Os cadáveres continuam a mover-se mais de um ano depois da morte

axelrd / Flickr

Crânios num túmulo em Tana Toraja, na ilha de Sulawesi, na Indonésia

Mais de um ano depois da morte, os cadáveres movem-se de forma significativa, sendo esta uma descoberta importante no campo das investigações forenses.

Segundo uma nova investigação levada a cabo por investigadores australianos, afinal, os mortos nem sempre descansam em paz. De acordo com o Science Alert, os cientistas recorreram a câmaras time lapse para filmar cadáveres em decomposição.

Há 17 meses que uma câmara do Australian Facility for Taphonomic Experimental Research (AFTER) tem capturado imagens aéreas de um cadáver a cada 30 minutos durante o dia. Durante toda a experiência, o corpo moveu-se “significativamente”.

As imagens foram comparadas com um sistema de alocação de pontos para os níveis de decomposição no corpo para determinar o intervalo post-mortem (há quanto tempo a pessoa estava morta). O sistema de pontos combinava perfeitamente com as fotografias time lapse, aumentando a validade do sistema como uma ferramenta forense.

“Descobrimos que os braços se moveram de forma significativa. Alguns membros começaram a afastar-se do corpo num movimento lateral, e acabaram depois por voltar para a sua posição ao longo do corpo”, explicou à cadeia australiana ABC Alyson Wilson, biomédica da Universidade Central de Queensland.

A investigadora afirma que alguns movimentos post-mortem eram esperados nos estágios iniciais da decomposição, mas o facto de o cadáver ter continuado a mover-se durante todo o período das filmagens foi uma completa surpresa.

“Pensamos que estes movimentos se relacionam com o processo de decomposição, à medida que o corpo mumifica e os ligamentos secam. Este conhecimento pode ser significativo em investigações relacionadas com mortes inexplicáveis”, disse ainda Wilson num comunicado da universidade australiana.

Na verdade, explica o mesmo site, isto pode mudar a forma como os cientistas forenses analisam as cenas dos crimes, sobretudo quando os cadáveres não são descobertos logo a seguir à morte.

Se forem estudados cadáveres suficientes com estas time lapses para gerar dados estatísticos sobre o movimento post-mortem, esse conhecimento poderia ser usado para analisar cenas do crime com maior precisão.

Esse banco de dados forneceria informações sobre as maneiras pelas quais as pessoas provavelmente se moveriam, o que por sua vez poderia permitir aos cientistas reconstruir a posição em que o corpo estava no momento da morte e, além disso, poderia ajudar a descobrir o que realmente se passou.

O estudo relativo a esta conclusão ainda não foi publicado, porém, sucede a um artigo científico já publicado pela mesma autora na Forensic Science International: Synergy.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. “Descobrimos que os braços estavam a mover-se significativamente, fazendo com que os braços que começaram ao lado do corpo acabassem para o lado do corpo”

    Ah?!

  2. Grande descoberta…
    Por cá há muito tempo que andam cadáveres a mexer-se e nem sequer sabem que já morreram. É só conferir em qualquer telejornal.

  3. Está explicado porque é que os zombies existem estilo Walking Dead . Os nossos zombies residentes Sócrates, Salgado, P Coelho, S Lopes, Cavaco e muitos outros ainda mexem e de que maneira. Estamos muito ä frente em zombaria

RESPONDER

Há uma forma de reduzir erros na computação quântica (e já sabemos qual é)

Na computação quântica, assim como no trabalho em equipa, um pouco de diversidade pode ajudar a melhorar o resultado. Esta pode mesmo ser a chave para pôr fim aos erros na computação quântica. Ao contrário dos …

Coimbrões 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto venceu hoje o Coimbrões, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal que os «dragões» resolveram com três golos nos 12 minutos iniciais. Aproveitando a inexperiência e nervosismo da formação …

Produção de filmes em Hollywood é um inimigo silencioso do ambiente

Hollywood é casa para a maioria dos grandes filmes produzidos que estreiam nas salas de cinema espalhadas por todo o mundo. Contudo, consegue ser bastante prejudicial para o meio ambiente e, mais do que nunca, …

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …