Caloiros de Oxford vão ter disciplina obrigatória para “aprender a não violar”

Os caloiros da Universidade de Oxford vão ter uma nova disciplina no currículo este ano: consentimento sexual.

Os workshops, com duração de 90 minutos, já existem há cinco anos em Oxford, mas este ano vão fazer parte de todos os planos de estudos, com o intuito de contrariar o alto número de violações e casos de assédio sexual. Para Orla White, coordenadora dos workshops, “não é bem uma aula, é mais uma conversa”.

“Queremos quebrar tabus, começar conversas e acabar com mitos sobre a violência sexual”, explica à BBC a vice-presidente da Associação de Estudantes da Universidade de Oxford para as mulheres.

O workshop sobre consentimento sexual também fala sobre estatísticas, aborda aspectos legais sobre consentimento, coloca os alunos perante cenários hipotéticos e tem até conteúdos sobre educação sexual.

Algumas pessoas têm reagido com surpresa à necessidade de uma universidade de prestígio ter que ensinar as mentes mais brilhantes do Reino Unido que “não é não”, acusando a iniciativa de ser “paternalista” e “condescendente”, mas os responsáveis da instituição apoiam a iniciativa da associação de estudantes.

Apesar de todos saberem que as violações e o assédio sexual são errados – e constituem crime -, isso não evita que ambos ocorram a um ritmo alarmante.

A Associação Nacional de Estudantes britânica afirma que uma em cada cinco estudantes sofreu algum tipo de assédio sexual durante a primeira semana do semestre.

Comentários de cunho sexual, assobios quando as estudantes passam ou quando entram nas salas, abordagens invasivas nas filas para as festas e piadas sobre violações são citados como exemplos deste assédio.

Iniciativas semelhantes têm sido adotadas por instituições em todo o Reino Unido.

Na Universidade de Cambridge, “as aulas sobre consentimento são uma parte essencial da entrada na vida universitária, estão incluídas nos programas de introdução e os estudantes são encorajados a participar”, e na Universidade de Warwick também já existem workshops sobre a cultura de violação e mitos sobre violações, refere o Newsbeat.

Na Universidade de York, onde cerca de cinco mil caloiros tiveram que assistir às sessões sobre “masculinidade tóxica” e culpabilização da vítima, alguns estudantes abandonaram estas aulas.

“Menos de 250 pessoas escolheram não ficar na primeira conversa”, escreveu Dom Smithies, responsável pela área de Comunidade e Bem-Estar da instituição.

Hareem Ghani, da Associação Nacional de Estudantes britânica, escreveu um artigo no Independent onde explica que estas sessões “tentam desvendar mitos sobre violações, desconstruir o impacto da hiper-masculinidade em todos os géneros e incentivar os estudantes a não envergonhar os seus colegas pelas suas preferências ou atividade sexual”.

De acordo com a lei britânica, o consentimento sexual acontece quando a pessoa “está de acordo por escolha própria e tem a liberdade e a capacidade de tomar essa decisão”.

AF, ZAP

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Juro que não percebo ao ponto que se chega para isto das aulas sequer existirem. Tipo, as pessoas já não sabem – antes de chegar à universidade – distinguir o fazer bem do fazer mal? PRECISAM DE SER ENSINADOS NA UNIVERSIDADE!!??

    Caramba…

  2. E diz-se o Reino Unido um pais desenvolvido…
    Só o simples facto de existirem estas aulas significa que as violações são em grande numero e a justiça nada consegue fazer.
    Como tal vamos educar os meninos mimados a não fazer aquilo que todos sabem ser contra natura porque assim pode ser que não aconteça.
    Enfim coisas de uma civilização que apesar de muito desenvolvida continua a praticar actos de bárbaros.

  3. castração para eles, cadeado para elas, haverá certamente muitos abusos mas incentivos aos mesmos também não faltam certamente, com tanta falta de educação e tantas medidas ainda vai vir o dia em que vão impor a separação de sexos.

RESPONDER

Ouvir 30 segundos de uma sonata de Mozart pode reduzir ataques de epilepsia

Ouvir a Sonata para Dois Pianos em Ré Maior (K448), de Wolfgang Amadeus Mozart, durante pelo menos 30 segundos, ajuda a reduzir a atividade elétrica cerebral associada à epilepsia resistente a medicação. Os resultados também sugerem …

Astrónomos resolvem mistério cósmico com 900 anos

Um mistério cósmico com 900 anos, em torno das origens de uma famosa supernova observada pela primeira vez na China no ano 1181, foi finalmente resolvido. Uma nova investigação, publicada dia 15 de setembro no The …

Bons hábitos alimentares podem reduzir a probabilidade de contrair covid-19

Um novo estudo indica que as pessoas que comem muitas frutas e vegetais podem ter menos probabilidades de contrair covid-19. Num pesquisa que envolveu 590 mil adultos, os investigadores descobriram que as pessoas que eram adeptas …

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …