O cérebro pode ser treinado para ter mais prazer

E se o cérebro fosse capaz de aprender a fazer “replay” para obter mais prazer? Um trabalho recente, divulgado pela Fundação Champalimaud, mostra como isso é possível através de experiências realizadas com ratinhos.

Os investigadores conseguiram ver, pela primeira vez, como o cérebro dos animais aprende a repetir padrões de atividade neuronal que produzem uma sensação de prazer. “Até agora, os mecanismos cerebrais que comandam este tipo de aprendizagem nunca tinham sido medidos diretamente”, afirma a fundação em comunicado.

Rui Costa, investigador principal do Centro Champalimaud e da Universidade de Columbia, explica que “os resultados revelam que o cérebro aprende a selecionar os padrões de atividade que produzem sensações de bem-estar e que se remodela para reproduzir esses padrões de maneira mais eficiente”.

Esta descoberta baseia-se numa investigação anterior, durante a qual os cientistas observaram que os padrões de atividade neuronal que levam a uma recompensa são repetidos com maior frequência e progressivamente consolidados. A estratégia que leva a bons resultados num jogo de computador segue o mesmo princípio.

Os resultados do estudo fornecem pistas sobre a forma como a atividade cerebral é moldada e refinada à medida que os animais aprendem a repetir comportamentos que suscitam uma sensação de prazer.

“Também sugerem novas estratégias para lidar com perturbações caracterizadas por comportamentos repetitivos anormais, tais como a adição e a perturbação obsessivo-compulsiva”, adianta o investigador.

Este estudo pode também contribuir para elucidar o que acontece nos comportamentos aditivos ou obsessivo-compulsivos, em que “o circuito de feedback fica descontrolado”.

Normalmente, fazer algo agradável faz com que os neurónios libertem uma substância chamada dopamina. “É esta libertação que produz a sensação de bem-estar, suscitando o desejo de repetir a ação vezes sem conta”.

Os cientistas desenvolveram assim um programa de computador que associava a atividade neuronal dos ratinhos a notas de música, de forma a que, quando um grupo de neurónios fosse ativado, se gerasse um determinado tom musical.

Quando os padrões de atividade neuronal desencadeavam a ordenação certa das notas – arbitrariamente determinada por um computador – os cientistas libertavam manualmente dopamina no cérebro dos animais.

Os ratinhos “rapidamente aprenderam” qual era o arranjo musical que, ao ser reproduzido, provocava a libertação da substância e uma sensação de bem-estar.

A investigação, liderada por cientistas da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, do Centro Champalimaud, em Lisboa, e da Universidade da Califórnia é publicada na edição desta sexta-feira da Science.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Bill Gates deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia

Num artigo publicado no jornal norte-americano Washington Post, o fundador da Microsoft, Bill Gates, deixa três recomendações para os Estados Unidos combaterem a pandemia de covid-19, que já fez 43 mil mortes em todo o …

Comissão de Trabalhadores da TAP pede nacionalização da companhia

A Comissão de Trabalhadores (CT) da TAP reforçou esta quarta-feira o apelo para que a transportadora “se torne 100% pública”, depois de a empresa ter anunciado o lay-off da maioria dos trabalhadores, segundo um comunicado. No …

"Posso ir?" Há uma app que lhe diz como estão as filas nos supermercados

A comunidade tecnológica tech4COVID19 criou uma aplicação móvel que permite aos seus utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados. A app, sob o nome "Posso ir?", pretende orientar os utilizadores nas idas aos …

Conte pede à Alemanha mais solidariedade europeia. “Se somos uma União, está na hora de o provarmos”

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, fez esta quarta-feira um apelo solene à Alemanha para que haja mais solidariedade europeia no combate à pandemia da covid-19, que está a afetar severamente o seu país. “Se somos uma …

Em França, Portugal é destacado como bom exemplo (mas também pela sorte da sua geografia)

Portugal tem "11 vezes menos mortes" do que Espanha, em proporção das respectivas populações, e parece estar a lidar melhor com a pandemia de Covid-19 do que o país vizinho. Esta é a conclusão de …

Do confinamento alargado aos limites nos despedimentos. O que pode mudar com o "novo" estado de emergência

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, propôs esta quarta-feira ao Parlamento a renovação do estado de emergência em Portugal por novo período de 15 de quinze dias para permitir medidas de contenção da …

Chefe do principal hospital russo responsável por tratar Covid-19 infetado depois de apertar mão a Putin

O chefe do principal hospital de tratamento ao coronavírus de Moscovo, que se reuniu com o Presidente Vladimir Putin há uma semana, divulgou na terça-feira que testou positivo à doença, depois de o Kremlin anunciar …

Contribuintes devem estar “tranquilos” sobre reembolso do IRS

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais disse que até meio da manhã já foram entregues mais de 270 mil declarações de IRS e afirmou que os portugueses podem “estar tranquilos” relativamente ao reembolso. “Estamos em …

Torneiro de Wimbledon cancelado. É a primeira vez desde a II Guerra Mundial

O torneio de ténis de Wimbledon, o mais antigo ‘Grand Slam' do mundo, foi cancelado pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, devido à pandemia de covid-19, anunciou o All England Club, entidade organizadora …

Governo prepara aulas pela televisão para todos os níveis educativos

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que o Governo está a preparar uma solução assente na Televisão Digital Terrestre (TDT) para assegurar as aulas no período em que as escolas estão encerradas por causa da pandemia …