BE anuncia acordo com Governo para cortar nas rendas de energia

José Sena Goulão / Lusa

Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda anunciou esta sexta-feira um acordo com o Governo para poupar 40 milhões de euros com a “suspensão” da garantia de potência na energia, acrescentando que a prazo o preço da energia pode baixar para todos.

“Enquanto a garantia de potência não é paga de forma mais justa, o Orçamento do Estado continua a pagá-la tal como existe hoje. Para o BE isso não faz sentido. Vamos propor na especialidade a suspensão da garantia de potência até que um novo mecanismo mais justo seja possível”, vincou a coordenadora do partido, Catarina Martins, na abertura das jornadas parlamentares do partido em Trás-os-Montes.

A medida, prosseguiu a bloquista, “permite poupar 40 milhões de euros” já no Orçamento do Estado de 2017, e permitirá “a prazo baixar o preço da energia para toda a gente”.

“Temos já o acordo do Governo sobre esta matéria”, continuou, havendo a expectativa que a aprovação da poupança no Orçamento leve a que posteriormente seja introduzido um “novo mecanismo” sobre esta matéria que “permitirá baixar a fatura da luz no futuro”.

“Um terço da fatura da luz que pagamos são os custos de interesse geral que não têm bem a ver com os custos da energia. São contratualizações entre produtores de energia e o Estado que nenhuma lógica aconselha, nem a das contas públicas nem a do mercado”, advogou Catarina Martins, que falava na estação de comboios do Foz Tua, distrito de Bragança.

Os encargos associados ao mecanismo de atribuição de incentivos à garantia de potência são suportados por todos os consumidores de energia elétrica, sendo repercutidos na tarifa de uso global de sistema ou noutra tarifa aplicável à globalidade dos consumidores de energia elétrica.

A garantia de potência, que foi suspensa durante os anos de assistência financeira e retomada em 2015, é uma renda anual destinada a apoiar a manutenção de um permanente estado de prontidão das centrais térmicas para acorrer às necessidades de garantia de abastecimento do sistema elétrico nacional.

Esta garantia foi uma das chamadas “rendas excessivas” na energia que foi cortada, no âmbito do programa de assistência externa a Portugal, com a intenção de aliviar os custos de produção de eletricidade e eliminar o défice tarifário estimado, mas o seu pagamento foi retomado em 2015, após a saída da ‘troika’.

No arranque das jornadas de dois dias entre Bragança e Vila Real, Catarina Martins chamou a atenção para os problemas da interioridade, e sinalizou que “para lá de cada medida concreta” estipulada no Orçamento do Estado, “é essencial que se pense as opções do país tendo em conta o longo prazo, o desenvolvimento de Portugal”.

“Não podemos aceitar um projeto de desenvolvimento para o país que deixa uma parte do país para trás. Temos de falar do investimento numa lógica que promova a coesão territorial. Só assim uma recuperação do país não deixará ninguém para trás”, realçou a coordenadora, que falava perante os deputados do partido e jornalistas que acompanham os trabalhos.

Para o BE, disse Catarina Martins, “a ferrovia é seguramente um dos investimentos estruturantes do país”, e nesse sentido o partido aguarda até ao final do ano da parte do Governo um “plano nacional ferroviário que responda sobre as pessoas e a coesão territorial“.

A líder do Bloco falou ainda da barragem do Foz Tua, que definiu como “excelente para a EDP e péssima para o país, as contas públicas e as populações” locais.

“Achamos que é um tremendo erro que tenha sido construída”, declarou, acrescentando que há “contrapartidas” da construção da barragem que “não estão a ser asseguradas, desde logo o acesso à mobilidade da população”.

O Estado, nesse sentido, deve “exigir” da elétrica uma “contrapartida para reativar” como serviço público a linha ferroviária da zona, pediu Catarina Martins.

O BE reúne hoje e no sábado os seus deputados para jornadas parlamentares em Trás-os-Montes, centradas no combate à interioridade e na defesa dos serviços públicos.

As jornadas têm a particularidade de acontecer numa altura em que o Orçamento se prepara para ser discutido e votado na generalidade – 03 e 04 de novembro -, tendo já Catarina Martins anunciado o voto favorável dos bloquistas na generalidade à proposta de OE.

O BE cumpre os seus compromissos e este OE, objetivamente, aumenta rendimentos do trabalho, cumpre o compromisso de não precarizar e privatizar mais, de não aumentar os bens essenciais. No deve e no haver, em 2017, quem vive do trabalho será mais respeitado e, por isso, o BE vai votar a favor na generalidade”, afirmou já a coordenadora do partido.

Depois, dar-se-á o período de discussão na especialidade, com possíveis alterações ao documento, e votação final global do texto está marcada para 29 de novembro.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Na última noite no Porto, fui sozinho à Ponte D. Luís e vieram-me as lágrimas aos olhos"

O médio espanhol Óliver Torres confessa que a sua saída do Porto foi "emotiva" e que se despediu do clube e da cidade na Ponte D. Luís, de noite e sozinho, com "as lágrimas nos …

Costa e Centeno discutiram no Conselho Europeu (e foi Centeno quem ganhou)

António Costa e Mário Centeno envolveram-se numa "discussão directa" em pleno Conselho Europeu que deixou os restantes membros do Eurogrupo perplexos. Em causa esteve o primeiro orçamento da Zona Euro, com o primeiro-ministro de Portugal …

Sondagem: Livre caiu para metade, Montenegro lidera corrida ao PSD

O PS lidera as intenções de voto com 37,1% e um avanço de 10,2 pontos percentuais sobre o PSD numa sondagem em que o Livre surge com metade da votação alcançada nas legislativas em outubro. Num …

ONU chama a atenção para consumo de tramadol (erradamente considerado menos letal que fentanil)

A crise derivada do consumo excessivo de opóides e as mortes daí decorrentes já levaram empresas norte-americanas que os produzem a receber milhares de ações judiciais. Contudo, a Organização das Nações Unidas (ONU) chama a …

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

Mais de 50 jornalistas, entre os quais Adelino Gomes, Henrique Monteiro, Anabela Neves e Francisco Sena Santos, subscreveram esta sexta-feira um abaixo-assinado em defesa da jornalista Maria Flor Pedroso, diretora de informação da RTP. "Confrontados com …

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …