Carga fiscal dos portugueses atingiu valor mais alto desde 1995

George Grinsted / Flickr

-

A carga fiscal voltou a crescer em Portugal em 2015, aumentando 4,4% face a 2014 e correspondendo a 34,5% do Produto Interno Bruto (PIB), mas manteve-se abaixo da média da União Europeia.

Segundo as Estatísticas das Receitas Fiscais do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgadas esta quinta-feira, no ano passado a carga fiscal aumentou 4,4%, após o crescimento de 2,1% em 2014, atingindo os 61,9 mil milhões de euros e reforçando o seu peso no PIB de 34,2% para cerca de 34,5%.

Este aumento foi “determinado pela evolução positiva da receita dos impostos diretos (2,6%), dos impostos indiretos (6%) e das contribuições sociais (4%)”, destacando-se as contribuições das receitas do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) e do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA).

Ainda assim, o INE nota que, excluindo os impostos recebidos pelas instituições da União Europeia, Portugal manteve em 2015 uma carga fiscal inferior à média da União Europeia (34,3%, que compara com 39% para a UE28), com o país a posicionar-se “sensivelmente a meio da tabela”, com uma carga fiscal superior à da Espanha (33,9%), mas inferior à da Grécia (36,3%).

O país com a carga mais baixa é a Roménia, com cerca de 28%. No outro extremo está a Dinamarca, com 47,5%.

Nos impostos diretos, registou-se em 2015 um decréscimo de 1,4% nas receitas do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) e um aumento de 15,7% no IRC.

Já nos impostos indiretos, o INE destaca os aumentos de 4,7% da receita do IVA e de 10,4% da receita com o Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP). A receita com o imposto sobre o tabaco voltou a diminuir (-1,1%).

Em 2015 continuaram a registar-se “crescimentos acentuados da receita” no Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI, 7,7%), no Imposto sobre Veículos (ISV, 22,8%) e no Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT, 20,8%).

No seu conjunto, o ISP, o IMI, o ISV e o IMT contribuíram para o crescimento da receita fiscal em 610 milhões de euros.

Quanto às contribuições sociais efetivas, cresceram 4,0%, traduzindo o aumento do número de beneficiários com remunerações declaradas à Segurança Social, mas em termos europeus Portugal registou “um dos pesos relativos mais baixos das contribuições sociais efetivas na carga fiscal (sétima mais baixa, com 26,2% em 2015), inferior à média da UE28 de 31,5%”.

Relacionando a carga fiscal com a taxa de variação nominal do PIB a preços de mercado, em 2015 a receita fiscal cresceu a um ritmo superior ao do PIB, com taxas de 4,4% e 3,4%, respetivamente. Segundo o INE, “foi o terceiro ano consecutivo em que a taxa de variação da carga fiscal ficou acima da taxa de variação nominal do PIB e atingiu o nível mais elevado desde 1995”.

Impostos indiretos elevados

O aumento do nível da carga fiscal é explicado pelo comportamento da receita do IRC e do IVA, que subiu cerca de 740 e 680 milhões de euros, respetivamente, refletindo “o reforço de medidas de combate à evasão fiscal, como o sistema e-fatura e o controlo de inventários”, e ainda pela subida em cerca de 630 milhões de euros das contribuições sociais efetivas.

Relativamente ao IRS, viu no ano passado a receita cair em cerca de 190 milhões de euros (-1,4%), “em parte” devido à “componente relativa a rendimentos de capitais, uma vez que a base tributária (juros recebidos) terá diminuído devido às baixas taxas de juro que se observam atualmente”.

Ainda assim, o IRS assumiu-se como “o principal imposto direto”, tendo representado 67,5% do total deste tipo de impostos em 2015 (70,2% em 2014).

Já o IRC “cresceu significativamente” (variação de 15,7% face a 2014), atingindo mais de cinco mil milhões e recuperando o peso relativo no total dos impostos diretos.

No que respeita aos impostos indiretos, o IVA representou 58,5% das receitas obtidas por esta via em 2015, com o valor arrecadado a crescer 4,7% face a 2014 sobretudo devido à expansão da base tributária e ao reforço de medidas de combate à evasão fiscal.

O crescimento de 10,4% do ISP, que representou 11,7% dos impostos indiretos em 2015, é explicada sobretudo pelo aumento das taxas em resultado do aumento da contribuição para o setor rodoviário e da introdução da taxa de carbono prevista na fiscalidade verde.

Quanto ao IMI, voltou a subir (7,7%) em 2015, depois de já ter crescido 8,1% e 17,3% em 2014 e 2013, respetivamente, e representou 5,9% do total dos impostos indiretos, numa evolução explicada pela conclusão da avaliação geral de prédios urbanos, que alargou a base de incidência do imposto, e pelo fim da cláusula geral de salvaguarda.

O imposto do selo representou 4,6% dos impostos indiretos, tendo a sua receita crescido 3,8%, enquanto os impostos sobre o registo de automóveis (IA/ISV) e sobre as transmissões onerosas de imóveis (IMT) representaram, ambos, 2,2% do total dos impostos indiretos, aumentando 22,8% e 20,8% em 2015, pela mesma ordem.

Conforme nota o INE, comparando com outros países da União Europeia “Portugal é um dos países em que o peso dos impostos indiretos na carga fiscal é elevado (décimo, em 2015, com um peso de 42,3%), significativamente superior à média da UE28 (34,7%)”.

Relativamente ao designado GAP de IVA – indicador que mede a diferença entre o chamado IVA teórico, que resultaria de aplicar as taxas legais aos bens e serviços suscetíveis deste imposto nas contas nacionais, e o IVA efetivamente cobrado – situou-se em 1.707 milhões de euros em 2013, o que corresponde a 11,1% do IVA cobrado no ano e traduz uma diminuição de 2,5 pontos percentuais face ao ano anterior.

Em 2012 tinha-se verificou-se o aumento mais expressivo deste indicador, que atingiu 2.196 milhões de euros (13,6% do IVA cobrado), diminuindo em 2013 para 1.707 milhões de euros.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Múmias milenares tinham tatuagens escondidas (e já podemos vê-las)

As tatuagens escondidas em antigas múmias egípcias estão agora a ser reveladas pelos cientistas, usando uma nova tecnologia de infravermelho, permitindo vislumbrar como os membros da sociedade há três mil anos viviam e trabalhavam. Tatuagens semelhantes …

Miguel Albuquerque avisa: deputados madeirenses do PSD podem viabilizar OE

O presidente da estrutura regional do PSD/Madeira, Miguel Albuquerque, disse esta sexta-feira que os três deputados na Assembleia da República poderão votar o Orçamento do Estado caso as reivindicações da região estejam asseguradas. “O Orçamento do …

"Não há falta de médicos" nos hospitais de Coimbra e Algarve, diz Marta Temido

A ministra da Saúde afirmou esta sexta-feira que não há falta de médicos nos centros hospitalares universitários do Algarve e de Coimbra, admitindo que poderá haver necessidade de rever escalas e formas de organização. “Não me …

Já pode beber uma cerveja que nunca "morre"

https://vimeo.com/377813387 Cientistas chineses criaram uma levedura geneticamente modificada que faz com que a cerveja nunca "morra". Esta inovação pode aumentar o prazo de validade da cerveja, com uma alteração mínima ao seu sabor. Não há nada melhor …

Cotrim Figueiredo: "Siza Vieira não tem peso político para levar a sua avante”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "não tem peso político para levar a sua avante" neste Governo, disse o deputado da Iniciativa Liberal João Cotrim Figueiredo, que é também candidato único à liderança do …

Arranca hoje a "contra-cimeira" contra "hipocrisia dos governos"

Enquanto na chamada "zona verde" se prepara a semana das negociações de alto nível da COP25, começa este sábado em Madrid uma contra-cimeira em que os movimentos ativistas procuram um contraponto ao que chamam a …

A maior parte dos produtos de maquilhagem está contaminada com superbactérias perigosas

Nove em cada 10 produtos cosméticos atualmente em uso estão contaminados com superbactérias potencialmente prejudiciais, incluindo E. coli e Staphylococci. Beauty blender, rímel e brilho labial são os produtos que contêm os mais altos níveis …

NASA gravou acidentalmente a explosão de um cometa a aproximar-se do Sol

Astrónomos usaram dados do telescópio espacial TESS para estudar a explosão de um cometa durante a sua aproximação ao Sol. A investigação resultou num artigo publicado em novembro na revista científica Astrophysical Journal Letters. Foi a …

Objeto de Hoag é uma galáxia dentro de uma galáxia (que está dentro de outra galáxia)

Se observar atentamente a Constelação da Serpente poderá ver uma galáxia dentro de uma galáxia que, por sua vez, está dentro de outra galáxia. Este grande mistério do Universo é conhecido como Objeto de Hoag. Descoberto …

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …