China enfrenta pior vaga de calor dos últimos 60 anos. Fábricas obrigadas a fechar

Alex Plavevski / EPA

A província chinesa de Sichuan encerrou todas as fábricas durante seis dias para atenuar a escassez de energia elétrica na região, à medida que uma vaga de calor atravessa o país.

Sichuan, com 84 milhões de habitantes, é um local chave para as indústrias de semicondutores e painéis solares e o racionamento de energia atinge algumas das maiores empresas de eletrónica do mundo, incluindo a Foxconn, fornecedora da Apple e da Intel, avançou a CNN. É também o centro de mineração de lítio.

A China enfrenta a sua mais feroz onda de calor em seis décadas, com temperaturas que atravessam 40.º Celsius em dezenas de cidades. O calor provocou um pico na procura de ar condicionado, colocando pressão sobre a rede elétrica. A seca também esgotou os níveis de água dos rios, reduzindo a quantidade de energia hidroelétrica.

Todas as fábricas de 19 das 21 províncias de Sichuan foram encerradas, mantendo-se assim entre segunda-feira e sábado. Dominada pelo calor extremo e pela seca desde julho, a precipitação média na região caiu 51% em relação ao mesmo período de anos anteriores.

Luzhou, uma da províncias daquela região, anunciou na semana passada que desligaria as luzes das ruas durante a noite para conservar energia e aliviar a pressão sobre a rede elétrica.

Sichuan é rico em recursos minerais como lítio e polissilício. Muitas empresas internacionais de semicondutores têm fábricas em Sichuan, incluindo a Texas Instruments, a Intel, a Onsemi e a Foxconn. A gigante chinesa CATL, que fornece baterias à Tesla, também tem uma fábrica na região.

Para além de Sichuan, outras grandes províncias chinesas – incluindo Jiangsu, Anhui, e Zhejiang – também instaram as empresas e as famílias a conservar energia. O calor extremo também atingiu as colheitas em muitas partes do país.

“Afetado pela temperatura elevada contínua em muitos locais, o preço dos vegetais frescos subiu 12,9% numa base anual, o que foi significativamente mais elevado do que o mesmo período de anos anteriores”, disse na segunda-feira Fu Linghui, porta-voz do Gabinete Nacional de Estatística.

O responsável indicou que o calor extremo causou secas em algumas zonas agrícolas do sul. No norte, a precipitação e as cheias causaram danos nas plantações.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.