/

Berardo admite chamar Constâncio para testemunhar a seu favor

3

Manuel de Almeida / Lusa

Joe Berardo colocou a hipótese de chamar Vítor Constâncio a testemunhar a seu favor no processo que a Banca lhe moveu. O ex-governador do BdP defende que a CGD deveria ter agido antes da queda das ações.

Depois das declarações de Vítor Constâncio a defenderem que a Caixa Geral de Depósitos “deveria ter tomado decisões antes de as ações terem começado a descer“, Joe Berardo parece ter encontrado um aliado para testemunhar a seu favor. Esta hipótese foi admitida por fonte oficial da Fundação José Berardo e surge no âmbito do processo que a banca moveu contra o próprio para recuperar 962 milhões de euros.

Constâncio não entende porque razão a Caixa não fez nada antes da queda das ações e diz que “essas decisões são da exclusiva responsabilidade dos órgão de gestão da Caixa”. As declarações foram feita durante o programa 360º da RTP3, na passada sexta-feira.

Em qualquer momento, a Caixa podia travar o empréstimo, apropriar-se das ações que estavam em penhor e vendê-las”, explicou o antigo governador do Banco de Portugal em entrevista ao DN/TSF.

A posição tomada por Constâncio foi criticada por Jorge Tomé, ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos. “Como é possível a um ex-governador do BdP vir dizer que o problema é do credor, e não é do mutuário?”, questionou Tomé, citado pelo jornal Público.

Obviamente, Berardo partilha da opinião de Constâncio e já o tinha dito durante a comissão parlamentar de inquérito. Segundo ele, a Caixa só perdeu dinheiro porque não executou as ações do BCP. Assim sendo, o madeirense admitiu “seriamente arrolar como testemunha o dr. Vítor Constâncio, o ex-governador do BdP”.

Berardo pode ter ainda outros trunfos na manga e, de acordo com o jornal ECO, pode ainda chamar a testemunhar outras personalidades com responsabilidade nos diversos eventos ocorridos em 2007″.

A CGD detinha 185 milhões de ações do BCP, que foram concedidas por Berardo como garantia do seu empréstimo de 350 milhões de euros. No entanto, estas ações começaram a entrar numa espiral descendente, perdendo continuamente o seu valor.

O ex-governador do Banco de Portugal regressou esta terça-feira à comissão de inquérito à gestão na CGD e está, neste momento, a explicar a sua versão dos acontecimentos que conduziriam ao crédito ruinoso de 350 milhões de euros a Berardo.

  ZAP //

3 Comments

  1. acho que sim.. que deve chamar constancio para o defender….. entao admite se que socrates e costa lhe pediram um favorzinho…e passados uns anitos , vem querer condena lo por bandido quando foram eles que lhe deram a corda toda para o efeito… va la constancio diz la que o berardo nao teve culpa nenhuma … que os culpados sao os outros…… aiai o marxismo no seu explendor, ja sem disfarce

  2. Resumindo, são todos culpados, o ex-gestor do bdP, o ex-gestor da CGD, Joe Berardo…andam todos a apontar o dedinho uns aos outros mas no final são todos culpados, aqui não há inocentes!

  3. Eles são todos amigos e todos iguais. A quadrilha é toda a mesma, passaram todos pela Caixa, pelo BP, pela associação de bancos está tudo enterrado até às orelhas. Como todos têm telhados de vidro, andam todos a ver se passam pelos pingos de chuva sem se molharem. Como disse o João Lourenço há dias, a brutal dívida de Angola serviu para criar fortunas às elites. Em Portugal foi a mesma coisa. E o que é que o Zé Povo, afinal quem vai pagar isto tudo, pode fazer com o seu voto?? Não me sabem dizer?? Pois, agora há liberdade….

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE