Caos e desacatos na venda de bilhetes para final da Taça. “Nada têm que ver com o FC Porto”, diz Tondela

FPF

O último dia da venda de bilhetes para a final da Taça de Portugal ficou marcada por desacatos. “Nada têm que ver com o FC Porto”, disse o presidente do Tondela.

A venda de bilhetes no Estádio João Cardoso foi alargada ao público em geral, esta segunda-feira. A elevada procura de ingressos levou vários adeptos portistas a deslocarem-se ao reduto do Tondela, onde criaram o caos, com artigos da loja dos beirões a serem roubados e o autocarro do clube a ser danificado.

O Tondela já esgotou os bilhetes que tinha disponíveis para a final da Taça de Portugal, que o clube vai jogar contra os ‘azuis e brancos’. Dos bilhetes então disponíveis para venda, “quase todos foram para adeptos do FC Porto”, confirmou o Tondela.

As altercações obrigaram à chamada da GNR ao local, que acalmou os ânimos após a sua chegada. Ao MaisFutebol, fonte do Tondela confirmou que “houve roubo de artigos e insultos aos funcionários”.

“Decorrem diligências para perceber o que terá acontecido e a identificação das respetivas responsabilidades”, explicou fonte da GNR ao jornal desportivo.

Contactado pelo jornal A BOLA, o presidente do Tondela, Gilberto Coimbra, manifestou a sua preocupação, mas não quis exacerbar a situação. O presidente do emblema beirão explicou que o FC Porto não tem culpa do que aconteceu e que “falar nisto é dar valor a este tipo de comportamentos”.

“As pessoas pensam que vale tudo e não podemos dar-lhes importância. Mas volto a frisar que o FC Porto é alheio a estes acontecimentos”, disse Gilberto Coimbra.

“Vão ser tomadas as diligências necessárias, mas não deve ser dada relevância a esses desacatos, que nada têm que ver com o FC Porto. Tem que ver apenas com a má formação de algumas pessoas”, disse ainda o dirigente ao jornal OJOGO.

Vitória “não é fácil, mas é possível”

Quanto ao jogo, em declarações à agência Lusa, salientou que vencer o FC Porto na final da Taça de Portugal de futebol “não é fácil, mas é possível”.

“Já tudo aconteceu neste clube, já ganhámos em casa do FC Porto, portanto, não tem por que não ser possível, também, neste jogo, ter uma vitória. Fácil? Não é. É possível? Com toda a certeza”, defendeu Gilberto Coimbra.

O presidente do clube admitiu que se o Tondela tivesse vencido no sábado o Boavista, “não assegurava a presença na I Liga, mas estaria ainda na luta e seria com outro sentimento” que se deslocariam ao Estádio Nacional, em Oeiras.

“A ida à final da Taça de Portugal seria com outro ânimo. Agora, há que levantar a cabeça e enfrentar e demonstrar aos atletas que, principalmente para eles, é um dia histórico a final no Jamor”, defendeu.

O Tondela marca presença pela primeira vez na final da prova ‘rainha’ do futebol uma semana depois de ver confirmada a descida para a II Liga, após sete anos consecutivos na I Liga.

“Um dia podia acontecer. Foi este ano”, reagiu o dirigente, que admitiu que, depois do jogo de sábado, e consumada a descida de divisão, houve conversas no balneário, com toda a estrutura, com toda a equipa técnica e com todos os atletas.

Gilberto Coimbra afirmou que o foco principal destas conversas foi sobre “a oportunidade de disputar uma final no Jamor, não só para o clube, que pode eventualmente voltar, como para muitos atletas que poderão não voltar a ter esta oportunidade”.

“Por isso, há o brio, há a dignidade, há o profissionalismo, há o ser do Tondela, há o pertencer à família do Tondela e há que defender a camisola”, exigiu o presidente tondelense, que lidera o clube desde 2003, referindo acreditar que “é isso que vai acontecer”.

Gilberto Coimbra disse acreditar que os jogadores “vão ser eles próprios e vão fazer um jogo real e digno deles, digno do Tondela, com toda a entrega, por forma a dignificarem o nome do Tondela e o nome deles”.

“Acredito nisso. Não quero ter dúvidas e foi com essa sensação que fiquei após o jogo” da última jornada, que ditou a descida de divisão.

O dirigente refere que “não se põe em causa o valor do adversário, porque é superior, mas é uma final, é um jogo e tudo pode acontecer”.

“Também quero agradecer a toda a massa adepta que, independentemente do desfecho do passado sábado, vai marcar presença no Jamor e o Estádio Nacional vai ter as cores do Tondela presentes e em grande volume”, disse.

O Tondela terminou esta época na I Liga, à qual chegou em 2015, no 17.º lugar, com 28 pontos, caindo assim para a II Liga.

No domingo, marca presença, pela primeira vez, na final da Taça de Portugal, defrontando pelas 17:15, no Estádio Nacional, o FC Porto, em jogo que será arbitrado por Rui Costa, da Associação de Futebol do Porto.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.