O nosso cérebro contém partículas magnéticas (e os cientistas querem perceber porquê)

Num remoto laboratório situado na Alemanha, a 80 quilómetros de Munique e longe da poluição generalizada das grandes cidades, uma equipa de investigadores está a estudar uma peculiaridade bizarra do nosso cérebro: a presença de partículas magnéticas.

Os cientistas sabem desde 1990 que o cérebro humano contém estas partículas, só ainda não conseguiram perceber porquê. Alguns especialistas propõem que podem ter algum propósito biológico, enquanto que outros sugerem que pode estar relacionado com o crescente fenómeno da poluição ambiental.

Agora, os cientistas alemães encontraram algumas evidências que podem explicar a sua existência. Num novo estudo, publicado no final de julho na Scientific Reports, que inclui dados sobre sete cérebros de pessoas já falecidas, os investigadores explicam que encontraram algumas partes que eram mais magnéticas do que outras, ou seja, que tinham mais partículas magnéticas.



Os sete cérebros em análise tinham uma distribuição muito semelhante destas partículas, o que pode sugerir que, no fundo, não são resultado de uma consequência ambiental mas sim para servir uma função biológica.

Os cérebros, que pertenciam a pessoas que morreram com idades entre os 54 e os 87 anos em 1990, foram colocados num dispositivo que media as forças magnéticas. Depois de uma leitura de controlo, os cientistas colocaram as amostras ao lado de ímanes muito fortes e, de seguida, fizeram outra leitura. Se a amostra do cérebro contivesse partículas magnéticas, essas partículas apareceriam como uma leitura no magnetómetro.

Mas calma, não precisa de ficar preocupado com o que estas partículas podem fazer no seu dia-a-dia. Tal como explica Stuart Gilder, autor principal do estudo e professor de geofísica na Universidade de Munique Ludwig-Maximilians, o aparelho utilizado é bastante mais forte do que qualquer coisa que alguma vez poderá atravessar-se no seu caminho.

O íman utilizado na pesquisa é um tesla mais forte (unidade usada para medir a densidade de fluxo magnético), ou 20 mil vezes mais forte do que o campo magnético da Terra, o que equivale a cerca de 50 microteslas.

Os cientistas descobriram que a maior parte do cérebro pode ser magnetizada, ou seja, as áreas que o compõem podem ter partículas magnéticas. Mas, nos sete cérebros estudados, o tronco cerebral e o cerebelo tinham um maior magnetismo do que o córtex cerebral superior. Tanto o tronco encefálico como o cerebelo estão nas porções mais baixas do cérebro e ambos são evolutivamente mais antigos do que o córtex cerebral.

Em declarações ao Live Science, Gilder sugere que estas partículas podem estar mais concentradas nas partes baixas do cérebro para ajudar os sinais elétricos a moverem-se da coluna vertebral para cima e para dentro do cérebro. No entanto, o autor do estudo diz que ainda está tudo em aberto no que toca a interpretar estes resultados.

Além disso, como estas partículas não foram especificamente encontradas em grandes concentrações perto do bulbo olfativo – o que poderia acontecer se fossem absorvidas por causa do ambiente – o investigador não considera que sejam um resultado da poluição (deitando por terra a ideia de que poderiam ser inaladas pelo nariz e depois passassem pelo bulbo olfativo do cérebro).

Os investigadores levantaram a hipótese de que o tipo de partícula magnética encontrada nessas regiões do cérebro é um composto chamado magnetita (Fe3O4), tendo como base estudos anteriores que encontraram essa partícula em cérebros humanos. Porém, é possível que outros tipos de partículas magnéticas existam no cérebro além dessa, observou Gilder.

Muitos animais também têm partículas magnéticas no cérebro. Aliás, alguma pesquisa anterior sugere que certos animais, como as enguias e as tartarugas, usam-nas para navegar melhor. As únicas criaturas, segundo Gilder, que usam essas partículas de magnetita para ajudar a orientarem-se no espaço são as bactérias magnetotáticas.

Os humanos, por outro lado, provavelmente não fazem isso, conclui o investigador.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …

Em Inglaterra, há crianças de 16 anos que vão passar a viver em alojamentos não regulamentados

A 9 de setembro, foi aprovada uma nova lei em Inglaterra, segundo a qual as crianças com 16 e 17 anos podem ser colocadas em alojamentos não regulamentados. O sistema de acolhimento de crianças inglês está …