Boris terá ponderado “injetar-se com o coronavírus em direto na televisão”

number10gov / Flickr

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

O ex-assessor de Boris Johnson afirmou, esta quarta-feira, no Parlamento, que o primeiro-ministro britânico chegou a considerar injetar-se com o novo coronavírus, em direto, na televisão, para mostrar que não havia nada a temer. 

“Em fevereiro, o primeiro-ministro via isto como uma história de pânico. Descreveu isto como a nova gripe suína. A visão de vários agentes do número 10 de Downing Street era que, se o primeiro-ministro presidisse às reuniões COBRA [Comissão para as Contingências Civis] e dissesse a toda a gente ‘Isto é como a gripe suína, não se preocupem. Vou pedir ao Chris Whitty [Conselheiro Médico do Governo] para me injetar, em direto, na televisão, com o coronavírus para que todos percebam que não há nada a temer’, isso não ajudaria num planeamento sério”, afirmou Dominic Cummings aos deputados.

Durante uma audição de mais de sete horas com deputados das comissões parlamentares de Saúde e Ciência, o ex-assessor do chefe do Executivo disse que “é completamente absurdo que Johnson seja primeiro-ministro”.



Cummings, que cessou funções em novembro, lançou duras críticas ao Governo, descrevendo-o como “leões liderados por burros”, e disse que o secretário de Estado da Saúde, Matt Hancock, deveria ter sido demitido por mentir.

“O secretário de Estado da Saúde deveria ter sido demitido por pelo menos 15 a 20 coisas, incluindo mentir em várias ocasiões em reunião após reunião no Conselho de Ministros e publicamente. Disse repetidamente ao primeiro-ministro que deveria ser despedido.”

Porém, alegou Cummings, Johnson respondeu que iria manter o ministro “porque ele é a pessoa que será despedida quando acontecer o inquérito” público à gestão do Executivo sobre a pandemia.

Sobre o segundo confinamento, em novembro, o ex-assessor alega que Boris resistiu às recomendações dos cientistas para avançar em setembro e confirmou que o ouviu dizer que preferia ver “corpos empilharem-se aos milhares”, como noticiou a BBC.

“Ouvi isso no escritório do primeiro-ministro”, afirmou, dizendo ainda: “Essencialmente, eu considerava que ele era inadequado para as funções e estava a tentar criar uma estrutura em torno dele para tentar parar o que eu pensava que eram decisões extremamente más e empurrar outras coisas contra a sua vontade”.

Cummings também pediu desculpas pelos seus próprios “erros” e lamentou que tenham morrido “dezenas de milhares de pessoas que não precisavam de ter morrido”.

Boris garante que tentou “minimizar a perda de vidas”

Na sessão semanal de perguntas ao primeiro-ministro na Câmara dos Comuns, Boris Johnson aproveitou para responder a estas revelações devastadoras.

“Gerir a pandemia foi uma das coisas mais difíceis que este país teve de fazer” e “nenhuma decisão foi fácil”, respondeu o primeiro-ministro, quando questionado pelo líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, sobre as críticas do ex-assessor.

“Ficar em confinamento foi traumático para este país, lidar com uma pandemia desta dimensão tem sido tremendamente difícil e, em todos os momentos, tentámos minimizar a perda de vidas”, acrescentou.

Instado pelo líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) no Parlamento, Ian Blackford, a pedir desculpa e assumir os erros cometidos pelo Governo, Boris Johnson acedeu.

Assumo total responsabilidade por tudo o que aconteceu. Lamento sinceramente o sofrimento que o povo deste país viveu. Mas o Governo sempre agiu com o intuito de salvar vidas, proteger o NHS [serviço público de saúde] e de acordo com os melhores pareceres científicos”, vincou.

Johnson negou ter minimizado a dimensão da crise sanitária no início ou ter sido “complacente” e desmentiu que o anterior chefe dos serviços civis, Mark Sedwill, lhe tivesse manifestado falta de confiança no ministro da Saúde.

Cummings foi considerado o arquiteto da campanha que resultou na saída do Reino Unido da União Europeia e o autor do slogan “Get Brexit Done”, que garantiu uma maioria absoluta nas eleições de dezembro.

Tornou-se depois o assessor com mais poder dentro do Executivo, decidindo muitas vezes quem tinha acesso ao primeiro-ministro, marginalizando deputados e até outros membros do próprio Governo.

Porém, ficou enfraquecido quando foi tornado público que tinha conduzido centenas de quilómetros até ao norte de Inglaterra após contrair covid-19, violando as regras de confinamento nacional.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Principais indicadores da crise climática estão a atingir "ponto de inflexão", revela estudo

Um novo estudo sobre os sinais vitais do planeta revelou que muitos dos principais indicadores da crise climática estão a piorar e a aproximar-se ou ultrapassar os pontos de inflexão, à medida que as temperaturas …

Biden acusa a Rússia de tentar intervir nas eleições de 2022 para o Congresso

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, acusou na terça-feira o seu homólogo russo, Vladimir Putin, de tentar interferir nas eleições para o Congresso de 2022, espalhando "desinformação". "Veja o que a Rússia já está …

Polícias rejeitam proposta do MAI para o subsídio de risco e prometem novos protestos

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR rejeitaram, esta quarta-feira, a proposta apresentada pelo Governo para o subsídio de risco e prometem novos protestos até que seja atribuído "um valor justo". "Saímos completamente …

Desta vez, van Vleuten ganhou mesmo (aos 38 anos)

Ficou para trás o episódio caricato do último domingo. Annemiek van Vleuten é a nova campeã olímpica de ciclismo, contrarrelógio. Annemiek van Vleuten iria ficar ligada a um dos momentos mais insólitos, ou mesmo o mais …

Bruxelas assegura aquisição de medicamento para tratamento precoce da covid-19

A Comissão Europeia anunciou, esta quarta-feira, um contrato de aquisição conjunta com a farmacêutica GlaxoSmithKline (GSK) para a compra do sotrovimab, um medicamento destinado ao tratamento precoce da covid-19, cuja utilização está a ser analisada …

Vacinados escapam às restrições da "lista âmbar" britânica

Pessoas vacinadas contra a covid-19 que viagem a partir dos Estados Unidos (EUA) ou da União Europeia (UE) podem evitar a quarentena caso venham de um país da "lista âmbar" britânica, onde está Portugal. Segundo o …

Equador retira nacionalidade ao fundador da Wikileaks, Julian Assange

O governo equatoriano revogou a decisão de 2018 devido a incongruências burocráticas. O advogado de Assange já disse que vai recorrer e que a decisão foi tomada sem o fundador da Wikileaks ser ouvido. O Equador …

Os primeiros resultados dos Censos: Portugal perdeu população pela primeira vez desde 1970

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou, esta quarta-feira, os primeiros resultados dos Censos 2021, cujas respostas por via digital ultrapassaram os 99%. Portugal tem hoje 10.347.892 residentes, menos 214.286 do que em 2011, segundos os …

Portugueses esperam quase até aos 40 para comprar casa

Um barómetro que avalia a preferência dos consumidores na hora de comprar um imóvel indica que a maioria dos portugueses só liquida o crédito à habitação após a reforma. O indicador destaca ainda que os portugueses …

Moedas fecha lista para a Câmara de Lisboa

O candidato à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, já fechou a equipa que o vai acompanhar nas próximas autárquicas. O anúncio de que a lista de Carlos Moedas para a Câmara de Lisboa está fechada será …