Campanha antidroga nas Filipinas já fez 1.900 mortos em menos de dois meses

Ryan Lim / Wikimedia

O novo presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte

O novo presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte

A polícia das Filipinas defendeu a controversa campanha contra a droga impulsionada pelo novo Presidente do país, Rodrigo Duterte, e alvo de críticas de organizações como a ONU, que causou, desde 1 de julho, 1.900 mortos.

O chefe da polícia filipina, Ronald de la Rosa, disse no âmbito de uma comissão de investigação do Senado que 756 das mortes ocorreram durante operações policiais devido à resistência das vítimas em serem detidas.

De la Rosa atribuiu a autoria das restantes mortes a “grupos de vigilantes“, sem, no entanto, os identificar.

O chefe da polícia revelou também que mais de 670 mil pessoas se entregaram às autoridades e que mais de 11 mil foram detidas devido a casos de droga, naquela que foi a sua segunda comparência diante da referida comissão parlamentar transmitida pelas televisões locais.

De la Rosa assinalou que o número de pessoas que se entregaram por sua livre iniciativa demonstra a força de uma campanha que, a seu ver, tem contribuído para “uma descida significativa” do número total de crimes.

“A campanha revela a magnitude do problema, persuade personalidades do mundo da droga a entregarem-se e intensifica a ação policial com o resultado de uma redução do crime”, afirmou o chefe da polícia.

O mesmo responsável garantiu ainda que as operações contam com “o reconhecimento e o apoio” dos cidadãos, e acrescentou que a campanha favorece a “limpeza interna” na polícia, com aproximadamente 70 agentes identificados pela sua implicação com o narcotráfico.

“A polícia é mais agressiva na luta contra a droga agora com um Presidente que dá o seu apoio à campanha”, disse De la Rosa, negando ter ordens diretas para disparar a matar.

A comissão, em que familiares de vítimas também prestam declarações, é presidida pela senadora Leila de Lima, a qual denunciou que a campanha se tornou “numa desculpa para agentes e outros elementos cometerem assassínios com impunidade“.

Duterte, que tomou posse a 30 de junho, declarou guerra aberta contra a droga, tendo recebido inúmeras críticas de organizações como a ONU, tanto pelo elevado número de mortos como pelo que consideram violações de direitos e liberdades fundamentais.

Apesar da violenta campanha, Duterte mantém a sua popularidade, que se situa em 91% nas sondagens, a pontuação mais elevada granjeada por um chefe de Estado filipino.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …

O maior elevador panorâmico do mundo tem vista para os cenários de Avatar

Com o recente lançamento de fotografias subaquáticas dos bastidores do Avatar 2 e a notícia de que Avatar 3 está quase a terminar as filmagens, não há melhor momento para revisitar o parque nacional que …

Pandemia tirou comida da mesa, mas deu asas a startup que transforma plástico do mar em máscaras

A startup portuguesa Skizo transformou a pandemia numa oportunidade de crescimento. Quando faltava comida nalgumas mesas, a empresa de produção de sapatilhas e bolsas passou a fazer máscaras a partir de plástico retirado dos oceanos …

Na Irlanda, o Pai Natal é considerado um "trabalhador essencial"

A Irlanda fez esta semana um anúncio especialmente dedicado às crianças, afirmando que o Pai Natal é considerado um trabalhador essencial no país e, por isso, não terá as suas deslocações restringidas no período natalício. …

Mais 2400 novos casos. Portugal ultrapassa os 300 mil desde o início da pandemia

Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 300 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia no país, em março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou mais 2.401 novos casos, tendo passado a contabilizar …

Medidas para o Natal conhecidas no sábado. Passagem de ano com todas as restrições

O primeiro-ministro, António Costa, adiantou hoje que no sábado anunciará as medidas para o Natal “com as melhores condições possíveis”, mas avisou desde já que “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. “O Governo …

Os assentos do meio da Delta Air Lines vão continuar vazios

A companhia norte-americana Delta Air Lines anunciou esta semana que continuará a manter os assentos do meio vazios, mantendo a política de distanciamento social decretada por causa da pandemia de covid-19. A bloqueio destes lugares intermediários …

A queda da Aurora Dourada. Como a Grécia lidou com a onda de extrema-direita

Quando uma onda da extrema-direita atingiu a Grécia em 2012, poucos previram que a Aurora Dourada, um dos grupos envolvidos, cresceria e tornar-se-ia o terceiro maior partido no parlamento grego. Este foi o início de um …