“Barril de pólvora” na Ásia. Japão altera nome de ilhas reivindicadas pela China

Um projeto de lei que altera o estatuto de um conjunto de ilhas reivindicadas pelo Japão e pela China foi aprovado por um conselho da cidade de Okinawa na segunda-feira, gerando um forte protesto de Pequim, que afirmou ter enviado navios da guarda costeira para a área.

O Conselho da Cidade de Ishigaki, em Okinawa, no Japão, aprovou a legislação que altera o estaturo administrativo do grupo desabitado de ilhas, conhecido como Senkakus no Japão e Diaoyus na China. O projeto altera o nome das ilhas para fins administrativos de “Tonoshiro” para “Tonoshiro Senkaku” para evitar confusão com outra área de Ishigaki, de acordo com a emissora japonesa NHK News.

De acordo com a CNN, as ilhas, a 1.931 quilómetros a sudoeste de Tóquio, são administradas pelo Japão desde 1972, mas Tóquio e Pequim dizem que as suas reivindicações do grupo de ilhas datam de centenas de anos.



Na segunda-feira, o ministério das Relações Exteriores de Pequim disse que irá protestar fortemente com Tóquio. “A ilha de Diaoyu e as ilhas afiliadas são o território inerente da China. A China está resoluta em salvaguardar a nossa soberania territorial. Essa chamada designação administrativa é uma provocação séria à soberania territorial da China“, disse Zhao Lijian. Ao mesmo tempo, a Guarda Costeira chinesa disse que uma “frota” dos seus navios estava nas águas ao redor das ilhas disputadas na segunda-feira.

A China alertou antes da votação de segunda-feira contra qualquer mudança no status quo sobre as ilhas. “Pedimos ao Japão que respeite o espírito do consenso de quatro princípios, evite criar novos incidentes na questão das Ilhas Diaoyu e tome medidas práticas para manter a estabilidade da situação no Mar da China Oriental”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da China. Um desses quatro princípios foi o facto de o Japão reconhecer que a soberania sobre as ilhas estava em disputa.

No entanto, o projeto aprovado na segunda-feira em Ishigaki afastou qualquer preocupação sobre como a mudança pode ser percebida em Pequim. “A aprovação deste caso não levou em consideração a influência de outros países, mas foi considerada para melhorar a eficiência dos procedimentos administrativos”, afirmou o conselho.

O jornal japonês Asahi Shimbun informou que o projeto de lei votado em Ishigaki “afirma que as ilhas fazem parte do território japonês“.

Uma reportagem do Global Times, jornal estatal da China, este mês, também alertou para as consequências de qualquer alteração no estatuto das ilhas. “Alterar a designação administrativa no momento só pode complicar a disputa e trazer mais riscos de uma crise”, disse Li Haidong, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Relações Exteriores da China, ao Global Times.

O medo de um possível confronto aumentou na semana passada com o anúncio da guarda costeira japonesa de que navios do governo chinês foram vistos nas águas próximas às ilhas Senakaku/Diaoyu todos os dias desde meados de abril, estabelecendo um novo recorde no número de dias consecutivos.

Na segunda-feira, esses avistamentos chegaram a 70 dias seguidos, com a guarda costeira do Japão a dizer que quatro navios chineses estavam na área enquanto a votação estava ocorrendo em Okinawa.

Em resposta ao aumento da presença chinesa, Yoshihide Suga, secretário-chefe do gabinete do Japão, reafirmou a decisão de Tóquio. “As Ilhas Senkaku estão sob o nosso controlo e são inquestionavelmente o nosso território, historicamente e sob o direito internacional. É extremamente sério que estas atividades continuem. Vamos responder com firmeza e calma ao lado chinês”, disse Suga.

A “crise” mais recente relativa às ilhas ocorreu em 2012. Naquele ano, o Japão nacionalizou as ilhas então privadas para impedir uma venda planeada ao então governador de Tóquio, um nacionalista queria desenvolver as ilhas.

O plano provocou protestos maciços e altamente incomuns nas ruas da China. As manifestações ficaram violentas quando os manifestantes atiraram detritos na embaixada japonesa em Pequim, saquearam lojas e restaurantes japoneses e derrubaram carros japoneses.

Agora, o que complica qualquer disputa sobre as ilhas, se alguma vez escalar até ao ponto de confronto militar, é que os Estados Unidos são obrigados a defendê-las como parte do território japonês sob um pacto de defesa mútua com Tóquio.

William Choong, membro sénior do Instituto ISEAS-Yusof Ishak, em Singapura, alertou recentemente que o Senkakus/Diaoyu podem ser mais barril de pólvora do que outras regiões contestadas do leste da Ásia.

ZAP //

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. E mais uma disputa e um possível confronto entre dois países, ganância e poder, um mal humano que parece incurável.

  2. esses chineses querem dominar o mundo, é tudo deles até o COVID-19, mas esse não admitem, farto dos chinocas donos do KUNF FLU.

  3. Agora os chinocas acham que são donos do mundo!…
    Não é que os japoneses sejam de fiar (basta ver o que eles fizeram na China), mas agora a China quer passar por cima de tudo e de todos!…

RESPONDER

Em direto: Portugal vs França

A seleção de Portugal joga esta quarta-feira o tudo por tudo contra a França, num encontro que pode significar o apuramento para os Oitavos de Final do Euro 2020 ou o regresso a casa mais …

"Pensão na Hora". Dez mil portugueses pediram reforma aprovada em 24 horas

A Segurança Social já recebeu dez mil pedidos de reforma através do "Pensão na Hora", mas só 14% foram deferidos automaticamente 24 horas depois. A ferramenta digital "Pensão na Hora" está disponível há cerca de quatro …

Depois da nega de Costa, associações da Cultura foram recebidas por Marcelo

O Presidente da República reuniu-se, esta terça-feira, com representantes das associações e promotores de espetáculos, que expressaram as dificuldades que o setor atravessa, como a obrigatoriedade de testagem para a realização de eventos. "Estivemos em Belém …

Portugal regista três mortes e o maior número de casos desde fevereiro

Portugal registou nas últimas 24 horas três mortes associadas à covid-19, 1.497 novos casos de infeções confirmadas - o maior número desde 24 de fevereiro - e uma diminuição nos internamentos em enfermaria e cuidados …

PAN quer proibir animais de companhia acorrentados e em varandas

O PAN quer proibir os donos de animais de companhia de os acorrentarem permanentemente ou os colocarem em varandas por largos períodos de tempo, através de um projeto de lei entregue hoje na Assembleia da …

IGAI abre processo ao protesto do Movimento Zero. Manifestante fez a saudação fascista

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) anunciou, esta terça-feira, que abriu um processo administrativo à manifestação dos elementos das forças de segurança que pertencem ao Movimento Zero, tendo pedido informações à Polícia de Segurança Pública …

Iniciativa Liberal garante que sardinhada de S. João é um “jantar como outro qualquer”

O evento foi divulgado ontem no Facebook mas acabou por ser retirado ao fim da tarde da página do partido para não gerar “más interpretações”. Ao contrário do “Arraial Liberal”, que se realizou em Lisboa, …

Membros do comando saudita que assassinou Khashoggi foram treinados nos EUA

Os quatro membros do comando que matou o jornalista saudita Jamal Khashoggi, em 2018, terão recebido formação paramilitar nos Estados Unidos. O jornal norte-americano The New York Times noticiou, na terça-feira, que quatro membros do comando …

Homem de etnia cigana morre após polícia pressionar joelho no seu pescoço. Caso já é comparado ao de Floyd

O caso ocorreu na República Checa. Um homem de etnia cigana morreu depois de um polícia ter pressionado o joelho sobre o seu pescoço durante vários minutos. A vítima, Stanislav, de 40 anos, viria a …

Relatório dos Sistemas de Saúde arrasa gestão da pandemia

O Relatório de Primavera 2021, do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, critica a gestão da pandemia em Portugal, salientando que "não estamos a aprender ainda, com a experiência da pandemia, aquilo que seria necessário …