O celibato mostrou ter vantagens evolutivas surpreendentes

4

Um novo estudo observou a prática do celibato religioso ao longo da vida em mosteiros budistas tibetanos e encontrou vantagens evolutivas surpreendentes.

Porque é que alguém se juntaria a uma instituição que retira a opção da vida familiar e exige que sejam celibatários? A reprodução, afinal, está no cerne da evolução que nos moldou. No entanto, muitas instituições religiosas ao redor do mundo exigem exatamente isso. A prática levou os antropólogos a perguntarem-se como é que o celibato poderia ter evoluído em primeiro lugar.

Há quem sugira que práticas que custam caro aos indivíduos, como nunca ter filhos, ainda podem surgir quando as pessoas obedecem cegamente a normas que beneficiam um grupo – já que a cooperação é outra pedra angular da evolução humana.

Outros argumentam que as pessoas acabam por criar instituições religiosas (ou outras) porque isso serve os seus próprios interesses egoístas ou familiares, e rejeitam aqueles que não se envolvem.

Agora, um novo estudo, publicado recentemente na Royal Society Proceedings B e realizado no oeste da China, aborda essa questão fundamental estudando o celibato religioso ao longo da vida em mosteiros budistas tibetanos.

Até recentemente, era comum algumas famílias tibetanas enviarem um dos seus filhos ao mosteiro local para se tornar um monge celibatário vitalício. Historicamente, até um em cada sete meninos tornou-se monge. As famílias normalmente citavam motivos religiosos para ter um monge na família. Mas estariam também as considerações económicas e reprodutivas envolvidas?

Foram entrevistadas 530 famílias em 21 aldeias na parte oriental do planalto tibetano, na província de Gansu. Depois, foram reconstruidas genealogias familiares, reunindo informações sobre a história familiar de cada pessoa e se algum dos seus familiares era monge.

Estas aldeias são habitadas por tibetanos patriarcais Amdo que criam rebanhos de iaques e cabras, e cultivam pequenos lotes de terra.

Os investigadores descobriram que homens com um irmão que era monge eram mais ricos, possuindo mais iaques. Mas havia pouco ou nenhum benefício para as irmãs dos monges. Isto provavelmente acontece porque os irmãos estão a competir pelos recursos, terras e gado dos pais.

Como os monges não podem possuir bens, ao enviar um dos seus filhos para o mosteiro, os pais põem fim a esse conflito. Os filhos primogénitos geralmente herdam a casa dos pais, enquanto os monges geralmente são os segundos filhos ou filhos nascidos mais tarde.

Surpreendentemente, os autores também descobriram que homens com um irmão monge tinham mais filhos do que homens com irmãos não-celibatários; e as suas esposas tendiam a ter filhos mais cedo.

Avós com um filho monge também tiveram mais netos, pois os seus filhos não-celibatários enfrentaram menos ou nenhuma competição com os seus irmãos. A prática de enviar um filho para o mosteiro, longe de ser onerosa para os pais, está, portanto, de acordo com os interesses reprodutivos dos pais.

Um modelo matemático de celibato

Isto sugere que o celibato pode evoluir por seleção natural. Para saber mais detalhes de como isto acontece, os investigadores construiram um modelo matemático da evolução do celibato, onde estudaram as consequências de se tornar monge na aptidão evolutiva de um homem, dos seus irmãos e de outros membros da aldeia.

Modelaram tanto o caso em que a decisão de enviar um menino para um mosteiro é feita pelos pais, quanto o caso em que a criança toma a sua própria decisão.

Monges permanecerem solteiros significa que há menos homens a competir por casamento com mulheres da aldeia. Mas enquanto todos os homens da aldeia podem beneficiar se um deles se tornar um monge, a decisão do monge não promove a sua própria aptidão genética. Portanto, o celibato não deve evoluir.

Essa situação muda, porém, se ter um irmão monge torna os homens mais ricos e, portanto, mais competitivos no mercado matrimonial.

O celibato religioso agora pode evoluir por seleção natural porque, enquanto o monge não está a ter filhos, ele está a ajudar os seus irmãos a terem mais. Mas o mais importante, se a escolha de se tornar um monge depende da própria criança, é provável que continue sendo raro – do ponto de vista individual, não é muito vantajoso.

No modelo, os investigadores mostram que o celibato se torna muito mais comum apenas se forem os pais que decidem que isso deve acontecer. Os pais ganham aptidão de todos os seus filhos, por isso eles enviam um para o mosteiro apenas se houver benefício para os outros.

O facto de as crianças serem enviadas para o mosteiro ainda jovens, com muita alegria, e enfrentarem a desonra se posteriormente abandonarem o seu papel, sugere uma prática cultural moldada pelos interesses dos pais.

  ZAP // The Conversation

4 Comments

  1. Também todos sabemos que os votos de Celibato em algumas Religiões , não significam em absoluto “Abstinência Sexual” . As encondidinhas tantas aventuras vivem estes (Santos e Santas) !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.