Cães podem ser uma das maiores ameaças à vida selvagem

Um estudo de 2017 revelou que os cães estiveram envolvidos na extinção de pelo menos onze espécies, entre elas a Porzana sandwichensis, uma ave do Havai, e do Tachygyia microlepis, um lagarto de Tonga.

Julie Young é uma investigadora de ecologia comportamental do Departamento de Agricultura do Centro Nacional de Pesquisa de Vida Selvagem no Estado de Utah, nos EUA, e estuda o impacto do comportamento dos cães na fauna local.

A investigadora dedicou vários meses a ensinar o seu cão, ZZ Bottom, para que este parasse de perseguir os perus selvagens que os dois encontravam pelo caminho quando faziam alguns passeios. “O mais difícil é impedir que vá atrás dos esquilos, mas eu treino-o e digo ‘senta’ ou ‘fica’, e ele obedece”, conta à BBC.

A cientista começou este trabalho há uma década, na Mongólia, no continente asiático, onde estudava crias de saiga, uma espécie de antílope em perigo de extinção. “Estes animais já estavam ameaçados e o nosso trabalho de campo mostrou que os cães de rua estavam também a persegui-los”.

“Estes animais fugiam dos cães e gastavam mais energia por causa disso, o que é crítico, especialmente durante a época em que havia muitas crias, porque podiam acabar por se separar do seu grupo”.

Pesquisas em todo o mundo apresentam cenários semelhantes – cães sem dono que perseguem animais selvagens e acabam por se tornar uma ameaça a espécies que correm risco de extinção.

Conforme cresce a população humana, também aumenta a população destes nossos amigos de quatro patas, o que significa que os cães estão a invadir territórios que costumavam ser um santuário para a vida selvagem.

Estima-se que, atualmente, existam mil milhões de cães domesticados em todo o mundo. Por isso, “haverá mais conflitos entre cães (e animais selvagens)”, afirma Young.

Um estudo de 2017 em que foram analisados números sobre a ameaça representada pelos cães revelou que estes estiveram envolvidos na extinção de pelo menos onze espécies, entre elas a Porzana sandwichensis, uma ave do Havai, e do Tachygyia microlepis, um lagarto de Tonga.

“Os cães também são uma ameaça conhecida ou potencial a 188 espécies que correm risco de extinção”, explicaram os autores do estudo. “Isso inclui 30 espécies criticamente ameaçadas, das quais duas são classificadas como ‘possivelmente extintas'”.

Esta situação coloca os cães no terceiro lugar do pódio, atrás de gatos e roedores, quando falamos nos mamíferos predadores invasores que mais causam danos à vida selvagem.

Pôr a culpa nos lobos e coiotes

Recentemente, o Departamento de Agricultura dos EUA virou a sua atenção para casos em que cães sem dono atacavam criações de animais e nos quais a culpa tinha sido antes atribuída a lobos e coiotes.

“Na Califórnia, essas matilhas vêm provavelmente de herdades ilegais de marijuana que possivelmente usam esses animais para proteger as suas plantações e que, ao fim da temporada de colheita, libertam-nos”, diz Young. “Este tipo de cão é muito agressivo. Nunca usou uma coleira ou teve dono”.

O comportamento destes cães de guarda não é, no entanto, a única ameaça, uma vez que também podem carregar e transmitir doenças letais para outros animais. “Estes cães são o principal vetor de doenças que afetam tanto animais selvagens quanto humanos”, diz Claudio Sillero, cientista-chefe da Fundação Born Free e fundador do Projeto Lobo da Etiópia.

“Vacinar e controlar a ocorrência de raiva em cães domésticos reduz o impacto sobre a vida selvagem, mas também beneficia o homem, porque é uma doença letal que pode ter consequências terríveis para pessoas que são mordidas por cães vadios. E as criações de animais são suscetíveis a raiva, então, isso gera um custo para a comunidade rural”.

A equipa de Sillero conseguiu imunizar os lobos da Etiópia através de vacinas orais colocadas em iscas. “A maior vantagem dessa abordagem é que se torna uma estratégia proativa de vacinação. É menos stressante para os animais sem ter um risco de gerar um distúrbio para a sua estrutura social”.

Bom comportamento

Mas, para além dessas medidas, o que é que pode ser feito para que os donos de cães os impeçam de ser uma ameaça à vida selvagem? “São necessárias mais pesquisas para quantificar melhor os ataques e entender porque e como é que isso está a ocorrer e o que podemos fazer para acabar com isso”, afirma Young.

“Não acho que exista uma única solução, mas podemos fazer um melhor trabalho no que toca à educação e conscientização. Se as pessoas estiverem mais cientes das consequências, quando um cão começar a perseguir um animal selvagem ou animais de criadores, os seus donos podem treiná-lo e controlá-lo”.

Sillero acrescenta que é “essencial que as pessoas assumam a sua responsabilidade pela forma como criam e cuidam dos seus cães. Cada vez mais, cães domésticos são abandonados e, como são criaturas resilientes e adaptáveis, conseguem viver na natureza”, afirma.

“Formam matilhas e procuram comida, que muitas vezes está no lixo ou entre restos deixados por pessoas, o que os atraem para aldeias e cidades. Precisamos de políticas de saúde pública para reduzir um problema sério de saúde e segurança”.

“Não existem cães maus, existem donos maus – cães são companheiros do homem, então, nós somos responsáveis pelo comportamento do cão”.

ZAP // BBC

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Esta notícia é demasiado personalizada numa pessoa. Os cães, principalmente os que são abandonados, são um perigo para a vida selvagem (e mesmo para as pessoas!) mas os gatos são muito piores! Os gatos, mesmo os que são alimentados, atacam tudo o que seja pequeno e se mova, por prazer. São responsáveis por muitas mais extinções do que os cães, mas não interessa fazer um pequeno estudo pois alguém pôs algo nos media e passou a ser o mais importante.

  2. Nada como os levar ao restaurante e dormir com eles na cama, ficam satisfeitos de toda a maneira e o PAN e companhia também.

  3. Continuo a achar que o ZAP anda a servir de caixa de ressonância do lobby dos gatos. Já na semana passada uma outra notícia tinha apenas como intuito o denegrir a imagem dos canídeos.

  4. Os gatos.. esses sim sao assassinos em série.. ate para a caça sao prejudiciais!… matam por prazer ou instinto tudo o que mexe!.. informem se! E tem uma capacidade fora do comum para matar, um prodígio da natureza! Que nos ajuda a controlar pragas, mas mata também mts nossos amigos!…

  5. Os cães sãos os culpados? E os gatos e ratazanas? Gatos que são completamente inúteis a caçar ratos em especial ratazanas, mas matam tudo quanto é pássaros e varrem os ninhos dos mesmos, sem falar nos pequenos lagartos que eles comem. As ratazanas comem tudo o que mexer e estiver indefeso, incluindo pássaros.
    Os cães não sobem às árvores, nem caçam furtivamente nem matam outros animais por desporto como os gatos e ratazanas. Pior ameaça multiplicada por 1000 para as outras espécies são os humanos, por isso deixem lá os cães em paz.

  6. Me perdoe, mas essa reportagem é absolutamente anti ética.
    Terceirização da culpa, se existem cães abandonados, a culpa não é deles, a espécie pensante somos nós… A culpa é do homem.
    Então, coloque as onze espécies extintas na conta do homem e inocente os cães, que estão fazendo somente o que foram criados para fazer.

    A responsabilidade do homem, começou qdo domesticamos o cão.

RESPONDER

Crise no setor de petróleo pode ser a pior dos últimos 100 anos

A crise no setor de petróleo pode ser a pior dos últimos 100 anos, antevê o presidente da Petrobras. O brasileiro calcula que o preço do barril de petróleo caia dos 40 para os 25 …

Ministro alemão encontrado morto "estava muito preocupado" com apoio à população

O ministro das Finanças do Estado alemão de Hesse, Thomas Schäfer, foi encontrado morto no sábado. O corpo do político estava nos carris de uma linha de comboios de alta velocidade, na cidade de Hochheim, …

Oposição denuncia sequestro de dois membros da equipa de Guaidó

Este domingo, a oposição venezuelana denunciou que alegados funcionários das forças de segurança sequestraram dois membros da equipa do líder da oposição, Juan Guaidó. Rafael Rico, do partido Vontade Popular, indicou que o sequestro teve lugar …

Há 853 profissionais de saúde infetados. Cerco sanitário no Porto em discussão

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, revelou que existem 853 profissionais de saúde infetados com a covid-19 em Portugal. Em conferência de imprensa ao fim da manhã desta segunda-feira, depois de a …

Fazer despedimentos ou não renovar contratos são situações distintas, explica Siza Vieira

O ministro da Economia afirma que o acesso aos apoios financeiros do 'lay-off' simplificado está condicionado ao compromisso de não haver despedimentos, mas reconhece que despedimento e não renovação são situações distintas. O ministro da Economia …

Empresas denunciadas por abusos nos despedimentos e violações ao código de trabalho

A CGTP recebeu denúncias a 40 empresas em que são relatadas situações de abuso e aproveitamento laboral. Milhares de trabalhadores foram afetados em todo o país, garante a líder sindical. Isabel Camarinha, classificou como "muito negro" …

NOS Primavera Sound adiado para setembro

Devido ao estado de emergência em que o país se encontra, resultado do surto de COVID-19, a nona edição do NOS Primavera Sound foi adiada e vai acontecer de 3 a 5 setembro. “Perante este cenário …

Twitter apaga publicações de Bolsonaro que defendiam fim das medidas de contenção

O Twitter bloqueou dois vídeos publicados no perfil oficial de Jair Bolsonaro sobre a visita que fez no domingo a vários pontos de Brasília, contrariando as recomendações sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS) para …

País vai entrar no "mês mais crítico" da pandemia (e medidas vão ser prolongadas)

O primeiro-ministro, António Costa, avisou esta segunda-feira que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia" da covid-19 e por isso é necessário que se prepare para esta fase. António Costa falava aos jornalistas na …

Bancos também dão moratória no crédito automóvel

Para além da moratória no crédito à habitação decretada pelo Governo, alguns bancos estão a alargar a moratória ao crédito de consumo, como por exemplo, à prestação do carro. Face à pandemia de covid-19, o Governo …