Bernie Ecclestone despedido pelos novos donos da F1

Ryan Bayona / wikimedia

Bernie Ecclestone

Bernie Ecclestone

O britânico Bernie Ecclestone confirmou esta segunda-feira que foi demitido do posto de chefe máximo da Fórmula 1, cargo que ocupou durante quatro décadas.

Já esta terça, em entrevista à BBC, o novo dirigente máximo da categoria, Chase Carey, não poupou críticas ao referir-se ao seu antecessor, que chegou mesmo a classificar de “um ditador durante muito tempo” pela forma como dirigiu a Fórmula 1.

Os novos proprietários da Fórmula 1 querem adicionar ao Mundial da categoria a disputa de uma prova a mais nos Estados Unidos, um circuito de rua, para aumentar no país a popularidade da elite do automobilismo, que nos últimos anos tem enfrentado grandes quedas de audiência – período em que continuava a ser liderada por Bernie Ecclestone.

É um grande desporto, mas claro que pode ser melhorado. Até certo ponto necessitamos de um novo ponto de partida. O que trazemos é um novo olhar. Temos uma outra ambição, que é tornar a F1 um desporto fantástico para os fãs”, ressaltou Carey.

Chase Carey é também o CEO do grupo Liberty Media, empresa norte-americana que investe em entretenimento e desporto, e que em setembro adquiriu a F1, num negócio de 7600 milhões de euros.

Carey vai acumular as funções de CEO e presidente da Fórmula 1 e, embora tenha acabado de assumir a função de líder máximo da elite do automobilismo, deixou as cautelas de lado ao analisar o longo trabalho de Bernie Ecclestone, de 86 anos de idade.

Segundo diz Carey numa outra entrevista, concedida esta terça-feira à agência de notícias Associated Press, o britânico comandava a F1 com um estilo “autocrático”. “Bernie tinha um estilo autocrático. Eu não sou assim”, sublinhou.

Para Carey, a Fórmula 1 ficou estagnada no passado, apesar das constantes mudanças de regulamentos e inovações tecnológicas nos últimos anos, com “eventos um pouco cansativos”. O presidente da F1 considera que Ecclestone não conseguiu acompanhar a evolução dos meios de comunicação, hoje altamente ampliada com o advento da internet.

Diego Azubel / EPA

Chase Carey, presidente da Fórmula 1 e CEO da Liberty Media

Chase Carey, presidente da Fórmula 1 e CEO da Liberty Media

Aposta nos EUA

Carey deixou claro que pretende não apenas maiores audiências na Fórmula 1, mas também enviou um recado aos organizadores das provas mais tradicionais do calendário:  terão que ser rentáveis para continuar a fazer parte do Mundial de F1.

Isso aplica-se por exemplo ao Grande Prémio de Inglaterra, disputado fora de uma zona urbana, em Silverstone, que terá de assegurar que pode gerar mais lucros para continuar a acolher uma prova do campeonato.

A Liberty Media, controlada pelo milionário John Malone, completou na última segunda-feira a aquisição da F1 ao fundo de investimentos CVC Capital Partners.

E conseguir um crescimento da categoria nos Estados Unidos é agora uma das prioridades da Liberty, proprietária da equipa de baseball Atlanta Braves, de grandes ligas desportivas e de investimentos em companhias de TV por cabo nos Estados Unidos.

Actualmente, a Fórmula 1 tem apenas com uma prova em solo norte-americano, em Austin, no Texas. O novo chefe da categoria e os seus proprietários querem incluir uma segunda prova no país, em algum grande centro urbano.

“Gostaria de acrescentar uma corrida nos Estados Unidos em algum local como Nova York, Los Angeles, Miami ou Las Vegas”, adianta Carey na entrevista à Associated Press.

PARTILHAR

RESPONDER

"Scolari segunda opção? É melhor ver isso do que ser cego"

Frase do treinador Lisca, que deu "muita risada" quando ouviu essa possibilidade. Lisca recusou 14 propostas para mudar de clube, no ano passado. O Cruzeiro andou à procura de treinador, tentou várias direções, mas foi ouvindo …

Covid-19 só explica 27,5% do acréscimo de mortalidade

As mortes por covid-19 em Portugal entre 02 de março e 18 de outubro representam apenas 27,5% do acréscimo da mortalidade registado relativamente à média dos últimos cinco anos, revelou esta sexta-feira o Instituto Nacional …

PCP desafia Governo a renacionalizar os CTT

O secretário-geral do PCP desafiou hoje o Governo a responder "à chantagem" do "grupo Champalimaud", retirar-lhe a concessão do serviço postal e renacionalizar os CTT. A proposta foi feita por Jerónimo de Sousa depois de estar …

"Covid persistente" atinge cerca de 20% dos curados (mas não recuperados)

Um novo estudo britânico indica que vários pacientes podem apresentar sintomas e sequelas durante vários meses, mesmo depois de testarem negativo. Os casos de “covid persistente” afetam maioritariamente mulheres e idosos. Há ainda muito por descobrir …

Acuña já é destaque em Espanha: "Não é bom nos 100 metros, mas..."

O ex-jogador do Sporting será uma referência para Lopetegui e já demonstrou um grande nível no jogo da Liga dos Campeões contra o Rennes. Marcos Acuña chegou a Sevilha há um mês e meio mas começa …

Portagens devem manter preços em 2021

Os preços das portagens nas autoestradas deverão voltar a manter-se em 2021, a confirmar-se a estimativa da taxa de inflação homóloga, sem habitação, de -0,18% em outubro, divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). A fórmula …

Governo estuda novo confinamento total nas duas primeiras semanas de dezembro

O Governo está a ponderar decretar um novo confinamento total da população portuguesa nas duas primeiras semanas de dezembro. A notícia foi avançada esta sexta-feira pela TVI e, entretanto, confirmada por outros órgãos de informação. O …

Pelo menos 140 pessoas afogam-se no naufrágio mais mortal de 2020

Pelo menos 140 migrantes morreram afogados ao largo da costa senegalesa depois de a embarcação em que seguiam se ter incendiado e naufragado, avançou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). O barco transportava 200 pessoas …

Nélson Évora terminou contrato com o Sporting

Nelson Évora, campeão olímpico do triplo salto nos Jogos Olímpicos Pequim2008, vai deixar o Sporting após o fim do contrato com o clube, no sábado, confirmou à "Lusa" fonte oficial do Sporting, esta sexta-feira. O atleta, …

Nova Zelândia aprova eutanásia. Mas rejeita legalização da marijuana

Os neozelandeses aprovaram a eutanásia voluntária, mas rejeitaram a legalização da marijuana para uso recreativo, em dois referendos realizados em 17 de outubro, anunciou esta sexta-feira a Comissão Eleitoral. Cerca de 65,2% dos neozelandeses votaram a …