BPP apresenta novas provas de alegado desvio de 11,6 milhões. João Rendeiro é um dos acusados

Tiago Petinga / Lusa

O ex-presidente do BPP, João Rendeiro

O Banco Privado Português alega que tem novas provas sobre como é que 11,6 milhões de euros do banco foram parar à esfera pessoal de João Rendeiro, Salvador Fezas Vital, António Guichard Alves e Fernando Lima, antigos administradores que estão a ser julgados.

Como avança o Público esta segunda-feira, o Ministério Público refere que as provas apresentadas pelo BPP devem ser aceites porque não conferem uma alteração substancial dos factos, ou seja, não resultam em mais crimes para os arguidos nem num aumento das sanções a aplicar. Segundo o MP, apenas alteram a factualidade das ações que lhes são imputadas.

Os advogados dos arguidos alegam ilegalidades na obtenção das provas e sustentam que o banco não tem legitimidade para fazer investigações privadas, com o julgamento já quase a chegar ao fim.

Contudo, o BPP decidiu fazer uma análise ao sistema informático do banco e alega no seu requerimento que encontrou provas de que alguém mexeu no sistema e inseriu, em 2008, dados referentes a movimentos de 2002 e 2005.

As novas provas dão uma nova versão à forma como o dinheiro saiu do BPP, alegando que os 11,6 milhões de euros saíram do banco, diretamente para a esfera dos arguidos em Outubro de 2007.

Perante a nova descrição, o MP vem assumir que, a confirmarem-se, as novas provas são suscetíveis de colocarem em causa a descrição dos factos constante da acusação relativamente à forma como os 11,6 milhões chegaram à posse dos arguidos ou seja, à sua origem.

Ainda assim, entende que não configuram uma alteração substancial dos factos e que se mantém a imputação de um crime fiscal, uma vez que no entender da acusação os valores obtidos com aquele negócio não foram declarados à autoridade tributária pelos arguidos. Quanto ao crime de abuso de confiança, sai reforçado com as novas provas, entende o MP.

Os crimes em causa não são alterados porque, mesmo que se provassem as alterações no sistema informático, estes factos ocorreram em 2008, portanto já estão prescritos.

De acordo com o Público, os advogados de João Rendeiro, Salvador Fezas Vital, António Guichard Alves e Fernando Lima alegam que, “encontrando-se o processo criminal já na fase de julgamento, em caso algum se admitem investigações paralelas privadas, feitas na sombra, com desconhecimento e à revelia dos demais sujeitos processuais”, sobretudo do tribunal.

Segundo a resposta ao requerimento do BPP, à qual o jornal Público teve acesso, os advogados consideram que é ao MP, e não a uma entidade privada como é o assistente, que compete promover a investigação criminal.

Argumentam ainda que os documentos que o BPP agora apresenta encontram-se na sua posse e disponibilidade desde sempre, nomeadamente, durante os mais de 10 anos que o presente processo conta – recorde-se que este processo entronca noutro, aberto logo em 2008.

Além disso, os advogados defendem que o banco ao promover uma investigação privada violou o dever do sigilo bancário.

Cabe a agora ao coletivo de juízes decidir se vai ou não aceitar as novas provas apresentadas.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. E quem são os outros? Mas alguém acredita que os presidentes dos bancos agiram sozinhos? Alguém acredita que os presidentes dos bancos como BES, BPN e BPP, ninguém sabia de nada como se fosse possível um homem só levar bancos há falência, porque será que a justiça “deixa fugas sobre investigação só de alguns e de outros nem um sopro assim como os jornalistas ditos de investigação só investigam uns e dos restantes nem uma palavra

  2. Caro Gaspar, entendo a frustração de não os apanhar a todos. Não entendo é o repudio por os ir apanhando. Se este senhor faz parte do leque, devia era estar contente por o terem apanhado.

RESPONDER

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …

Ensino Superior. Vagas voltam a aumentar com Porto, Lisboa e Aveiro na frente

O concurso nacional de acesso ao ensino superior volta a registar um aumento do número de vagas, segundo dados divulgados este sábado, que mostram Lisboa, Porto e Aveiro com o maior crescimento. Depois de, no ano …

Os pterossauros conseguiam voar assim que eclodiam dos ovos

Os pterossauros tinham asas suficientemente longas e ossos suficientemente fortes para conseguirem sustentar o voo depois de eclodirem. Uma equipa de cientistas da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, descobriu que os pterossauros recém-nascidos seriam capazes …

Madeira começa hoje a vacinar jovens a partir dos 12 anos. Açores não vacinam crianças "para já"

A Madeira começa este sábado a vacinar contra a covid-19 jovens a partir dos 12 anos, numa altura em que mais de metade da população adulta residente no arquipélago já está inoculada com a segunda …

Prisão Olímpica. Atletas infetados com Covid-19 denunciam más condições em Tóquio

Atletas que testem positivo à Covid-19 ficam são automaticamente afastados da competição e têm de cumprir uma quarentena de 14 dias fora da aldeia olímpica. Com o número de infetados a subir, atletas temem efeito …

António Costa garante combate à crise sem austeridade

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta sexta-feira que a resposta à crise económica provocada pela pandemia de covid-19 será feita sem austeridade, e com solidariedade, prometendo “apoio aos rendimentos, ao emprego e às empresas”. “Passado ano …