Entre sorrisos e avisos sobre a Irlanda do Norte, Biden chuta para canto acordo comercial com o Reino Unido pós-Brexit

Al Drago / EPA / POOL EPA/Al Drago / POOL

Boris Johnson e Joe Biden

Um possível acordo comercial, a fronteira entre as duas Irlandas, a retirada do Afeganistão e as alterações climáticas foram alguns dos temas em cima da mesa na recepção a Boris Johnson na Casa Branca.

Foi um dos trunfos usados pelos defensores do Brexit durante a campanha antes do referendo, incluindo pelo próprio Boris Johnson, mas por enquanto ainda está na gaveta. Durante a visita do primeiro-ministro britânico à Casa Branca, Joe Biden não se comprometeu a assinar um acordo comercial com o Reino Unido pós-Brexit.

“Hoje vamos falar um bocadinho sobre comércio e vamos ter de trabalhar nisso”, respondeu Biden às questões dos jornalistas antes da reunião de 90 minutos entre os dois líderes, no seguimento da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O actual presidente foi mais parco nas palavras do que Barack Obama, que tinha Biden como vice, quando este afirmou que o Reino Unido teria de voltar “para o fim da fila” nas negociações para o comércio depois do Brexit. No entanto, Biden não fechou a porta a essa possibilidade.

Já Boris Johnson referiu que o acordo é uma prioridade para Downing Street e prometeu que os países “estão a avançar o mais rápido que podem” para chegarem a um consenso, mas realça que os “americanos negoceiam de forma muito dura”.

O primeiro-ministro também não pôde garantir que o acordo seja assinado antes das próximas legislativas no Reino Unido, em 2024.

“A administração Biden não anda a fazer acordos de comércio livre por todo o mundo de momento, mas tenho toda a confiança de que há um óptimo acordo a ser feito e há muitas pessoas naquele edifício que certamente querem um acordo”, afirmou.

Johnson realçou também o progresso já feito na decisão dos EUA de acabar com a proibição da importação de carne de vaca britânica e espera que uma medida semelhante seja aplicada à carne de cordeiro.

Recorde-se que o Reino Unido anda, desde o voto do Brexit em 2016, em busca de novos parceiros comerciais, depois de ter saído do mercado único da União Europeia, sob a promessa dos brexiteers de que o país assinaria acordos mais vantajosos fora da UE. Os EUA são um dos parceiros mais atractivos para os britânicos.

À Sky News, o Secretário do Ambiente revelou que ainda há “esperança de criar um acordo com os Estados Unidos”, mas que o executivo conservador “não está a definir prazos”. “Apenas não é uma prioridade para a administração dos EUA”, acrescentou.

Perante a pouca abertura de Washington, o executivo inglês já está a pensar em alternativas para acelerar o processo e está a ponderar passar a integrar o USMCA, um acordo comercial criado por Donald Trump para substituir o anterior NAFTA, que define as relações entre os EUA, o Canadá e o México.

Segundo revela uma fonte próxima do governo à BBC, “há muitas maneiras diferentes” do Reino Unido entrar no USMA e que a única dúvida é “saber se a administração dos EUA está pronta”. “A bola está do lado dos EUA. São precisos dois para dançar o tango”, referiu.

Biden deixa aviso sobre a Irlanda do Norte

Uma das outras consequências do Brexit mais importantes foi a preocupação que a criação de uma fronteira entre a Irlanda do Norte, que pertence ao Reino Unido, e a República Irlanda, membro da UE, voltasse a reacender o conflito pelo território, que muitos irlandeses defendem que deve ser integrado na República.

O chefe de Estado norte-americano mostrou-se também preocupado com a situação e lembrou o envolvimento dos EUA nas negociações do Acordo de Belfast, também conhecido como Acordo de Sexta-Feira Santa, que colocou um fim ao conflito armado.

“Fizemos um enorme esforço e dedicamos muito tempo e foi um grande esforço bipartidário nos Estados Unidos”, recordou Biden, que é de ascendência irlandesa. “E eu não gostaria nada de ver, nem muitos dos meus colegas Republicanos, uma mudança nos acordos irlandeses que resultassem numa fronteira fechada na Irlanda”, alertou.

O líder britânico concordou e disse que ninguém quer mexer no Acordo de Sexta-Feira Santa ou colocar em causa a estabilidade na fronteira, depois do protocolo assinado com a União Europeia ter levado a mais verificações nos bens trocados, o que tem provocado protestos e apelos a que seja revertido.

O Reino Unido quer por isto uma renegociação fundamental do protocolo, mas a União Europeia não está aberta a essa possibilidade, mostrando-se apenas disposta a torná-lo mais flexível.

Para além do comércio e da fronteira na Irlanda, a reunião abordou também a retirada das tropas no Afeganistão, as alterações climáticas e o novo acordo AUKUS assinado com a Austrália.

  Adriana Peixoto, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Ai-Da, a robô artista, foi detida no Egito antes da sua mais recente exposição

Ai-Da, a primeira robô artista ultrarrealista do mundo, foi detida pelas autoridades egípcias na alfândega por "questões de segurança". De acordo com o jornal The Guardian, está previsto que Ai-Da apresente o seu último trabalho na …

Albertina Museum, em Viena, na Áustria

Cansados de ver posts removidos por nudez, museus de Viena aderiram ao OnlyFans

Cansados de ver as obras de arte que partilhavam nas redes sociais removidas por serem demasiado "explícitas", vários museus austríacos decidiram abrir uma conta na plataforma mais liberal OnlyFans. No passado, tanto o Conselho de Turismo …

O pior desastre nuclear da história dos EUA pode ter sido fruto de uma brincadeira

O SL-1 era um reator nuclear experimental de baixa potência, localizado no Idaho, nos EUA, que tinha como objetivo fornecer energia a pequenas instalações militares remotas no início dos anos 1960. O reator acabou por ficar …

PJ deteve quarto suspeito da morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) deteve, ao final da tarde desta quinta-feira, um quarto suspeito da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Durante a tarde de hoje, em conferência …

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, e a ministra da Saúde, Marta Temido

Saúde, Trabalho e Cultura. As medidas aprovadas pelo Governo para facilitar a negociação do OE

Novo Estatuto do Serviço Nacional de Saúde, Agenda do Trabalho Digno e a versão final do Estatuto dos Profissionais da Cultura foram os grandes destaques da conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta …

Banido do Facebook, Donald Trump aposta na criação da sua própria rede social

Nova rede social deverá estar disponível a partir do início do próximo ano e é uma resposta do antigo presidente às empresas que o decidiram banir. O antigo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump anunciou o …

Um cigarro aceso

"Fumar mata." Deputados britânicos querem que o aviso seja impresso em cada cigarro

Para desencorajar os fumadores, os deputados britânicos querem imprimir o slogan "Fumar mata" em cada cigarro de um maço de tabaco. Deputados britânicos apresentaram, no Parlamento, uma emenda à Lei de Saúde e Cuidados de Saúde …

Ludogorets 0-1 Braga | Horta bracarense dá frutos cedo

O Sporting de Braga conseguiu um importante triunfo por 1-0 na deslocação ao terreno do Ludogorets, no Grupo F da Liga Europa. A formação lusa não quis perder tempo e marcou logo aos sete minutos, por …

PJ admite mais pessoas envolvidas na morte de jovem no metro das Laranjeiras

A Polícia Judiciária (PJ) admitiu, esta quinta-feira, que estejam mais pessoas envolvidas na morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa. Os dados foram avançados esta tarde, em conferência de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo continua a "desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o OE passar"

O Presidente da República afirmou, esta quinta-feira, que continua "a desejar e a esperar que haja uma possibilidade de o Orçamento passar" e considerou que os próximos dias, com reuniões partidárias até ao fim-de-semana, "são …