“Barril de pólvora” na Ásia. Japão altera nome de ilhas reivindicadas pela China

Um projeto de lei que altera o estatuto de um conjunto de ilhas reivindicadas pelo Japão e pela China foi aprovado por um conselho da cidade de Okinawa na segunda-feira, gerando um forte protesto de Pequim, que afirmou ter enviado navios da guarda costeira para a área.

O Conselho da Cidade de Ishigaki, em Okinawa, no Japão, aprovou a legislação que altera o estaturo administrativo do grupo desabitado de ilhas, conhecido como Senkakus no Japão e Diaoyus na China. O projeto altera o nome das ilhas para fins administrativos de “Tonoshiro” para “Tonoshiro Senkaku” para evitar confusão com outra área de Ishigaki, de acordo com a emissora japonesa NHK News.

De acordo com a CNN, as ilhas, a 1.931 quilómetros a sudoeste de Tóquio, são administradas pelo Japão desde 1972, mas Tóquio e Pequim dizem que as suas reivindicações do grupo de ilhas datam de centenas de anos.

Na segunda-feira, o ministério das Relações Exteriores de Pequim disse que irá protestar fortemente com Tóquio. “A ilha de Diaoyu e as ilhas afiliadas são o território inerente da China. A China está resoluta em salvaguardar a nossa soberania territorial. Essa chamada designação administrativa é uma provocação séria à soberania territorial da China“, disse Zhao Lijian. Ao mesmo tempo, a Guarda Costeira chinesa disse que uma “frota” dos seus navios estava nas águas ao redor das ilhas disputadas na segunda-feira.

A China alertou antes da votação de segunda-feira contra qualquer mudança no status quo sobre as ilhas. “Pedimos ao Japão que respeite o espírito do consenso de quatro princípios, evite criar novos incidentes na questão das Ilhas Diaoyu e tome medidas práticas para manter a estabilidade da situação no Mar da China Oriental”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da China. Um desses quatro princípios foi o facto de o Japão reconhecer que a soberania sobre as ilhas estava em disputa.

No entanto, o projeto aprovado na segunda-feira em Ishigaki afastou qualquer preocupação sobre como a mudança pode ser percebida em Pequim. “A aprovação deste caso não levou em consideração a influência de outros países, mas foi considerada para melhorar a eficiência dos procedimentos administrativos”, afirmou o conselho.

O jornal japonês Asahi Shimbun informou que o projeto de lei votado em Ishigaki “afirma que as ilhas fazem parte do território japonês“.

Uma reportagem do Global Times, jornal estatal da China, este mês, também alertou para as consequências de qualquer alteração no estatuto das ilhas. “Alterar a designação administrativa no momento só pode complicar a disputa e trazer mais riscos de uma crise”, disse Li Haidong, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Relações Exteriores da China, ao Global Times.

O medo de um possível confronto aumentou na semana passada com o anúncio da guarda costeira japonesa de que navios do governo chinês foram vistos nas águas próximas às ilhas Senakaku/Diaoyu todos os dias desde meados de abril, estabelecendo um novo recorde no número de dias consecutivos.

Na segunda-feira, esses avistamentos chegaram a 70 dias seguidos, com a guarda costeira do Japão a dizer que quatro navios chineses estavam na área enquanto a votação estava ocorrendo em Okinawa.

Em resposta ao aumento da presença chinesa, Yoshihide Suga, secretário-chefe do gabinete do Japão, reafirmou a decisão de Tóquio. “As Ilhas Senkaku estão sob o nosso controlo e são inquestionavelmente o nosso território, historicamente e sob o direito internacional. É extremamente sério que estas atividades continuem. Vamos responder com firmeza e calma ao lado chinês”, disse Suga.

A “crise” mais recente relativa às ilhas ocorreu em 2012. Naquele ano, o Japão nacionalizou as ilhas então privadas para impedir uma venda planeada ao então governador de Tóquio, um nacionalista queria desenvolver as ilhas.

O plano provocou protestos maciços e altamente incomuns nas ruas da China. As manifestações ficaram violentas quando os manifestantes atiraram detritos na embaixada japonesa em Pequim, saquearam lojas e restaurantes japoneses e derrubaram carros japoneses.

Agora, o que complica qualquer disputa sobre as ilhas, se alguma vez escalar até ao ponto de confronto militar, é que os Estados Unidos são obrigados a defendê-las como parte do território japonês sob um pacto de defesa mútua com Tóquio.

William Choong, membro sénior do Instituto ISEAS-Yusof Ishak, em Singapura, alertou recentemente que o Senkakus/Diaoyu podem ser mais barril de pólvora do que outras regiões contestadas do leste da Ásia.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. E mais uma disputa e um possível confronto entre dois países, ganância e poder, um mal humano que parece incurável.

  2. esses chineses querem dominar o mundo, é tudo deles até o COVID-19, mas esse não admitem, farto dos chinocas donos do KUNF FLU.

  3. Agora os chinocas acham que são donos do mundo!…
    Não é que os japoneses sejam de fiar (basta ver o que eles fizeram na China), mas agora a China quer passar por cima de tudo e de todos!…

RESPONDER

PSP já apanhou mais de três mil pessoas a conduzir sem carta este ano

O número de pessoas detetadas a conduzir sem carta aumentou 22% nos sete primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. "De 1 de janeiro a 31 de julho de 2020, …

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …