Bitcoin ajudou a financiar ciberespionagem eleitoral da Rússia, acusam os EUA

A bitcoin terá ajudado a financiar o esquema de ciberespionagem nos Estados Unidos levado a cabo por 12 agentes russos durante as eleições presidenciais de 2016.

Segundo um relatório, apresentado esta sexta-feira pelo vice-procurador-geral dos Estados Unidos, Rod Rosenstein, no âmbito das investigações do procurador especial Robert Mueller à interferência de agentes russos no processo eleitoral dos EUA, a bitcoin ocupou um lugar central no financiamento do esquema de ciberespionagem nos EUA levado a cabo por 12 agentes russos durante as eleições presidenciais de 2016.

Na acusação contra os serviços secretos militares da Rússia (GRU), lê-se que “para evitar deteção, os atacantes usaram uma rede de computadores em todo o mundo, incluindo nos EUA, e pagaram por esta infra-estrutura com criptomoedas“.

O uso da bitcoin, a moeda mais usada para comprar servidores, registar domínios, entre outras operações, possibilitou aos atacantes “evitar uma relação tradicional com as instituições financeiras, permitindo-lhes escapar ao escrutínio sobre a sua identidade e fundos”.

Em 2016, as transações passaram despercebidas, mas o seu registo acabou por ajudar a identificar os responsáveis. De acordo com o jornal Público, os 12 agentes russos terão realizado transações no valor de cerca de 95 mil dólares americanos, em bitcoins, sem levantar suspeitas.

As transações ficam registadas na blockchain, a base de dados descentralizada em que assenta a bitcoin, mas as identidades são ocultadas através de identificadores alfanuméricos.

No entanto, explica o jornal, os espiões russos terão ido ainda mais longe ao usar centenas de emails diferentes, associados a identidades fabricadas, para registar as transações. Segundo o relatório, “por vezes, como parte do processo de pagamento”, os atacantes “forneciam os vendedores com moradas absurdas como ‘usa Denver AZ’ ou ‘gfhgh ghfhgfh fdgfdg WA'”.

Mas, apesar do carácter anónimo da bitcoin, os 12 agentes russos foram detetados a utilizar os mesmos computadores nos quais realizam as transações com bitcoins para levar a cabo os ataques, informam as autoridades norte-americanas. A maioria vinha sob a forma de ataque de phishing, em que emails com vírus foram enviados aos membros da campanha de Hillary Clinton para lhes roubar o acesso às contas.

Além disso, o relatório apresentado esta sexta-feira nota ainda que os serviços militares secretos russos também criaram parte das criptomoedas que utilizaram para pagar infra-estrutura utilizada nos ciberataques.

Este relatório é uma prova de que a bitcoin pode mesmo ser utilizada em operações de lavagem de dinheiro e manipulação política. Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, diz ser preciso travar “o lado negro” das criptomoedas.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …

Fair-play financeiro. UEFA mantém restrições ao FC Porto

A UEFA informou, esta sexta-feira, que o FC Porto "cumpriu parcialmente as metas estabelecidas para a época 2019/20" a nível do fair-play financeiro e que vai manter as restrições impostas ao clube azul e branco. "O …

Procuradora-geral de Nova Iorque quer dissolver NRA após investigação de fraude

A procuradora-geral de Nova Iorque anunciou, esta quinta-feira, ter movido um processo judicial contra a National Rifle Association (NRA), depois de uma investigação que mostra que os seus dirigentes desviaram milhões de dólares para benefício …