Centenas de cães de Chernobyl estão a ser resgatados e dados para adoção

Jorge Franganillo / Flickr

Cão em Chernobyl, Ucrânia

Cão em Chernobyl, Ucrânia

O desastre nuclear de Chernobyl parecia estar destinado a cair no esquecimento, mas uma série de televisão voltou a trazer o assunto à baila. Naquela parte remota da Ucrânia chamada “zona de exclusão” continuam a viver centenas de animais deixados ao abandono. Mas, tal como a tragédia, não foram esquecidos.

Na madrugada de 26 de abril de 1986, o reator quatro na Central Nuclear de Chernobyl sofreu uma falha catastrófica e explodiu, libertando quantidades inimagináveis de materiais radioativos no ar, nas áreas vizinhas e até mesmo no oeste da URSS e noutros países da Europa Ocidental, recordou o Jornal de Notícias na quarta-feira.

Os registos oficiais apontam para 31 mortes diretas, com síndrome aguda de radiação, e 15 mortes indiretas – pacientes que morreram de cancro da tiroide nos anos seguintes (dados até 2011).

No entanto, estima-se que cerca de quatro mil entre os cinco milhões de pessoas que residem nas áreas contaminadas possam ter desenvolvido cancro por causa do acidente. O número real de mortes, diretas ou indiretas, nunca vai ser conhecido exatamente.

Clean Futures Fund

“Chernobyl”, uma minissérie de televisão da produtora norte-americana HBO, com cinco episódios, voltou a pôr os holofotes no tema, quando estreou, no início de maio. Com uma versão dos factos bem diferente à da União Soviética.

O sucesso da produção televisiva foi imediato e até fez aumentar significativamente o número de visitantes em Chernobyl nos últimos meses. Uma das cenas mais comentadas nas redes sociais pertence ao quarto episódio, em que se mostra uma equipa de três soldados soviéticos a disparar sobre cães abandonados em Pripyat, na Ucrânia.

Isso terá acontecido na realidade para evitar que os animais possivelmente afetados pelos altos níveis de radiação espalhassem a contaminação.

Os moradores da área próxima à central nuclear foram orientados para evacuar a zona cerca de 36 horas após o desastre. Terão tido cerca de 50 minutos para arrumar tudo o que conseguissem antes de entrar num dos autocarros que os iam levar dali. Não foi permitido que nenhum animal de estimação fosse levado, o que significa que muitos deles ficaram abandonados.

Cerca de mil cães continuam a viver em Chernobyl

Mais de 30 anos depois da tragédia, centenas de cães e outros animais continuam a viver na “zona de exclusão”, de aproximadamente 30 quilómetros (com uma área de cerca de 2600 quilómetros quadrados), que abrange as cidades de Chernobyl, Pripyat e Poliske, na Ucrânia.

A Clean Futures Fund (CFF), uma organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos (EUA), criada para aumentar a consciencialização e fornecer apoio internacional a comunidades afetadas por acidentes industriais de longo prazo, estima que cerca de mil cães vadios continuam a viver em Chernobyl. Cerca de 250 vivem perto da central nuclear, mais de 225 na cidade e outras centenas em vários postos de controlo de segurança.

Pelo terceiro ano consecutivo, a organização visita Chernobyl para esterilizar, castrar e vacinar os cães vadios, protegendo-os do vírus da raiva e assegurando que menos cachorros nasçam. A edição deste ano do projeto “Cães de Chernobyl” começou no dia 03 de junho, com doações até um total de 40 mil dólares (cerca de 35.270 euros).

“Começámos o programa ‘Cães de Chernobyl’ em 2017. Depois de alguns anos a trabalhar e a visitar a central, ficámos surpreendidos com o número de cães vadios que viviam na “zona de exclusão” e na central nuclear de Chernobyl. Percebemos como foram abandonados e que representavam uma ameaça à segurança por causa do risco do vírus da raiva na zona”, explicou ao Jornal de Notícias Lucas Hixson, cofundador da CFF.

“Soubemos que a central e o governo ucraniano não tinham planos para resolver a situação a longo prazo e a única opção era selecionar uma população de cães. Desenvolvemos uma campanha de esterilização, castração e vacinação, propusemos o programa ao governo e tivemos a sorte de eles concordarem em trabalhar connosco no projeto”, recordou.

Mais de 850 animais já foram vacinados

A organização tem obtido bons resultados desde o início do programa. “Nos últimos três anos, esterilizámos e vacinámos mais de 850 animais na zona de exclusão de Chernobyl e na cidade de Slavutych, onde vivem os trabalhadores da central nuclear”, contou Lucas Hixson, definindo como objetivo deste ano “ajudar mais de 700 animais”.

E o que acontece depois a estes animais? “Em 2018, fomos capazes de resgatar e adotar mais de 40 cães bebés para famílias nos EUA e no Canadá”, revelou o responsável. “Os cães vivem felizes e serão saudáveis nas suas novas casas para sempre”, garantiu.

Lucas Hixson afirmou também que a CFF está a desenvolver um programa de gestão a longo prazo. “Acho que a melhor opção é criar um santuário com cerca de 35 a 50 hectares para os cães que vivem na zona de exclusão de Chernobyl. Esperamos angariar fundos e construir este espaço nos próximos três anos. Também queremos estabelecer um programa de alimentação durante todo o ano”.

E como é que as pessoas podem ajudar? “Precisamos desesperadamente de doações para financiar o programa de alimentação, esterilização e vacinação, para estabelecer e construir o santuário para cães em Chernobyl”, apelou o cofundador da organização.

A CFF garante que “não há risco de radiação relacionado com esses cães”, que “estão livres de contaminação antes de serem resgatados da zona”. Além de cães, a organização também ajuda gatos e animais feridos.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …

Guardas da Revolução do Irão prometem vingar morte do general Soleimani

O chefe dos Guardas da Revolução, o exército ideológico do Irão, garantiu hoje que a morte do general Qassem Soleimani, alvo de um raide aéreo dos Estados Unidos, será vingada em “todos os seus implicados”. “Senhor …

"O mundo está no momento mais perigoso da história humana", diz Noam Chomsky

O professor norte-americano Noam Chomsky, conhecido como o pai da linguística moderna, advertiu que o mundo está no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e …

Portugal com 849 novas infecções por covid-19. Há 20.722 casos activos

Portugal registou 849 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, mantendo-se a tendência de subida verificada nos dias anteriores. Mas o número de pacientes recuperados também não era tão alto desde Julho. O boletim da …

A Grândola Vila Morena abafou "a maior marcha alguma vez vista" do Chega

Com a Praça do Giraldo, em Évora, dividida por barreiras anti-motim, os participantes da concentração "Pela Liberdade" receberam os apoiantes do Chega de André Ventura ao som de "Grândola Vila Morena" e empunhando cravos vermelhos …

Pandemia assola Irão. EUA com mais 888 mortos. 19 países europeus bateram recorde de casos

Naquele que é o número mais elevado de casos diários desde abril, a Alemanha registou 2.297 novos contágios, 19 países europeus já ultrapassaram o recorde de casos do pico da pandemia. O Irão ultrapassou as …

Rangel "é um turista do carago". SMS atestam que Vieira usou Benfica em "benefício pessoal"

Luís Filipe Vieira é um dos acusados da Operação Lex, com o Ministério Público (MP) a alegar que o presidente do Benfica utilizou o clube em "benefício pessoal" para obter uma cunha do juiz Rui Rangel. O …

Farmácias em risco de não ter vacinas da gripe para tantos pedidos

As farmácias privadas receiam não ter doses suficientes de vacina contra a gripe para dar resposta a todos os pedidos. As encomendas da vacina já sãocinco vezes mais do que as registadas em 2019. A preocupação …