Centenas de artefactos de um massacre nazi encontrados numa floresta alemã

(dr) Maria Hahne / LWL

Um sapato encontrado num dos sítios arqueológicos

Arqueólogos na Alemanha desenterraram cerca de 400 artefactos que datam de um massacre nazi em que centenas de trabalhadores forçados foram executados durante as fases finais da II Guerra Mundial.

Os estágios finais da II Guerra Mundial na Europa incluíram algumas das piores atrocidades vistas durante todo o conflito, incluindo um episódio sombrio no qual as tropas alemãs receberam a ordem de fuzilar 208 prisioneiros polacos e soviéticos entre 20 e 23 de março de 1945.

Os massacres ocorreram em três locais distintos da floresta de Arnsberg, na Vestfália, Alemanha, todos os quais foram submetidos a uma investigação arqueológica liderada pela Landschaftsverband Westfalen-Lippe (LWL).

Entre as centenas de artefactos descobertos estavam sapatos, botões, uma bíblia e uma harmónica – os escassos, mas provavelmente preciosos, bens dos trabalhadores forçados. As descobertas “não só testemunham as últimas horas da vida do assassinado, mas também fornecem informações sobre o curso dos atos cruéis”, segundo um comunicado da LWL. Os resultados do trabalho foram apresentados em conferência de imprensa, segundo o Deutsche Welle.

Com o resultado da guerra quase certo, e como as forças alemãs estavam a recuar ao longo de duas grandes frentes, a liderança nazi trabalhou ativamente para impedir que os prisioneiros de guerra e trabalhadores forçados caíssem nas mãos dos Aliados e para encobrir os muitos crimes cometidos por nazis durante a guerra. O regime de Hitler usou mais de 13 milhões de estrangeiros como trabalhadores forçados durante o conflito de seis anos.

Durante o massacre na floresta de Arnsberg em março de 1945, membros da Waffen-SS e do exército alemão, sob ordens de Hans Kammler, um general da Waffen-SS, executaram 208 pessoas polacas e soviéticas fora dos campos de concentração e prisões, de acordo com o LWL, que descreveu como “um dos maiores crimes nos estágios finais da guerra na Alemanha.” A guerra na Europa terminou menos de dois meses depois, em 8 de maio de 1945. Até o momento, apenas 14 das vítimas foram identificadas.

Dois dos três locais foram descobertos pelo avanço das tropas americanas pouco depois do massacre. Os cadáveres foram exumados e alinhados e membros das comunidades próximas foram trazidos ao local e forçados a testemunhar as atrocidades nazis.

Os corpos foram enterrados no Cemitério Fulmecke, em Meschede. O terceiro sítio não foi descoberto até 1946, quando um denunciante anónimo alertou a ocupação das forças britânicas. Os restos mortais foram exumados e enterrados com as outras vítimas do massacre no mesmo cemitério em 1947.

Os relatos históricos são bem documentados, mas pouco se sabe sobre as vítimas. O recente trabalho nos três sítios, que começou no ano passado e terminou em janeiro, está a lançar uma nova luz sobre este episódio.

“Inspeções com detetores de metais e as escavações arqueológicas subsequentes forneceram mais informações sobre as cenas de crime com um grande número de descobertas”, disse o arqueólogo Manuel Zeiler.

Um dos três locais está localizado no Vale de Langenbach, perto da cidade de Warstein. Lá, 71 pessoas foram mortas, incluindo 60 mulheres, uma criança e 10 homens. Sob um falso pretexto, os trabalhadores foram levados e obrigados a deixar temporariamente os pertences na beira da estrada. Foram levados para a floresta e baleados.

As roupas dos operários foram distribuídas pelos cidadãos alemães nas proximidades e o dinheiro embolsado pelas autoridades alemãs. Durante as escavações, os arqueólogos descobriram o que não foi levado: um livro de orações, um dicionário polaco, sapatos, peças de roupa, botões coloridos e contas de costura. Algumas ferramentas de cozinha, como utensílios, panelas e talheres, também foram encontradas.

Os arqueólogos também descobriram sinais dos próprios perpetradores. Os cartuchos encontrados provam que os trabalhadores forçados foram levados para uma encosta e alvejados. No entanto, alguma das balas foram espalhados na floresta, o que significa que alguns dos trabalhadores tentaram escapar. Os assassinos também deixaram para trás pás com as quais enterraram cadáveres e pertences.

Num segundo local de massacre, em Suttrop, perto de Warstein, os investigadores encontraram cerca de 50 itens. Os trabalhadores foram instruídos a cavar trincheiras em forma de ziguezague para o exército, maa estavam a cavar as suas sepulturas. Os 57 trabalhadores entraram nas trincheiras, onde foram baleados e enterrados.

O terceiro local em Eversberg, perto da cidade de Meschede, tinha uma harmónica, uma caixa de óculos, moedas soviéticas, um pente e uma colher. Soldados alemães usaram granadas para explodir um buraco, dentro do qual os trabalhadores foram baleados. Mais tarde, os corpos foram escondidos e descobertos em 1946.

Achados como estes servem como um lembrete sombrio do que nunca deveria voltar a acontecer.

ZAP // Gizmodo

PARTILHAR

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …