Chega quer apresentar nova candidatura à vice-presidência da AR

4

Tiago Petinga / Lusa

O deputado do Chega, André Ventura.

Partido já tentou a eleição de Diogo Pacheco de Amorim e Gabriel Mithá Ribeiro, ambas chumbadas.

Chega manifestou este domingo a intenção de apresentar uma nova candidatura à vice-presidência da Assembleia da República (AR), indicando que deverá levar a questão logo à primeira conferência de líderes, em setembro.

Em comunicado, o partido liderado por André Ventura confirma “a intenção de agendar, para o retomar da sessão legislativa, a recandidatura à vice-presidência da AR”.

Segundo fonte oficial do Chega, o pedido de agendamento será feito ao presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, “à partida, na primeira conferência de líderes [que é composta pelo presidente da AR e pelos líderes parlamentares] a ser agendada no retomar da sessão legislativa, em setembro”.

No comunicado, o Chega defende que “não faz sentido a AR continuar a funcionar apenas com dois vice-presidentes, violando claramente o espírito da Constituição da República e do Regimento da AR”.

Em março, o presidente do Chega, André Ventura, responsabilizou uma “maioria de bloqueio”, constituída por PS, PSD, PCP e BE, pela falha na eleição de um vice-presidente da Assembleia da República do seu partido.

Na altura, os deputados rejeitaram a candidatura do deputado do Chega Gabriel Mithá Ribeiro, que obteve 37 votos a favor, 177 brancos e 11 nulos, aquém dos 116 deputados necessários para conseguir a maioria absoluta e ser eleito vice-presidente.

O partido começou por levar a votos para a vice-presidência da AR Diogo Pacheco de Amorim, que falhou a eleição com 35 votos a favor, 183 brancos e seis nulos.

  // Lusa

4 Comments

  1. É o terceiro maior partido do Parlamento e os seus deputados foram eleitos pelo povo. E o povo é soberano, conforme se diz e o Parlamento represnta o povo.

  2. Será que não há muitas mais coisas importantes para o país e para os portugas, neste momento?
    Faça-se barulho, mesmo que a propósito de nada para não se cair no esquecimento…

  3. Agora não saiem disto …destes arrufos entre um e outro. Apresemtem mas é propostas válidas para beneficio dos portugueses que são os portugueses que lhes pagam o salário.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.