/

Busan vai ser a primeira cidade flutuante do mundo

Busan, a segunda cidade mais populosa da Coreia do Sul, vai ser a primeira cidade flutuante do mundo.

O presidente da câmara de Busan e os dirigentes da UN-Habitat, o Programa da ONU para os Assentamentos Humanos, anunciaram que a cidade sul coreana vai acolher o OCEANIX Busan, protótipo de cidade flutuante do projeto das Nações Unidas.

O projeto foi apresentado a semana passada, na sede da ONU em Nova Iorque.

As cidades flutuantes prometem ser uma solução eficaz e sustentável para a subida do nível do mar, mas até à data ainda não foi construída nenhuma.

De acordo com a EL Confidencial, se as previsões dos cientistas sobre os efeitos das alterações climáticas na subida do nível do mar se confirmarem, o nível do mar subirá 1,3 metros até 2100 e poderá subir até cinco metros até 2300.

O impacto deste aumento pode ser devastador para as cidades costeiras e pode afetar milhões de pessoas.

“O desafio é enorme: duas em cada cinco pessoas no mundo vivem num raio de 100 quilómetros da costa e 90% das grandes cidades do mundo são vulneráveis à subida do nível do mar”, diz a UN-Habitat.

“As inundações estão a destruir milhares de milhões de dólares de infraestruturas e a forçar milhões de refugiados climáticos a abandonar as suas casas.”

A cidade flutuante coreana será chamada “Oceanix Busan” e pretende ser um protótipo para testar novas tecnologias para a construção das tais estruturas. O governo municipal de Busan, a UN-Habitat e a empresa de engenharia de Nova Iorque Oceanix estão a colaborar no projeto.

O projeto é da prestigiada firma dinamarquesa de arquitetura BIG, criadora de alguns dos edifícios mais icónicos do mundo e da futura base lunar da NASA.

A Oceanix Busan terá 6 plataformas interligadas, com uma área total de 6 hectares. Inicialmente terá capacidade para acomodar 12.000 pessoas, embora os seus promotores afirmem que pode ser expandida para acomodar mais de 100.000.

Cada uma das plataformas será ligada umas às outras por um sistema de pontes e terá uma utilização específica.

Haverá três bairros: um para o alojamento de pessoas. Outro com áreas comuns, restaurantes, lojas e lojas. E um dedicado à investigação marinha.

Os edifícios a construir não terão mais de cinco andares e serão feitos de materiais leves, tais como madeira e bambu.

Segundo a Oceanix, as plataformas serão construídas a partir de “biorock”, um material mais duro que o betão, mas que pode flutuar na água. A empresa afirma que este material cresce, autoregenera-se e torna-se mais forte com o tempo.

O projeto foi concebido para ser auto-suficiente em termos energéticos e sem desperdícios. Segundo a UN-Habitat, produzirá 100% da energia necessária através de painéis fotovoltaicos no mar e nos telhados dos edifícios.

Terá também um sistema que converte resíduos em energia, matérias-primas agrícolas e materiais reciclados. E um sistema de reciclagem que irá tratar e reabastecer a água utilizada.

As cidades flutuantes são uma das soluções que os governos têm em cima da mesa para mitigar o efeito do aumento da água sobre a população.

Segundo a investigadora Nathalie Mezza-Garcia, fundadora do Instituto das Cidades Flutuantes, este tipo de sistema oferece duas grandes vantagens.

O sistema cria “terra” que se move com as ondas e pode enfrentar as inundações, além de permitir que as cidades costeiras expandam os seus espaços urbanos. Mas ainda existem dúvidas sobre como pode ser tecnicamente desenvolvido.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Há boas razões para ter cuidado com a ideia de que a arquitetura flutuante pode ajudar as comunidades a adaptarem-se à subida do nível do mar“, diz Mezza-Garcia.

“As primeiras iterações desta tecnologia podem ser demasiado dispendiosas e complicadas para muitas áreas afetadas pela subida do nível do mar, mas o crescimento das tecnologias solar e de casas flutuantes sugere que os preços irão descer com o tempo.”

“Não podemos resolver os problemas de hoje com as ferramentas de ontem”, diz Maimunah Mohd Sharif, diretor executivo da UN-Habitat.

“Temos de inovar as soluções para os desafios globais. Mas neste esforço de inovação, sejamos abrangentes e equitativos e asseguremos que não deixamos ninguém e em parte alguma para trás”.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE