/

Bebés prematuros arriscam problemas no desenvolvimento do cérebro (mas pode haver uma solução)

A suplementação das soluções nutricionais com creatina para os bebés prematuros pode ajudar a proteger o cérebro em desenvolvimento.

O nascimento prematuro extremo está associado ao comprometimento do desenvolvimento do cérebro: funções motoras defeituosas e problemas psiquiátricos são mais comuns entre os prematuros. Este risco é maior em idades gestacionais mais baixas.

A atual incidência global de nascimentos prematuros é de 11%. Com os avanços nos cuidados antes e depois do nascimento, um número crescente de bebés prematuros extremos (abaixo de 28 semanas de idade gestacional) sobrevive.

No entanto, esse aumento não acarreta uma redução no comprometimento do desenvolvimento do cérebro associado ao nascimento prematuro.

Otimizar a nutrição é um caminho promissor: um novo estudo sugere que a creatina, um nutriente que fornece energia, pode ajudar a mitigar o desenvolvimento cerebral adverso desses bebés prematuros.

Bebés prematuros normalmente têm sistemas digestivos imaturos que não estão prontos para absorver os nutrientes adequados. Como resultado, eles tendem a depender de nutrientes fornecidos por via intravenosa, ignorando o sistema digestivo.

A creatina é um composto natural produzido principalmente nos rins e no fígado a partir de três aminoácidos, os blocos de construção fundamentais das proteínas: arginina, glicina e metionina.

Bebés que nascem ao fim do normal período de gestação recebem 9% das suas necessidades de creatina do leite materno. Esses bebés saudáveis produzem a necessidade restante de creatina nos seus corpos.

Ao contrário do leite humano, as soluções de nutrição do recém-nascido não contêm creatina, o que deixa os bebés prematuros dependentes da sua própria produção para atender às suas necessidades de creatina.

Como os bebés prematuros não conseguem produzir arginina suficiente, eles não conseguem produzir a creatina necessária.

A creatina fornece energia rápida e de curto prazo aos músculos e ao coração. Os músculos armazenam a maior parte da creatina do corpo (95%), mas o cérebro armazena a segunda maior quantidade.

O cérebro precisa de um fornecimento contínuo de energia e certas regiões dependem da creatina para obter energia. No cérebro adulto, a interrupção deste fornecimento de energia prejudica a função cerebral e leva à progressão de doenças neurodegenerativas, como Parkinson, Alzheimer ou Huntington.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A creatina também é um modulador importante dos sistemas de neurónios do cérebro, o que a torna crucial para o desenvolvimento do cérebro dos bebés. Bebés que nascem com doenças hereditárias de deficiência de creatina não são capazes de produzi-la. Esses bebés têm problemas significativos na cognição, desenvolvimento da linguagem, movimento dos membros superiores ou inferiores e de comportamento

Os resultados sugerem claramente a importância da creatina para o funcionamento e desenvolvimento normal do cérebro.

O novo estudo mostra que leitões recém-nascidos a receberem nutrição parenteral por via intravenosa durante duas semanas — o que representa nove meses para um bebé humano — não conseguiram a acumulação ideal de creatina.

Quando a creatina foi adicionada à solução de alimentação parenteral dos leitões, a acumulação de creatina dos leitões melhorou.

Para lidar com a produção inadequada de arginina associada à alimentação intravenosa completa, alguns bebés humanos prematuros são alimentados com pequenas quantidades de solução de nutrição parenteral nos seus estômagos através de um tubo.

O restante da solução de nutrição parenteral é administrado por via intravenosa. No entanto, como os níveis de creatina nos órgãos não podem ser testados em bebés humanos sem prejudicar os órgãos ou colocar a saúde em risco, os estudos em humanos são de valor limitado para avaliar essa abordagem.

Os investigadores alimentaram a solução de nutrição parenteral no estômago dos leitões. Os leitões neonatais não foram capazes de atingir os níveis normais de acréscimo de creatina sem creatina pré-preparada nas suas soluções de nutrição parenteral, mesmo quando essa solução foi aplicada nos seus estômagos.

Os leitões alimentados com solução parenteral nos seus estômagos sem creatina pré-fabricada tinham níveis muito baixos de creatina no sangue. No entanto, os leitões alimentados com solução parenteral no estômago com creatina pré-fabricada ou blocos de construção extra (arginina e metionina) melhoraram os seus níveis de creatina. Esses níveis eram semelhantes aos níveis de creatina de leitões alimentados com leite materno.

Estas descobertas foram corroboradas por uma revisão científica recente em bebés humanos que concluiu que bebés prematuros em hospitais precisam de ajustes nos componentes nutricionais para atingir o desenvolvimento normal do cérebro.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE