“O Benfica tinha mais um e estava a perder tempo, isso diz tudo”. Os casos que marcaram o clássico

25

Estela Silva / Lusa

Os portistas criticam a arbitragem e prometem continuar na luta pelo título. Já os benfiquistas celebram a vantagem confortável de seis pontos conquistada em casa dos eternos rivais.

O clássico entre Porto e Benfica, que ia decidir a liderança do campeonato, aqueceu ontem o Dragão. Tal como é costume quando os dragões e as águias se defrontam, o jogo não foi isento de polémicas.

A partida começou logo recheada de faltas e cartões amarelos e aos 27 minutos deu-se o lance que acabou por ditar o rumo do resto do jogo — a expulsão do médio portista Stephen Eustáquio por acumulação de amarelos.

Mesmo com menos um e com menos posse, o Porto tentou encostar os encarnados às cordas e o jogo até estava equilibrado, mas Rafa não desperdiçou a oportunidade de golo aos 72 minutos e acabou por carimbar a vitória benfiquista, após um rápido lance de contra-ataque iniciado por Neres.

O Benfica volta assim a vencer em casa dos rivais e que consolida-se no primeiro lugar da liga, alargando a vantagem sobre o Porto para seis pontos.

Porto queria expulsão de Bah

Os portistas recorreram à sua newsletter Dragões Diário para tecerem críticas à forma como João Pinheiro apitou o clássico.

“O resultado foi influenciado por erros do árbitro. Se nada há a apontar à expulsão de Eustáquio por acumulação de amarelos, a verdade é que o critério não se manteve quando estiveram em causa faltas de jogadores do Benfica que já estavam amarelados”, atiram os azuis e brancos.

Um dos lances que mais razões de queixa suscitou foi a falta de Alexander Bah sobre Otávio aos 41 minutos, que os portistas dizem que devia ter sido um segundo amarelo e originado a expulsão do dinamarquês.

“Durante quase três quartos do encontro, os lisboetas beneficiaram de uma vantagem numérica que só deveria ter existido em breves minutos“, critica o FC Porto.

O próprio Otávio criticou a decisão. “Eustáquio foi expulso com duas faltas. O árbitro teve esse critério e Bah também deveria ter sido expulso. Por isso, o treinador do Benfica tirou ao intervalo os três jogadores que tinham cartão. Lutámos até ao fim e merecíamos outro resultado. Temos de levantar a cabeça”, considera o portista.

Este não foi o único lance polémico de que os tripeiros se queixaram. Aos 23 minutos, Diogo Costa tentou iniciar um contra-ataque rápido, mas foi travado por Gonçalo Ramos. Os portistas queriam um amarelo para o avançado encarnado, mas o árbitro mandou seguir.

A falta sobre Otávio não foi a única cometida por Bah que os portistas acharam ser merecedora de uma expulsão. Aos 42 minutos, os dragões reclamaram uma falta para amarelo numa carga do lateral benfiquista contra Evanilson. No entanto, quem acabou por ser amarelado foi Cláudio Ramos, que estava no banco dos portistas e protestou contra a decisão de João Pinheiro.

“Estamos aqui para dar luta”

Apesar da derrota aumentar a distância para os rivais lisboetas, os portistas prometem continuar na luta pelo título. “Somos campeões. Lembrem-se: nos últimos 20 jogos, 11 vitórias, apenas três derrotas e seis empates. Vamos dar luta!“, escreveu Mehdi Taremi no Twitter.

“Faltam muitos jogos e ninguém aqui baixa a cabeça. Somos o FC Porto”, garante também Otávio.

Sérgio Conceição garante que a equipa não vai baixar os braços. “O campeonato não acabou, estamos na 10ª jornada. Já não fui campeão com sete pontos de vantagem, já fui campeão com sete pontos de atraso. Estamos aqui para dar luta. Nós vamos dar luta, vamos fazer tudo para ganhar este campeonato, porque merecemos, somos melhores”, afirma o treinador, que também acabou por ser expulso por protestos à arbitragem no final do jogo.

Ouvido pelo Record, o humorista e portista ferrenho Fernando Rocha acredita que a expulsão de Eustáquio “estragou e matou o jogo“. “A primeira falta do Eustáquio não era para amarelo, mas o árbitro tinha o dedo no gatilho para mostrar cartões ao FC Porto. Quando o Benfica tem mais um jogador e ainda está a perder tempo, isso diz tudo sobre o que foi este jogo”, atira.

O médico Fernando Póvoas também critica a arbitragem. “Um jogo entre duas grandes equipas até aos 27 minutos, quando a terceira equipa decidiu influenciar o resultado ao expulsar o Eustáquio. O primeiro amarelo é incrível, mas o FC Porto deu uma grande luta com dez e não é por acaso que o golo do Benfica foi em contra-ataque”, considera.

“O Benfica tem uma mão no troféu”

Do lado benfiquista, Roger Schidmt admite que teve dificuldades, mas mostra-se feliz por levar os três pontos para casa. “Estou muito feliz pela vitoria que foi muito importante. Era o nosso objetivo. Foi um jogo muito difícil e difícil de controlar na 1.º parte. Tivemos muitas bolas longas e não estivemos tão bem, mas melhoramos em alguns momentos”, afirma.

“Estou orgulhoso dos meus jogadores. Marcámos um golo e defendemos bem. Não conseguimos jogar o nosso jogo. Houve muitos livres, muitas bolas longas. Não foi um jogo bonito, mas o que importa é que ganhámos e merecemos ganhar”, remata.

O central António Silva acredita que a equipa segue sempre junta “com a mesma atitude e humildade”. Já Otamendi admite que foi “um jogo difícil, mas juntos atingimos o nosso objetivo”. “Se o Benfica ganhar, está tudo em ordem! Continuamos”, reage Enzo Fernández.

Ao Record, o ex-jogador António Simões elogia a performance das águias. “É o justo vencedor. O Benfica jogou com a sua folha limpa, com outro pormenor: o árbitro foi competente e teve coragem. Diria que o Benfica tem uma mão no troféu para ser campeão, mas só uma. Não tem tudo ainda”, revela.

“Não foi um grande jogo, mas um excelente resultado. Demasiadas faltas, cartões e os guarda-redes tiveram momentos muito altos. Há um elemento novo no campeonato português, chama-se Roger Schmidt. Trouxe rigor, organização e os jogadores perceberiam isso desde o primeiro momento. Está a ser uma surpresa o que está a fazer”, conclui o músico António Manuel Ribeiro.

  Adriana Peixoto, ZAP //

25 Comments

  1. Consultei a estatística publicada pelo portal”Zerozero”. Posse de bola: FCP, 30%, SLBV, 70%. Duvido que o SLB, em qualquer campo, incluindo o Caldas SC, tenha tido esta percentagem incrível de “posse”. Logo, os “boys” portistas descobriram uma nova nuance no futebol, ser possível “perder tempo” possuindo a bola. Até pode não ser um disparate, mas como é possível que a equipa que não tem bola fique a ver? Obviamente os “boys” portistas dirigem-se aos acéfalos que os seguem, desde o início do jogo que o FCP entregou a bola ao Benfica, ficou atrás e atacando através de “jogo direto”, aquilo que traduzo por pontapé para a frente e fé em deus. O FCP teve medo, sabia que não tem capacidade, no momento, de jogar “olhos nos olhos” com o seu adversário, optou por jogar como clube pequeno. O FCP só ganhou nas faltas, 19 contra 14, De resto, que oportunidades de golo criou o FCP? Só me lembro de uma, o mano-a-mano entre Taremi e Vlachodimos.
    Ganhar é agradável, mas não é tudo: O SLB deu uma banhada no FCP, o treinador alemão foi muito mais competente que o portista. mostrando que a equipa técnica e a estrutura sabiam ao que iam e estavam prontos. Tirar os três amarelados ao intervalo, demonstra o facto, um ou dois seriam expulsos na segunda parte. O alemão não precisou de ser corajoso, fez o que fez porque sabia o que a “casa” gasta. Resumindo: limpinho, limpinho, mesmo sem uma grande exibição, apenas competente.

    • A realidade é que enquanto foi 11 contra 11 o Porto foi claramente superior. Quando ficou 11 contra 10, o jogo ficou equilibrado. O número de oportunidades de golo ao longo do jogo foi igual e curiosamente o próprio golo do Benfica ocorreu num momento em que o Porto pressionava o Benfica, tanto é que foi um golo de contra-ataque. E o jogo acabou com o Porto, com 10 jogadores, a encostar por completo o Benfica às cordas. E eu nem sou de nenhum dos clubes. Sou do maior clube do mundo: SPORTING!
      PS: e o amigo não é verdadeiro. A posse de bola do Benfica (a jogar simplesmente para o lado e para trás) foi de 62% (e não esquecer que o Porto jogou 70 minutos com 10; o jogo com a compensação da primeira e segunda partes teve mais de 97 minutos). Remates: 10 Porto; 13 Benfica.
      Como o amigo sabe que a exibição foi de facto manca, teve de vir aqui vender algo que não existiu. E 11 para 11 houve muito mais Porto. Acho mesmo que por aqueles 25 minutos iniciais em que o Benfica tremeu por todos os lados, a vitória do Porto seria certa caso tivesse 11 jogadores até ao fim. Mas o Eustáquio é bem expulso. Duas entradas para amarelo.

      • E se ???
        Nem sequer vi o jogo, pelo que apenas posso falar do que vi.
        O jogador do Porto é em expulso. Isso faz parte do jogo.
        O benfica meteu uma batata na baliza adversária.
        Ainda subsite a dúvida se o guarda redes do porto não foi tirar uma bola de dentro da baliza.
        Disse o Pedro Guerra, que pessoalmente não aprecio muito, que nos últimos 22 jogos dos últimos 45 jogos entre benfica e porto que o benfica jogou com menos um.
        As estatísticas valem o que valem.
        A atitude dos portistas é sempre a mesma, nunca perdem por mérito e superioridade do adversário, depois queixam-se e inventam.

        • Mas o Sportinguista tem razão. Quando esteve 11 para 11 houve muito mais Porto que Benfica. E eu nem sou de um nem de outro.

        • Engraçado…não viu o jogo, talvez seja por isso a quantidade de disparates que aqui deixou. Eu só falo do que conheço. Não sou tolo!

          • Bestial, então o caro nunca falou de Afonso Henriques, ou conheceu-o? Claro que é tolo, também não vi o jogo, falo através da recolha de opiniões, depois faço a triagem das mesmas quase todas obtidas de individualidades exteriores ao SLB já que este clube foi escorraçado de tudo quanto é comunicação. Por exemplo, ontem ouvi um programa desportivo da TSF, onde todos os participantes são portistas conhecidos e respeitáveis e concordaram em coisas interessantes. Por exemplo, que não se sabia como seria 11 contra 11, só que não culparam o SLB pela imprudência de Eustáquio. Concordaram, que Bah não merecia ser expulso, ainda que o pudesse ter sido. Concordaram que o SLB “soube” jogar contra 10, que a equipa jogou com o facto desde os 27 minutos. Finalmente, concordaram que o SLB foi um justo vencedor. É como vê, não preciso de ver os jogos para os analisar, basta um mínimo de inteligência para ouvir (ler), filtrar e tentar ser honesto, isto é, ter objetividade. Se tiver dúvidas quanto às fontes que cito, é só ouvir o “podcast” da TSF e escutar Vítor Santos, diretor de “O Jogo”, Luís Freitas Lobo e o notável João Ricardo Pateiro.

      • O caro vai desculpar se lhe disser que opiniões portistas e sportinguistas sobre o Benfica pouco me importam, mesmo quando expressas de forma educada como no caso. Principalmente quando acontece o Benfica vencer.
        Nada tendo a acrescentar ao texto que mereceu a sua réplica, regresso à estatística, deve ter reparado que cito a origem, o portal “Zerozero”: 30%/70% de “posse”. Do mesmo portal retiro outro dado importante, os passes certos: 132/452, o que significa que dois jogadores do SLB, juntos, fizeram mais passes certos que o total portista. A estatística é o que é, um auxiliar de análise. Ou seja, estes números apenas não explicam porque o SLB “só” ganhou por um a zero. Mas explicam porque o FCP não fez nenhum. De resto o Benfica fez outro golo, aos 90+3, felizmente não foi necessário.

        • Anda mesmo baralhado. O Benfica nas estatísticas oficiais teve 62% e apenas mais 3 remates do que o Porto. Estas são as estatísticas oficiais. As outras são as imaginadas pelo Armando. E o Benfica apenas marcou num lance de contra ataque o que é bem revelador. Se fosse o Benfica a ficar com 10 jogadores aos 27 minutos acho que teria sido goleado. Irá provavelmente acontecer na segunda volta na luz. Não se esqueçam de preparar o salão de festas como gostamos. Sem luz e com o sistema de rega ligado.

      • As lagartixas, uma espécie esverdeada, invejosa e híbrida: são 80% obsessivamente benfiquistas e apenas 20% Sportinguistas (apenas quando se junta para dizer mal do Benfica e principalmente dos verdadeiros sportinguistas).
        Queremos lá saber do benfica, somos Sporting. Ganhamos limpo. Viva o Sporting.

  2. O FCP quando ganha com golos em fora de jogo,tirar bolas de dentro da baliza,porrada a partir pernas,é sempre boas exebições,quando perde com o RIO AVE,os Belgas,o Atlético de Madrid,o Benfica e empata com o Estoril é sempre os árbitos ,deixem de fazer comentários porque nós sabemos que alguns adeptos do FCP são a maior —–

    • Mas neste caso o Porto foi superior enquanto teve 11. Depois, o jogo ficou equilibrado, embora tendo o Benfica mais posse de bola mas não fazendo nada com isso. O que é curioso, é que o Benfica marcou em contra-ataque. Curioso! Significa que até com 10 o Porto estava por cima nesse momento.

      • O benfica também foi superior muitas vezes até ter menos um jogador, mas o que é que isso conta ?
        O jpogador foi mal expulso ? Isso não conseguem contestar, logo há que inventar possíveis expulsões no adversário.

        Bom bom era o Benfica ter um, dois ou 3 jogadores expulsos, isso é que era

        • Nos primeiros 25 minutos o Benfica viu jogar. Tremiam por todos os lados. Depois da expulsão o jogo equilibrou e depois o Benfica marcou um golo…em contra-ataque

          • tremiam tanto que os jogadores do Porto se viam na necessidade de fazer faltas para amarelos … de tal maneira que acabaram com um a menos por acumulação … depois veio a dura realidade, afinal os jogadores do Porto não podiam andar a parar os adversários daquela maneira porque não estavam impunes e o arbitro iria continuar a expulsar … ai tiveram de jogar á bola, mas ao fim de tantos meses sem jogar … mostraram que se esqueceram de como se faz e levaram um banho de futebol do SLB

            • O amigo é claramente adepto do Benfica. A própria forma como relata o jogo indicia que o terá visto numa qualquer tasca do país já bem bebido.
              “…afinal os jogadores do Porto não podiam andar a parar os adversários daquela maneira porque não estavam impunes e o arbitro iria continuar a expulsar…”
              Felizmente que o Benfica pode, caso contrário não se percebe como é que o Bah não foi expulso. O resto é conversa. 11 contra 11 o Porto foi muito superior. O Benfica não saía do meio-campo e perdia bolas a torto e a direito. E nem sou eu que o digo. Bastava ver as expressões dos benfiquistas nesses primeiros 25 minutos. Deviam pensar que iam fazer um jogão e nem dois passes seguidos davam. Teve sorte nesse período.
              E mais sorte ainda quando a equipa de arbitragem resolveu inclinar o campo expulsando (e bem) o Eustáquio mas esquecendo-se de fazer o mesmo ao Bah.
              O resto é conversa de tasca que deixo para si e para os seus amigos.

  3. Com o FCPorto é sempre a mesma reza. Quando o Pepe (grande jogador, mas um carniceiro) se reformar vai para o banco de caçadeira e vai tudo a chumbo grosso.
    Os árbitros são uns malandros se mostrarem um amarelo. Quando é a sério, raramente ganham limpo, depois é sempre a mesma doutrina para adormecer.
    Veja-se o ano passado no dragão com o Sporting….

  4. Se houvesse tanta gente a revoltar-se das m*rdas dos sucessivos governos e desperdício de dinheiros públicos como há relativamente ao futebol, este país podia estar bem melhor, ai isso é que podia! Infelizmente parece que a maioria só vive de futebol e novelas, o que aliás não é o que põem “o pão em cima da mesa” todos os dias (à excepção dos jogadores, que ganham valores que um comum mortal não ganha na sua vida inteira)… Futebol deveria ser sim, por amor à camisola e, no caso de ser profissional, com ordenados de comuns mortais… Jogadores de futebol não salvam vidas, porque devem ganhar bem mais que um médico, enfermeiro ou auxiliar de saúde?

  5. O Porto teria claramente ganho o jogo se não o tivesse jogado quase todo com menos um. Mesmo assim conseguiu equilibrar quase por completo, menos num lance de contra ataque do Benfica.

  6. O Benfica que vemos hoje é o melhor Benfica que me recordo de ver. E, vou ao Estádio da Luz desde os tempos do Grande Eusébio.
    O Porto comportou-se como já nos habituou: a ‘marrar’ contra o Benfica com tudo no limite da violência, intencionado a fazer o seu jogo típico de faltas, faltas, faltas, como tantas vezes faz usando a pressão das ‘ANTAS’ para intimidar árbitros.
    Uma vez mais jogou com a atitude do campeonato do Paraguai (por exemplo). Se pudessem levavam ‘caçadeiras’ para o estádio,…levavam.
    Não sei que raio de mentalidade é esta dessa malta do (arredores) Porto.
    Complexo de inferioridade?
    Vingança de algum ‘calduço’ que o pintinho levou de um gajo de Lisboa quando andava a estudar?
    Não sei o que se passa, mas o que é óbvio é que o Sérgio só sabe GRUNHIR como se fosse algum vingador dos bimbos ofendidos.
    Isto é um absurdo. O Porto é um grande clube de Portugal e que devia dar-nos a todos razão de orgulho, não de embaraço, à laia de 3º mundista.

    • Pois… blá, blá, blá… 11 contra 11 nem do meio-campo saías. Essa é que é a verdade. Depois a coisa ficou mais equilibrada, isto é, o Porto com 10 é quase igual ao Benfica com 11.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.