Câmara de Lisboa pagou 1,7 milhões a dirigentes sem aprovação da assembleia

Jerome Dahdah / Flickr

Edifício da Câmara Municipal de Lisboa

Edifício da Câmara Municipal de Lisboa

A Câmara de Lisboa poderá ter gasto mais de 1,7 milhões de euros de forma irregular, entre 2013 e 2015, pagando despesas de representação aos seus dirigentes sem o aval da Assembleia Municipal.

De acordo com o Público, o PSD defende que esse pagamento foi feito à margem da lei, baseado em pareceres jurídicos da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo e da Direção-Geral das Autarquias Locais.

A explicação está numa mudança da lei, que não foi acompanhada por uma alteração nos procedimentos da autarquia.

Com a entrada em vigor da Lei n.º 49/2012, de 29 de agosto, a atribuição de despesas de representação “aos titulares de cargos de direção superior de 1º grau e de direção intermédia de 1º e 2º graus” da administração local passou a ser “competência da assembleia municipal, sob proposta da câmara municipal”.

Contudo, o pagamento das despesas de representação continuou a ser feito mesmo sem nunca ter chegado aos órgãos autárquicos qualquer proposta nesse sentido nos anos seguintes à entrada em vigor da lei.

De acordo com o jornal, nos últimos orçamentos da Câmara de Lisboa verifica-se que em 2013 o montante pago aos dirigentes a esse título foi de 580 mil euros, valor que se manteve no ano seguinte e subiu para 596,88 mil euros no ano passado.

Quando finalmente um pedido chegou à Assembleia Municipal, através da proposta de submissão “da atribuição do abono de despesas de representação” em 2016, o assunto levantou várias dúvidas e baixou à Comissão de Finanças, que iniciou diligências para saber se a atribuição de despesas tinha sido “objeto de proposta camarária para apreciação e votação” pela Assembleia Municipal desde que entrou em vigor a Lei n.º 49/2012.

“A câmara andou três anos a pagar um conjunto de abonos aos dirigentes sem ter aprovação para o fazer”, afirma ao Público Sérgio Azevedo, líder da bancada do PSD na assembleia municipal, defendendo que foi cometida “uma ilegalidade”. O autarca admite que a solução passe por os dirigentes reporem as quantias recebidas.

O vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, admite que essa leitura é possível mas defende outra “interpretação” da lei.

Questionado pelo jornal, o vereador alega que essa legislação tinha que ver com a “reestruturação orgânica” dos municípios e que como o de Lisboa tinha feito uma em 2011 não se justificava fazer outra no ano seguinte. Assim, o autarca defende que “seria um pouco estranho” não fazer essa reestruturação e adoptar os restantes “condicionalismos” da lei.

João Paulo Saraiva entende que só a partir do momento em que voltou a alterar a sua orgânica, em meados de 2015, é que a Câmara de Lisboa teria que submeter à aprovação da assembleia a atribuição das despesas de representação.

Confrontado com a posição do PSD, que considera que o executivo municipal cometeu uma ilegalidade, o vereador das Finanças admite que essa leitura é possível, mas não partilha dela, argumentando que a “decisão” da câmara “foi tomada e está sustentada na lei“.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …