Bruno Fernandes (o brasileiro) proibido de ver um jogo ao vivo

Fernando Souza / Wikimedia

O guarda-redes brasileiro Bruno Fernandes

Guarda-redes, que já foi condenado pelo homicídio de uma mulher, tentou assistir a um encontro de futebol feminino mas como não tinha máscara…

Bruno Fernandes, um dos guarda-redes brasileiros mais famosos (por motivos pouco felizes), voltou a aparecer nas notícias no Brasil. E, novamente, o futebol não é a origem desta nova aparição.

Nesta quinta-feira decorreu um jogo de futebol entre as equipas femininas do Flamengo e Corinthians. A partida foi disputada na casa do Flamengo, a Gávea, e Bruno queria entrar nas instalações para ver o jogo ao vivo. Não conseguiu.

O jornal O Dia relatou que o guarda-redes apareceu na Gávea sem máscara de proteção. Tentou mesmo assim entrar nas bancadas mas os seguranças não permitiram e o atleta saiu de forma pacífica. O Flamengo não sabia desta “visita” e não comentou publicamente o episódio.

Bruno começou por ser reconhecido nas instalações do Flamengo porque, antes de tentar ver o jogo, foi visto por crianças que pediram para tirar algumas fotografias com um futebolista que foi dono da baliza do Flamengo entre 2006 e 2010.

Precisamente em 2010, a sua vida mudou. A modelo Eliza Samudio, mãe do seu filho (Bruno não reconheceu o recém-nascido como seu filho), desapareceu nesse ano. Em tribunal, o guarda-redes foi condenado a 22 anos de prisão: 17 anos e meio por homicídio, três anos e três meses por sequestro e 18 meses por ocultação do corpo – Eliza nunca voltou a aparecer.

No entanto, desde julho de 2019 que o futebolista está em liberdade condicional. Assinou contrato com o Poços de Caldas, mudando-se depois para o Rio Branco, Araguacema e mais recentemente para o Atlético Carioca, aos 36 anos.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.