Os chimpanzés não têm noção de justiça e aceitam desigualdades

Os chimpanzés carecem da noção de justiça e aceitam a desigualdade na repartição de comida ou materiais, segundo a investigadora Nereida Bueno.

A cientista, da Universidade Pontificia de Camillas, que participou num estudo publicado esta semana pela revista norte-americana Journal of Comparative Psychology.

Estes animais, explicou a especialista, são “maximizadores racionais” e “não têm aversão pela desigualdade” porque quando podem ganhar alguma coisa, tomam-na independentemente de como afeta outros indivíduos.

Bueno participou juntamente com os colegas Montserrat Collel – da Universidade de Barcelona – e Christoph J. Volter, África de las Heras e Josep Cal – os três do Instituto Max Plank de Leipzig (Alemanha) – no estudo publicado, que procura compreender como os chimpanzés encaram os termos da justiça e vingança.

No caso dos humanos, esta especialista explicou que culturalmente existe “um limiar” do que se define como o que é justo ou injusto e que varia ligeiramente segundo as culturas. Em Espanha, exemplificou à agência Efe, o sentimento de injustiça nasce “quando a oferta está abaixo de 40% do repartido”. Isto sucede porque os humanos entendem o sentimento de comunidade melhor e não costumam aceitar as desigualdades, pois a maioria das vezes rejeitamos uma repartição se nos oferecem menos.

No entanto, os chimpanzés “não têm um sentimento de grupo”, pelo que é “muito difícil” que alguma vez surja algo parecido com “um sistema de justiça entre eles”.

Para provar estas afirmações, os cientistas desenvolveram experiências com três pares de chimpanzés: o “jogo do ultimato” e o “jogo do ditador”. No jogo do ultimato, um dos chimpanzés escolhia entre duas opções de quantidade de comida – uma, considerada mais justa e outra, menos justa – a dividir com o seu companheiro, que podia aceitar ou não a proposta, mas se não o fizesse nenhum dos dois comeria.

O facto de não receber a comida aborrecia ambos, mas “nunca foram capazes de dar o passo seguinte”, o de considerar como evitar a situação, pois ao não terem em conta as necessidades alheias, nem aprenderem com as rejeições consecutivas, ficaram na raiva que os lavava a dar cada vez menos e castigar assim o outro”.

Pelo contrário, os seres humanos são capazes de alterar comportamentos se receberem várias rejeições, recordou Bueno.

No jogo do ditador, um dos chimpanzés podia oferecer a quantidade predeterminada que quisesse e o outro não podia fazer nada: apenas aceitar. Neste caso, apesar de o lógico ser que fossem “muito egoístas” nesta dinâmica, os cientistas notaram que sempre que um dos animais conseguia alguma comida, “elegia opções mais justas”.

Bueno está convencida que o sentimento de injustiça “pode surgir de forma individual num primeiro nível”, mas existe um segundo nível, mais complexo e abstrato, que leva ao entendimento como espécie ou como grupo, no qual é possível identificar as injustiças de terceiros. É este último pensamento que os humanos não partilham com os chimpanzés, precisou ainda a especialista.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estúdios de tatuagens podem reabrir na segunda-feira

Os estúdios de tatuagens e de ‘bodypiercing’ vão poder reabrir na segunda-feira juntamente com outros serviços de atendimento ao público e comerciais, mas terão de funcionar mediante marcação prévia e cumprindo as regras sanitárias. Na resolução …

As rãs de cristal revelaram uma nova forma de camuflagem

As rãs de cristal são bem conhecidas pela sua pele transparente, mas, até agora, o motivo desta curiosa característica não tinha recebido atenção experimental. Uma equipa de cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, da …

Pescador encontra destroços de navio que terá naufragado há mais de 200 anos

Arqueólogos mexicanos localizaram os destroços de um navio na costa do estado de Quintana Roo, no México, e acreditam que o mesmo terá naufragado há mais de 200 anos. De acordo com a BBC, o naufrágio …

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …