A bondade não compensa (quem é simpático corre mais riscos de bancarrota)

As pessoas mais afáveis, com personalidades generosas e cordiais, tendem a sair-se pior financeiramente do que as que são menos “boazinhas”, concluiu um novo estudo das Universidades de Columbia (EUA) e College London (Reino Unido).

Os investigadores pretendiam “entender se ter uma personalidade agradável e bondosa” estaria “relacionado com resultados financeiros negativos”, como explica a autora que liderou o estudo, Sandra Matz, da Columbia Business School, num comunicado divulgado pela Associação Americana de Psicologia.

Pesquisas anteriores já tinham sugerido que a afabilidade está associada a uma menor pontuação de crédito e rendimentos. Os autores da nova investigação queriam aferir “se essa associação se aplicava a outros indicadores financeiros e, em caso afirmativo, entender melhor porque é que os “bonzinhos” parecem dar-se mal“, destaca Sandra Matz.

Nos últimos anos, os estudos em psicologia têm-se interessado, com especial atenção, pelos cinco principais traços da personalidade humana – a afabilidade ou amabilidade, o neuroticismo, a abertura a experiências, a conscienciosidade e a extroversão – e pelos resultados práticos que podem prever.

As pessoas com mais neuroticismo (a tendência a experimentar emoções negativas, como raiva, ansiedade ou depressão) parecem ser menos felizes, enquanto as pessoas mais conscientes são, geralmente, mais saudáveis e economizam mais dinheiro.

No novo estudo que foi publicado no Journal of Personality and Social Psychology, a equipa de investigação analisou dados de várias fontes diferentes, incluindo pesquisas e questionários nacionais, indicadores do Governo e de contas bancárias, bem como de questionários online. Procurou depois, estabelecer correlações entre os cinco principais traços de personalidade e a saúde financeira ao longo dos anos.

A afabilidade foi a única característica significativamente correlacionada com as finanças em todas as fontes de dados.

Numa das experiências, os investigadores seguiram pessoas durante 25 anos desde a infância, e descobriram que as mais bondosas no início da vida eram mais propensas a ter problemas financeiros mais tarde.

Isto sugere que, havendo uma relação de causa, mais afabilidade é que deve causar problemas financeiros e não o contrário.

Entre os adultos, a afabilidade também foi relacionada com uma série de resultados financeiros menos desejáveis. Por exemplo, um estudo descobriu que as pessoas particularmente bondosas têm um risco 50% maior de declarar falência.

Porquê?

Não é que as pessoas afáveis sejam menos espertas ou menos capazes de ganhar dinheiro. Elas parecem, simplesmente, importar-se menos com isso. E, como resultado, podem não lidar muito bem com o dinheiro.

“Descobrimos que a afabilidade estava associada a indicadores de dificuldades financeiras, incluindo menor poupança, maior endividamento e maiores taxas de inadimplência”, ou seja, incumprimento, como destaca outro autor do estudo,  Joe Gladstone, da University College London.

“Essa relação parece ser impulsionada pelo facto de as pessoas bondosas, simplesmente, se importarem menos com dinheiro e, portanto, de correrem maior risco de má administração financeira”, acrescenta Joe Gladstone.

Mas fique tranquilo – ser bonzinho não prevê uma pior condição financeira para todo o sempre. Embora possa dificultar as coisas, particularmente para pessoas com salários mais baixos.

“Nem todas as pessoas simpáticas estão em risco igual de sofrer dificuldades financeiras”, frisa Joe Gladstone, salientando que “a relação é muito mais forte para indivíduos de baixa renda, que não têm meios financeiros para compensar o impacto negativo da sua personalidade agradável”, esclarece o investigador.

Os resultados de estudos como este podem parecer “preconceituosos” à primeira vista, mas, na verdade, podem acarretar algum bem na vida real. Podem, por exemplo, mostrar como ajudar as pessoas com este traço a economizarem dinheiro.

“Os nossos resultados ajudam a entender um factor potencial subjacente às dificuldades financeiras, o que pode ter sérias implicações para o bem-estar das pessoas”, constata Sandra Matz.

“Ser gentil e confiante tem custos financeiros, especialmente para aqueles que não têm meios para compensar a sua personalidade”, destaca a investigadora.

ZAP // Hypescience

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É claro que não podia compensar… as atitudes de generosidade, partilha, solidariedade, são a antítese daquilo que nos tentam vender como modernidade: egoísmo, ganância, cupidez. O hedonismo, o salve-se quem puder, o “com o mal dos outros posso eu bem”. Tudo isso é contrário aos sentimentos de humanidade mas paga. Enfim a crença do capital no homem superior de Nietzsche… um e outro a mesma face da mesma moeda (nem sequer são o reverso)

  2. É uma vergonha publicarem notícias destas a incitar a não bondade. Efectivamente o demónio anda pelo mundo.
    Muito bem comentado Carlos.

    • “Efectivamente o demónio anda pelo mundo” É do demónio, satanás, céu, inferno, etc. – que as religiões e os corruptos querem que as pessoas falem, por isso quanto mais medo, ignorância/obscurantismo melhor… Não é o demónio que anda a destruir o planeta e a tornar os seres Humanos mais desumanizados, mas sim os próprios seres humanos sem escrúpulos, isto é, sem humanismo…

  3. É mais do que evidente que a moral humana tende a caminhar cada vez mais para o safe-se quem puder, hoje já se torna difícil poder acreditar na generosidade e bondade das pessoas assim como na seriedade das instituições, parece um campeonato do egoísmo em que o vencedor será o mais mauzinho possível, muitos esquecem-se de que amanhã poderão ser vítimas também ou simplesmente precisarem de uma mão amiga.

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …