Borrachas “Orelha de Van Gogh” e kits de emergência psicológica. Galeria acusada de explorar saúde mental

Van Gogh Museum / wikimedia

Auto-Retrato de Vincent Van Gogh

Galeria de arte já retirou de venda alguns artigos de venda, tanto na loja física como online. 

Uma galeria de arte londrina decidiu tirar de venda alguns dos artigos alusivos com Vicent Van Gogh da sua loja de lembranças, depois de estes terem sido considerados insensíveis e pouco úteis na valorização da causa da saúde mental.

O espaço em causa é a Caurtauld Gallery, que pode ser visitada na Somerset House, e tem atualmente em exibição a exposição “Van Gogh. Self-portraits”.

A polémica começou há alguns dias e tem como foco alguns dos artigos na loja física da galeria, mas também na loja online, nomeadamente uma borracha com a forma de uma orelha, o que parece ser uma referência aos relatos de que o pintor cortou a sua durante um dos seus surtos.

Depois deste acontecimento, o pintor holandês passou um ano no hospital de Saint-Paul de Mausole, em França.

Apesar de não haver certezas, são muitas as biografias que abordam os problemas mentais de Van Gogh, que em 1890, com 37 anos, acabou por pôr termo à sua vida.

Na segunda-feira, num comunicado, a galeria abordou algumas das acusações que lhe são dirigidas, reconhecendo as “preocupações levantadas em relação a um pequeno número de artigos disponíveis nas lojas físicas e online”.

“A The Courtauld encara com a saúde mental com extrema seriedade. Nunca foi nossa intenção apresentar uma atitude insensível ou desvalorizadora em relação à saúde mental ao comercializar estes produtos”, pode ler-se no documento.

“Os artigos em questão formam uma pequena fração dos disponíveis como parte da exibição. Como resposta às preocupações demonstradas, os artigos deixarão de ser vendidos nas nossas lojas.”

A galeria não detalhou que artigos iriam ser retirados, mas, de acordo com a CNN, a referida borracha já não se encontra disponível na loja online.

De acordo com o Mail on Sunday, outro dos artigos vendidos na exposição consistia numa barra de sabão descrita como ideal para “o artista torturado que gosta de bolhas fofas”, assim como um “kit de primeiros socorros emocionais” para “20 situações psicológicas chave” – que ainda se encontra disponível.

“Este caso parece ser um pequeno mas claro exemplo do cinismo e comercialismo que tem vindo a afetar o cenário da arte moderna, já que a saúde e as doenças mentais são tratadas como uma piada ou uma novidade, o que não são”, descreveu Charles Thomson, cofundador do movimento de arte Stuckist.

O artista afirmou ainda que a escala de “insensibilidade” dos artigos é um reflexo da atitude dos círculos artísticos, onde as “pessoas querem ser espertas e modernas à custa de ter dignidade na arte”.

Charles Thomson entende ainda que o incidente “diz muito” sobre a atitude atual da sociedade em relação à saúde mental e às suas consequências. “Ainda não levamos o assunto a sério.”

David Lee, crítico de arte e editor da revista Jackdaw, afirmou ao Mail On Sunday não conseguir acreditar que o incidente “não se trata de uma tentativa falhada de alguém do departamento do marketing desprovido de qualquer tipo de gosto”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.