Os chimpanzés não têm noção de justiça e aceitam desigualdades

Os chimpanzés carecem da noção de justiça e aceitam a desigualdade na repartição de comida ou materiais, segundo a investigadora Nereida Bueno.

A cientista, da Universidade Pontificia de Camillas, que participou num estudo publicado esta semana pela revista norte-americana Journal of Comparative Psychology.

Estes animais, explicou a especialista, são “maximizadores racionais” e “não têm aversão pela desigualdade” porque quando podem ganhar alguma coisa, tomam-na independentemente de como afeta outros indivíduos.

Bueno participou juntamente com os colegas Montserrat Collel – da Universidade de Barcelona – e Christoph J. Volter, África de las Heras e Josep Cal – os três do Instituto Max Plank de Leipzig (Alemanha) – no estudo publicado, que procura compreender como os chimpanzés encaram os termos da justiça e vingança.

No caso dos humanos, esta especialista explicou que culturalmente existe “um limiar” do que se define como o que é justo ou injusto e que varia ligeiramente segundo as culturas. Em Espanha, exemplificou à agência Efe, o sentimento de injustiça nasce “quando a oferta está abaixo de 40% do repartido”. Isto sucede porque os humanos entendem o sentimento de comunidade melhor e não costumam aceitar as desigualdades, pois a maioria das vezes rejeitamos uma repartição se nos oferecem menos.

No entanto, os chimpanzés “não têm um sentimento de grupo”, pelo que é “muito difícil” que alguma vez surja algo parecido com “um sistema de justiça entre eles”.

Para provar estas afirmações, os cientistas desenvolveram experiências com três pares de chimpanzés: o “jogo do ultimato” e o “jogo do ditador”. No jogo do ultimato, um dos chimpanzés escolhia entre duas opções de quantidade de comida – uma, considerada mais justa e outra, menos justa – a dividir com o seu companheiro, que podia aceitar ou não a proposta, mas se não o fizesse nenhum dos dois comeria.

O facto de não receber a comida aborrecia ambos, mas “nunca foram capazes de dar o passo seguinte”, o de considerar como evitar a situação, pois ao não terem em conta as necessidades alheias, nem aprenderem com as rejeições consecutivas, ficaram na raiva que os lavava a dar cada vez menos e castigar assim o outro”.

Pelo contrário, os seres humanos são capazes de alterar comportamentos se receberem várias rejeições, recordou Bueno.

No jogo do ditador, um dos chimpanzés podia oferecer a quantidade predeterminada que quisesse e o outro não podia fazer nada: apenas aceitar. Neste caso, apesar de o lógico ser que fossem “muito egoístas” nesta dinâmica, os cientistas notaram que sempre que um dos animais conseguia alguma comida, “elegia opções mais justas”.

Bueno está convencida que o sentimento de injustiça “pode surgir de forma individual num primeiro nível”, mas existe um segundo nível, mais complexo e abstrato, que leva ao entendimento como espécie ou como grupo, no qual é possível identificar as injustiças de terceiros. É este último pensamento que os humanos não partilham com os chimpanzés, precisou ainda a especialista.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Encontrado o estaleiro mais antigo do mundo. Estava afundado na costa de Inglaterra

https://vimeo.com/355759312 Arqueólogos descobriram uma estrutura de madeira com 8.000 anos de idade — que será o local de construção de barcos mais antigo do mundo. A arquitetura estava particularmente bem preservada considerando o facto de estar 11 …

Astrónomos treinam IA para encontrar antigas colisões de galáxias

Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. Os astrónomos encontraram agora uma nova forma de as encontrar. Há luzes brilhantes em todo o Universo que representam as colisões de galáxias. …

Inteligência Artificial está a reviver jogos de tabuleiro ancestrais

A Inteligência Artificial consegue descobrir, com um grande grau de precisão, o conjunto de regras de vários jogos de tabuleiro ancestrais. Jogos de tabuleiro com centenas de anos são, por vezes, encontrados em escavações arqueológicas. Sem …

Panteras da Flórida estão a agir como se tivessem sido envenenadas (e os cientistas não sabem porquê)

Algumas panteras da Flórida, nos Estados Unidos, estão a ter um comportamento estranho ao andar, quase como se tivessem sido envenenadas. Os cientistas ainda não conseguiram perceber porquê. De acordo com o Washington Post, pelo menos …

SL Benfica 0-2 FC Porto | "Dragão" astuto arranca triunfo na Luz

O FC Porto foi ao Estádio da Luz vencer o “clássico” por 2-0 e recuperar a desvantagem de três pontos que tinha no campeonato. Com uma estratégia muito bem montada, baseada numa grande pressão sobre o …

Câmaras de Inteligência Artificial podem ser a solução para evitar tiroteios

Câmaras de videovigilância com Inteligência Artificial podem ser a solução para pôr um fim aos tiroteios. Esta tecnologia é capaz de detetar armas de fogo e avisar logo de seguida as autoridades. Com as dificuldades em …

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …