticos no King’s College London. Mas exercer esse poder tornou-se cada vez mais proeminente desde que Xi Jinping assumiu o poder. “E as empresas estão a prestar mais atenção para não se envolverem em ações consideradas inaceitáveis pelo partido”, acrescentou.

Em 2018, as autoridades chinesas emitiram avisos a 44 companhias aéreas internacionais para que alterassem os seus sites, que listavam Taiwan como uma entidade separada da China. O aviso levou a que outras empresas alterassem essa informação, garantindo que os seus sites seguiam a vontade do PCC.

Em outubro de 2019, a Dior foi forçada a pedir desculpas por apresentar um mapa da China que excluía Taiwan. Nos últimos meses, a Versace e Calvin Klein também se desculparam publicamente por listar Hong Kong como um país, e não como uma região administrativa da China.

Uma das razões que fizeram com que as empresas estrangeiras incorporassem comités partidários – algo que não é obrigatório – é a mudança de abordagem do governo em relação aos regulamentos.

Essencialmente, o governo começou a impor regulamentos mais rigidez, indicou Philip Beck, presidente da Dubeta Ventures China, uma holding privada. “Nos últimos quatro ou cinco anos, as coisas eram muito cinzentas, impulsionadas pela esperança de que a auto-regulação prevaleçasse num sistema de regulamentação estatal, algumas das quais são bastante difíceis”. O que torna particularmente difícil para empresas estrangeiras é a tendência de Xi Jinping na “aplicação seletiva de leis e regulamentos”.

A explosão desses comités, continuou o OZY, aproximou os negócios da esfera de influência do PCC. Mas considerar isso simplesmente como um meio de aumentar o controle do governo seria um erro, alertou Chris McNally, professor de economia política na Universidade de Chaminade. “O comité do partido raramente é soberano” e as vias de comunicação por estes criadas favorecem tanto as autoridades como as empresas, disse.

À medida que o PCC e as empresas se aproximam e a confiança das autoridades chinesas aumentam, seguir a linha do partido tornar-se-á mais importante para as empresas estrangeiras. E com o mercado chinês a tornar-se vital para as indústrias globais, não seguir as diretrizes do partido pode ter consequências graves, concluiu o OZY.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …