Caos na Síria. Bombardeamentos turcos levam à fuga de centenas de militantes do Daesh presos

Cerca de 800 militantes do Daesh fugiram neste domingo da prisão de Ain Issa, de acordo com a administração autónoma curda, que acusa a Turquia de ter dado “cobertura aérea” para que a fuga fosse bem-sucedida.

Começaram também a surgir vídeos de execuções de civis e abusos contra prisioneiros de guerra às mãos de mercenários árabes que combatem ao lado do exército de Ancara.

“Pelo menos 785 militantes estrangeiros do Daesh escaparam hoje [domingo] do campo de Ain Issa com a ajuda de mercenários e cobertura aérea de aviões turcos”, revelou a administração curda em comunicado publicadono Facebook. “Os mercenários e tropas turcas atacaram a segurança do campo e criaram um corredor para que os combatentes estrangeiros do Daesh pudessem escapar”.

A fuga foi mais tarde confirmada pelo porta-voz das Forças Democráticas da Síria (SDF), Mustafa Bali, ao dizer que “quase todos os suspeitos militantes do Daesh fugiram do campo”.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, com sede no Reino Unido, avançou que aldeias nas proximidades do campo foram bombardeadas pela Força Aérea Turca e por artilharia. Quando os mercenários dispararam e as bombas turcas caíram nas proximidades do campo, os guardas curdos abriram fogo e, ao mesmo tempo, os militantes detidos começaram a atacá-los. Na confusão, abriram um dos principais portões e fugiram.

Um responsável turco, de acordo com o jornal norte-americano New York Times, citado pelo jornal Público, disse que a bandeira do Daesh foi levantada no campo entre a cidade curda de Ain Issa e a fronteira turca.

Há alguns dias, na iminência da ofensiva turca, os curdos viram-se obrigados a transferir a maioria dos 700 guardas para as linhas da frente e a segurança do campo ficou limitada a entre 60 a 70 guardas curdos.

“A guarda era muito fraca”, disse Marvan Qamishlo, citado pelo britânico Independent. “Não temos números suficientes”, acrescentou, referindo que o número ideal para uma segurança capaz no campo seria 1500. O campo de Ain Issa localiza-se a 50 quilómetros de Raqqa e estavam lá mais de 12 mil pessoas.

A localização dos campos de detenção de jihadistas geridos pelos curdos é bem conhecida pela Turquia, por integrar a coligação internacional contra o Daesh e a questão dos militantes estrangeiros da organização ser um dos grandes temas de discussão entre os membros da coligação.

Curdos chegam a acordo com regime sírio

Os curdos e o governo sírio chegaram a um acordo para mobilizar tropas para a fronteira norte do país de modo a estancar a ofensiva militar vinda da Turquia. Os curdos estarão a negociar um entendimento com as forças russas e sírias de apoio a Bashar al-Assad para combater o exército turco.

A aliança surge depois de o presidente Donald Trump ter anunciado este sábado que os Estados Unidos aplicarão “sanções severas” contra a Turquia, pela ofensiva militar contra as milícias curdas na Síria, e ter ordenado a saída imediata das tropas norte-americanas na região.

Pelo menos 26 civis terão sido mortos só este domingo. Desde que a ofensiva turca começou no nordeste da Síria, na quarta-feira, mais de 130 mil pessoas deixaram as suas casas nas cidades de Tal Abyad e Ras al-Ain. De acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), alguns deles foram recebidos pelos seus familiares noutros outros locais, mas muitos refugiaram-se em escolas ou abrigos em cidades como Tal Amr, Hasakeh ou Raqa.

As Nações Unidas também alertaram que os hospitais públicos e privados de Ras al-Ain e Tal Abyad fecharam na sexta-feira e que mais de 400 mil pessoas ficaram sem abastecimento de água em Hasakeh, incluindo 82 mil residentes dos campos de refugiados de Al-Hol e Areesha.

A ofensiva turca, denominada “Operação Fonte da Paz”, começou há cinco dias. O Presidente turco quer criar uma “zona de segurança” para arabizar o Nordeste da Síria ao instalar ali mais de dois milhões de refugiados árabes sírios e, assim, alterar a composição demográfica em detrimento dos curdos.

A Turquia considera existir uma continuidade entre as milícias YPG do Nordeste da Síria e o PKK curdo na Turquia, que classifica como uma organização terrorista, o que usa como pretexto para esta ofensiva além-fronteiras.

Ancara apoia-se em milícias árabes formadas por elementos que viviam na zona da ofensiva e que foram também vítimas de deslocação forçada feita pelos curdos em 2015, com relatos de aldeias árabes a serem demolidas. Muitos eram precisamente de Ras al-Ayn e Tel Abyad, as cidades que foram os primeiros alvos da ofensiva e que anteriormente tinham uma população de maioria árabe. Alguns juntaram-se ao Daesh, em busca de vingança contra os curdos e agora combatem nas fileiras das milícias pró-turcas.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Agora esses do Daesh deviam ir “agradecer” à administração americana – mesmo à administração, não ao povo nem aos militares!…

RESPONDER

Montijo: ANA pede mais tempo para analisar medidas de mitigação ambiental

A ANA – Aeroportos de Portugal pediu à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) uma prorrogação do prazo para analisar as medidas de mitigação propostas pela entidade na Declaração de Impacte Ambiental (DIA) do futuro aeroporto …

Sérgio Conceição ultrapassa número de jogos de José Mourinho

No jogo deste domingo, que o FC Porto acabou por vencer o Boavista com um golo solitário de Alex Telles, Sérgio Conceição cumpriu o seu 128.º jogo como treinador dos dragões - mais uma partida …

Governo australiano acusado de censurar livro sobre história de Timor-Leste

O Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano está alegadamente a tentar censurar partes do primeiro de dois volumes da história de operações militares em Timor-Leste, o dedicado à Força Internacional para Timor-Leste (Interfet), segundo revelou a imprensa …

Norte-americanos acordaram com mensagens de texto estranhas nos seus telemóveis

Na passada quinta-feira, uma grande parte da população norte-americana recebeu mensagens estranhas e inexplicáveis, muitas das quais desconfortáveis e até preocupantes. Stephanie Bovee, uma norte-americana de 28 anos de Portland, no oeste dos Estados Unidos, acordou …

Pai que fugiu por 15 países com os dois filhos no ano passado encontrado pela PSP

O pai mudou 15 vezes de país com as crianças desde o verão passado sempre sem o consentimento da mãe e sem que a mãe tivesse qualquer notícia do paradeiro dos filhos, revela a PSP. A …

Daesh está a tentar criar um novo Estado islâmico nas Filipinas

Há dois anos que a bandeira negra do Daesh deixou de esvoaçar no topo de um edifício da cidade de Marawi, em Mindanau, no sul das Filipinas, e o Presidente, Rodrigo Duterte, declarou tê-lo derrotado. …

Operação Marquês. Ex-secretário de Estado de Passos Coelho chamado como testemunha

O juiz de instrução da Operação Marquês, Ivo Rosa, decidiu chamar o ex-secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações Silva Monteiro como testemunha, avança a SIC Notícias. Segundo apurou a estação televisiva, o ex-governante …

Apple e Goldman Sachs acusados de terem criado cartão de crédito sexista

A Apple e o Goldman Sachs estão a ser acusados de terem lançado um cartão de crédito que discrimina os utilizadores em função do género. Um dos últimos a juntar ao rol de críticas ao Apple …

Grimaldo joga consecutivamente há 68 jornadas (só é ultrapassado por um guarda-redes)

Alejandro Grimaldo está há 68 jornadas a jogar consecutivamente a titular na lateral esquerda do Benfica - são dois anos sem descanso. Os números são avançados pelo desportivo A Bola, que dá conta que o lateral-esquerdo …

"Prática comercial enganosa". NOS obrigada a retirar campanha publicitária sobre 5G

A Associação da Auto Regulação Publicitária (ARP) deu razão a uma queixa da Meo e mandou a NOS retirar uma campanha de publicidade sobre um tarifário móvel 5G por considerar que constitui "uma prática comercial …