Matemático recebeu 600 mil euros por resolver problema com 300 anos

O matemático Andrew Wiles recebeu na semana passada o prémio Abel por ter conseguido resolver um dos problemas matemáticos mais difíceis de sempre.

Corria o ano de 1993 quando o britânico Andrew Wiles decidiu explicar as conclusões do estudo de sete anos sobre a sua obsessão com o “último teorema de Fermat” na Universidade de Cambridge.

Quando, no final da apresentação, o matemático escreveu os resultados no quadro, os cerca de 200 investigadores que se encontravam na sala mantiveram-se num silêncio ensurdecedor.

De repente, explodiram numa esmagadora salva de palmas porque o britânico tinha finalmente conseguido resolver um problema matemático com cerca de 300 anos.

Desde então, o trabalho de Wiles sofreu algumas mudanças – sobretudo depois de um erro encontrado em 1994 – mas, essencialmente, conseguiu provar uma das teorias matemáticas mais antigas do mundo.

Agora, mais de vinte anos passados desde a sua primeira apresentação, Wiles foi agraciado com o prestigioso prémio Abel, uma espécie de prémio Nobel da matemática.

Além da honra e do reconhecimento do prémio, entregue pela Academia Norueguesa de Ciências e Letras, o britânico, agora com 62 anos, recebeu ainda seis milhões de coroas norueguesas, cerca de 635 mil euros.

Comprovação

O teorema matemático em causa, que afirma que xn+yn = zn, foi proposto por Pierre de Fermat em 1637.

Esta equação não tem uma solução em números inteiros para situações em que n seja igual ou maior do que 3. Por outras palavras, n nunca pode ser superior a 2 para a equação funcionar.

Este é um problema que pode parecer bastante simples, mas a prova definitiva da teoria desafiou matemáticos ao longo dos últimos séculos.

Desde que encontrou o teorema num livro, quando tinha apenas dez anos de idade, este problema matemático ficou preso na mente de Wiles, acabando por se tornar numa paixão ao longo da vida.

“Este problema cativou-me por completo. Era o mais famoso e popular problema da matemática, embora eu não soubesse disso na altura”, contou o matemático ao jornal britânico The Guardian.

“O que me surpreendeu foi o facto de existirem alguns problemas não resolvidos que alguém com dez anos de idade podia entender e até mesmo tentar resolver. E eu tentei ao longo da minha adolescência”.

“Quando fui para a faculdade eu pensei que tinha finalmente encontrado uma prova, mas afinal estava errado”, recorda.

Além de ter sido certamente um peso que saiu da consciência de Wiles, o seu trabalho tem sido amplamente descrito como um marco no desenvolvimento da matemática.

A própria comissão norueguesa que atribui o prémio afirma que foram poucos os resultados “com uma história matemática tão rica e uma prova tão dramática como o Último Teorema de Fermat“, acrescentando que o seu trabalho abriu uma nova era de teoria dos números.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

RESPONDER

A "Chernobyl flutuante" chegou finalmente à sua base na Rússia

A central nuclear flutuante Akadémik Lomonósov, a única deste tipo em todo o mundo, chegou, no fim de semana passado, ao porto de Pevek, na região oriental de Chukotka, no extremo norte da Rússia, onde …

A Terra tem um terceiro pólo (e está a derreter)

https://vimeo.com/360314209 Situado na plataforma tibetana a 6740 metros de acima do nível do mar, os glaciares no sopé da cadeia montanhosa Meili já perderam um quarto do gelo desde 1970 - e o pior está para …

Sinéad O’Connor acusa Prince de ter “batido em várias mulheres” e de a ter tentado agredir

A cantora Sinéad O’Connor fez revelações duras sobre Prince no programa da estação televisiva britânica ITV, Good Morning Britain. Segundo a cantora e compositora irlandesa, o músico Prince, que morreu em 2016 por overdose, terá agredido …

Ex-funcionária da Google alerta para a produção de robôs assassinos que podem despoletar uma guerra

A Google pediu a Laura Nolan para reforçar os drones militares dos EUA. Recusou e demitiu-se. Agora, alerta para o perigo destas armas que podem originar uma guerra. Cerca de um ano depois de se ter …

Boris Johnson comparou o Reino Unido ao Hulk (e ele não gostou)

Há 12 anos que o ator Mark Ruffalo encarna Hulk, uma das mais célebres personagens da Marvel, no cinema. Agora, decidiu pronunciar-se sobre o Brexit, depois de Boris Johnson ter evocado Hulk. Para o primeiro-ministro, o …

Família encontrou mais de 2.200 fetos preservados em casa de médico norte-americano

Uma família encontrou mais de 2.200 fetos preservados na casa de um médico norte-americano que morreu no início deste mês. O The Guardian avançou este domingo que uma família encontrou 2.246 fetos preservados em casa de …

Mais plástico e menos peixe. Explorador britânico teme pelo mar português

Farto de ver cada vez mais plástico e menos peixe no oceano, o veterano explorador e documentarista britânico Paul Rose defende que Portugal deve criar mais áreas marinhas protegidas. Paul Rose, que mergulha desde os anos …

Há 10 anos, Banksy pintou chimpanzés no Parlamento inglês. Agora, o quadro vai a leilão

Em 2009, o artista de rua conhecido como Banksy pintou uma enorme tela a óleo do parlamento inglês, mas em vez de deputados os tribunos eram chimpanzés. Banksy pintou o quadro, com quatro metros de comprimento, …

Tempestade em Espanha derrubou palmeira que era Património da Humanidade

A queda de "La Centinela", a árvore mais alta do conjunto que a Unesco classificou como Património da Humanidade desde 2000, está entre os danos materiais causados pela passagem da "gota fria" - um fenómeno …

Dador de esperma teve 12 filhos com autismo (e foi processado)

Danielle Rizzo tem dois filhos autistas, um com seis anos e outro com sete. Ambos foram concebidos com recurso a um dador anónimo. Há três anos, Rizzo descobriu que estes fazem parte de uma "família" …