Brunei pede “tolerância” em defesa da morte por apedrejamento de homossexuais

Stringer / EPA

Numa carta endereçada ao Parlamento Europeu, Brunei pede “tolerância, respeito e compreensão” pelo desejo de preservar os seus valores tradicionais.

O Brunei enviou uma carta aos membros do Parlamento Europeu na qual defende a sua decisão de começar a punir casos de adultério e de sexo entre homossexuais com apedrejamento até à morte. As novas medidas fazem parte de um código penal que se baseia numa interpretação ultraconservadora da sharia, a lei islâmica.

Apesar de ser uma das nações de maioria muçulmana mais conservadores do continente, só a partir de 2014 é que o Brunei começou a prever penas como o apedrejamento, a flagelação ou a amputação para casos de roubo.

Apesar da onda de protestos, o novo código penal foi apresentado no início do mês de abril. Agora, numa carta endereçada ao Parlamento Europeu, a Missão Permanente do Brunei Darussalam junto da Organização das Nações Unidas pede “tolerância, respeito e compreensão” pelo desejo do país de preservar os seus valores tradicionais.

De acordo com o Público, a missiva realça que as críticas de vários países devem-se a um equívoco que o país quer esclarecer. Este tipo de punições serão raras: para os cidadãos serem condenados, o crime terá de ter como testemunhas “pelo menos dois homens com altos valores morais e piedosos”.

“As sentenças penais para o apedrejamento até a morte e amputação, impostas por crimes de roubo, adultério e sodomia têm um limiar de evidência extremamente alto, exigindo não menos do que dois ou quatro homens com altos valores morais e piedosos para a exclusão de todas as forma de evidências circunstanciais”, lê-se na carta.

Todavia, segundo o documento, é extremamente difícil encontrar tais homens hoje em dia, uma vez que só alcança este estatuto quem realiza “todos os deveres religiosos, se abstém de cometer pecados capitais e não está a cometer perpetuamente outros pecados menores”.

No que diz respeito à flagelação, a equipa da Missão Permanente do Brunei junto da ONU explica que, se tal punição for considerada pelos tribunais, as chicoteadas só serão executadas por pessoas do mesmo sexo do que o suposto condenado.

“O ofensor deve estar vestido, chicotear com força moderada e sem levantar a mão sobre a cabeça. O castigo não deve resultar na laceração da pele nem pode ser responsável por partir ossos e não deve ser infligido no rosto, cabeça, estômago, peito ou zonas íntimas”, pode ler-se na missiva.

Com a entrada em vigor deste novo código penal, o país passa a ter um sistema legal duplo baseado na lei comum e na sharia.

De acordo com a carta, a sharia “concentra-se mais na prevenção do que na punição, uma vez que o seu objetivo é educar, deter, reabilitar e nutrir. Não criminaliza nem tem qualquer intenção de vitimizar alguém com base na sua orientação sexual ou crença, incluindo relações entre o mesmo sexo. A criminalização do adultério e da sodomia é para salvaguardar a santidade da linhagem familiar e do casamento de muçulmanos individuais, especialmente as mulheres”.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Valores tradicionais????
    Matar seres humanos, seja em que contexto for, não é considerado valores!
    Podem chamar o que quiserem, mas não digam que são valores, matar em nome da religião é sempre será um crime!
    Nenhuma religião deveria ter esse tipo de interpretação.
    Como é possível algo que supostamente tem como base o bem, pode ser instrumentalizado para praticar o mal?
    Continuo a dizer que a religião é o opio do povo, só serve para destruir!

  2. Pede compreensão à comunidade internacional sobre a preservação da tradição! A única resposta que deveria ser dada é da não permissão de entrada em qq estado civilizado e após a 1ª condenação ser julgado em tribunal internacional. Só um energúmeno e seus lacaios poderão ainda pensar desta maneira, imiscuir ideais religiosos com atitudes de atrasados mentais é algo demasiado perverso para ser aceite.

  3. Lei Sharia: os homosexuais devem ser apedrejados até à morte (a palavra de Deus).
    Notícia: uma ‘interpretação ultraconservadora’ da Sharia.
    Não caros amigos, é a interpretação literal e legítima da Lei Sharia. Não há versão moderada da Sharia, senão não é a Lei Sharia.
    Grupos cada vez maiores de muçulmanos por toda a Europa exigem também a aplicação nacional da Lei Sharia.
    Na bélgica, um partido político islâmico com representação parlamentar e de peso crescente quer implementar a Lei Sharia.
    Posição do Ocidente? o Islão é a religião da paz. Relativismo cultural. Não vamos ferir sensibilidades. Nem todos são assim. Vai correr tudo bem. Assimilação e integração. O multiculturalismo é lindo. A diversidade é a nossa força. Flores, velas, minutos de silêncio e canções de embalar.

    • Flores e velas têm servido para aqueles e aquelas que por esta Europa têm sido vítimas de tal fanatismo religioso e que os nossos políticos bem toleram em nome do tal multi-culturalismo que refere.

  4. Oh, Oh, e a intelectualidade internacional calada. Então, e o petróleo?
    “Aquele que nunca pecou, seja o primeiro a atirar a pedra”

RESPONDER

Imposto Mortágua foi aplicado a 75 mil contribuintes

O novo escalão do Adicional ao IMI, que prevê a aplicação de uma taxa de 1,5% sobre o valor patrimonial dos imóveis que ultrapasse os dois milhões, chegou a 331 contribuintes. Ao todo, o imposto …

Preço da luz vai descer 18 cêntimos no mercado regulado

Os preços da eletricidade no mercado regulado vão voltar a descer em 2020, segundo a proposta avançada esta terça-feira pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Esta terça-feira, a ERSE propôs uma atualização em baixa de …

Portugal teve perdas fiscais de 900 milhões de euros por menor tributação do gasóleo

A tributação ao gasóleo é mais baixa do que os impostos à gasolina. A diferença entre os dois combustíveis leva a perdas de 900 milhões de euros ao Estado. Quem abastece um carro a gasóleo na …

Dulce Neto é a primeira mulher a presidir a um Supremo Tribunal português

A juíza conselheira toma posse, esta quarta-feira, como presidente do Supremo Tribunal Administrativo (STA), tornando-se na primeira mulher a ocupar o lugar cimeiro de um supremo tribunal em Portugal. Dulce Neto, de 58 anos, foi eleita …

Défice zero e mais crescimento. Previsões de Centeno para o OE2020 são de "elevado risco"

O Governo faz uma revisão das metas para 2020 no esboço do Orçamento de Estado para o próximo ano que enviou à Comissão Europeia, prevendo um aumento do crescimento económico e um saldo orçamental equilibrado, …

Conselho nacional do PSD pode ser atirado para novembro. Apoios a Rio e Montenegro equilibrados

Rui Rio mantém o silêncio sobre uma recandidatura a líder do PSD, o que está a ser visto como um condicionamento do partido, tendo também nas suas mãos o calendário interno. O conselho nacional para …

Varandas quer vender já em janeiro (e há três nomes em cima da mesa)

O Sporting deverá vender um jogador já no próximo mercado de transferências em janeiro. O dinheiro será destinado a renovações e a trazer um novo reforço para o ataque. Frederico Varandas continua a sua saga para …

Médicos, enfermeiros e professores lamentam recondução de ministros

Médicos, enfermeiros e professores lamentaram a recondução de ministros na pasta da Saúde, Educação e das Finanças, reagindo assim à constituição do novo Governo entregue em Belém pelo primeiro-ministro indigitado, António Costa. O secretário-geral do …

"Batalha campal" na Catalunha: 40 mil pessoas nas ruas, 50 detidos e mais de 100 feridos

Pelo menos 51 pessoas foram detidas e 70 polícias ficaram feridos desde o início dos atos de violência que começaram na segunda-feira na região espanhola da Catalunha após a sentença que condenou políticos separatistas catalães …

Kristalina Georgieva exige maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional exigiu esta terça-feira, nos Encontros Anuais, uma maior inclusão de mulheres nos mercados de trabalho, dizendo que quando um país ignora "parte das suas capacidades" enfraquece o desempenho económico. Kristalina …