Cancro e gravidez podem ser mais semelhantes do que pensávamos

O cancro e a gravidez podem ter mais semelhanças entre si, a nível celular, do que se poderia pensar. Segundo um novo estudo, a placenta “invade” o útero da mesma forma que o cancro invade o corpo.

No início da gravidez humana, as células da placenta infiltram-se numa artéria principal do útero e ultrapassa-a, de acordo com o National Institutes of Health. Esta “invasão” amplia o vaso sanguíneo e permite que o oxigénio e os nutrientes fluam facilmente entre a mãe e o feto em desenvolvimento. Agora, os cientistas da Universidade de Yale pensam que as células cancerígenas podem usar uma tática semelhante para se apoderaram dos tecidos do corpo.

Certos mamíferos, incluindo os seres humanos, parecem ter uma tendência maior para desenvolver cancros malignos. O novo estudo, publicado este mês na revista científica Nature Ecology & Evolution, sugere uma explicação para isso.

Nos animais em que a placenta invade o útero, os cancros malignos tendem a surgir com mais frequência. Enquanto isso, animais como vacas, cavalos e porcos – cujas placentas não rompem o útero – raramente desenvolvem cancros que se espalham por todo o corpo.

“Queríamos descobrir por que, por exemplo, o melanoma ocorre em bovinos e equídeos, mas permanece amplamente benigno, enquanto é altamente maligno em humanos”, disse o co-autor Günter Wagner, professor de ecologia e biologia evolutiva da Universidade de Yale em comunicado.

Estudos anteriores sugeriram que, à medida que o cancro se espalha pelo corpo humano, as células cancerígenas “reativam” genes que normalmente só funcionam no início da vida – quando estamos no útero, disse Wagner.

Os genes ajudam a proteger o feto em desenvolvimento do sistema imunológico da mãe, o que pode confundir o bebé como um invasor perigoso, além de controlar o desenvolvimento da placenta.

A equipa concentrou-se em identificar as diferenças entre as células da vaca e as humanas para descobrir porque é que um mamífero parece mais resistente ao cancro invasivo que o outro. Primeiro, cultivaram tecidos conjuntivos de ambos os mamíferos no laboratório e analisaram o código genético de cada um.

A equipa detetou vários genes que pareciam altamente ativos nas células humanas, mas que eram constantemente desativados no tecido da vaca. O tecido da vaca parecia melhor equipado para impedir as células cancerígenas invasoras, enquanto o tecido humano cedia rapidamente aos tumores atacantes.

A equipa perguntou-se o que poderia acontecer se desativassem “genes selecionados” nas células humanas para torná-los mais “parecidos com vacas”. Assim, sem a entrada de certos genes, as células humanas pareciam menos vulneráveis à invasão do cancro.

Os autores sugerem que os humanos podem ter feito uma troca evolutiva, trocando o desenvolvimento saudável no útero por um risco aumentado de cancro maligno mais tarde.

Futuros tratamentos contra o cancro poderão superar estas vulnerabilidades, visando genes problemáticos. Ao modificar células humanas para serem mais parecidas com vacas, novas terapias poderão subjugar a disseminação de cancros agressivos.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …