O banco público “não serve para ser barato, serve para ser sustentável”

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos

Paulo Macedo recusa veementemente que tenha havido um “aumento brutal” das comissões bancárias e classifica de “desinformação” as notícias que avançam um crescimento de 73% destas despesas.

Não houve qualquer aumento brutal das comissões cobradas pela Caixa Geral de Depósito (CGD)”, disse o presidente executivo da CGD em declarações à Lusa, em Madrid, à margem da conferência de imprensa que assinalou a conclusão da venda da filial espanhola do banco português, o Banco Caixa Geral (BCG), ao Abanca.

Paulo Macedo explicou que o aumento das comissões foi de 2,3% em 2018 e será na ordem dos 3%-4% em 2019 e em 2020, sendo “totalmente desinformação os aumentos de 73%” noticiados.

“As comissões que a Caixa cobra estão abaixo das comissões que o banco cobrava em 2015”, assegurou, ao mesmo tempo que salientou que se deve ver a questão num contexto de custos financeiros mais baixos para os particulares (famílias) e para as empresas.

Paulo Macedo recordou a existência na CGD de “mais de 1,5 milhões de clientes com contas Caixa que não pagam” comissões, assim como acontece com outros bancos portugueses, e “mais de um milhão de contas, designadamente de reformados e de jovens até aos 26 anos, isentas”. “Não há qualquer aumento, há sim sempre uma confusão sobre o que o banco público é e devia ser”, concluiu o responsável executivo máximo da CGD.

Paulo Macedo insistiu que “o banco público não serve para ser barato, serve para ser inclusivo, mas serve, sobretudo, para ser sustentável”, razão pela qual esteve em Madrid.

A CGD formalizou, na capital espanhola, a venda definitiva de ações representativas de 99,79% do capital do BCG, sociedade de direito espanhol, ao grupo bancário espanhol Abanca, por 384 milhões de euros. “Esta operação em Espanha aumenta os capitais próprios de base da Caixa em 110 pontos [rácio CET 1], o que faz com que seja um banco mais forte, que possa investir mais em tecnologia, possa servir melhor os seus clientes e, sobretudo, não voltar a pedir dinheiro ao Estado”, disse Paulo Macedo.

O presidente executivo sublinhou que o facto de a CGD ser um banco público lhe vai permitir continuar a ser um banco português: “Se a Caixa não fosse pública, já não seria portuguesa, com a questão da dívida”, disse.

Paulo Macedo realçou algumas razões que distinguem a CGD como entidade do setor público: banco de proximidade, a decisão de conceder crédito está em Portugal, e o facto de ter um banco de investimentos para apoiar a reestruturação das empresas portuguesas e o financiamento e a colocação de dívida no mercado secundário.

“Há muitas coisas que distinguem a Caixa [como entidade da esfera pública] e há muitas que não”, concluiu Macedo, dando como exemplos deste último caso o facto de os rácios de capitais serem “iguais” aos privados, assim como a regulação ou as regras das autoridades de concorrência.

Vários órgãos de comunicação social deram conta nos últimos dias de que a CGD aumentou, em média, 73% os custos para os clientes durante um período temporal que coincide com a tomada de posse de Paulo Macedo como presidente do banco público, há três anos.

No domingo, o Jornal de Notícias avançou que “a nova gestão da Caixa aumentou custos para clientes em 73%”, referindo uma recolha de dados feita pela Deco segundo a qual, “olhando para a atualização anunciada para janeiro de 2020 e somando todos os aumentos no preçário – não esquecendo aqueles produtos ou serviços que eram gratuitos e começaram a ser cobrados -, há um agravamento de 133,80 euros no espaço de 3 anos”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Ah…. serve para ser sustentável….. pois, mas quem paga é o cliente….
    Comecem por reduzir os chorudos ordenados dos “mega” gestores, deixem-se de luxos e mordomias, ponham-se a trabalhar como se deve e, então sim, veremos que pode ser barato *e* sustentável.
    (mas isso é muito sacrifício para quem quer ganhar um pote e não fazer a ponta de um c**….)

  2. … e ainda dizem que este Paulo é um grande gestor, só não vejo o porquê e em quê.
    Será que o seu salario XURUDO é valido por fazer um grande feito na CGD, FECHAR BALCÕES, DESPEDIR FUNCIONARIOS E AUMENTAR BRUTALMENTE AS COMISSÕES BANCARIAS, grande gestor não hajam duvidas, é Portugal no seu melhor dai o voto.

    • https://pt.wikipedia.org/wiki/Princ%C3%ADpio_de_Peter
      Princípio de Peter = Segundo o autor, nas organizações burocráticas, hierarquicamente estruturadas, os funcionários tendem a ser promovidos até ao seu “nível de incompetência”.

      No seu trabalho, Peter enunciou de forma humorada os seguintes corolários de sua lei[5]:

      A nata sobe até azedar.
      Para qualquer trabalho no mundo existe alguém, em algum lugar, que não o pode fazer. Pela força da promoção, esta pessoa conseguirá esse posto.
      Uma viagem de mil quilômetros termina com um único passo.
      Todo trabalho útil será feito por aqueles que ainda não alcançaram seu nível de incompetência.

  3. Se é para ser um banco igual aos outros então não há necessidade de haver banco setor publico/estatal. O melhor será privatizar. A CGD foi criada pelos fascistas para servir melhor o Povo, c/ os ditos democráticos é mais um para LIXAR o Povo.

RESPONDER

Aeronave autónoma é uma alternativa acessível aos satélites (e já fez o seu primeiro voo)

A empresa Swift Engineering, em parceria com o Ames Research Center, da NASA, desenvolveu uma alternativa acessível aos satélites: uma aeronave autónoma de alta altitude e longa resistência. Já nasceu a alternativa acessível aos satélites: chama-se …

Reservas naturais chinesas salvaram os pandas da extinção (mas "esqueceram-se" dos leopardos)

Uma nova investigação revela que os esforços da China para salvar os pandas gigantes foram bem sucedidos, mas os mesmos falharam na proteção de outros animais que partilham o mesmo habitat, como é o caso …

Comunidade científica critica Trump por dizer que NASA estava "morta"

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, afirmou no Twitter que "a NASA estava fechada e morta" até que o próprio fez com que voltasse a funcionar, afirmação que gerou consternação na …

É "bastante provável" que chegue à Europa uma Cybertruck de menores dimensões

É "bastante provável" que uma Cybertruck de menores dimensões venha a ser produzida e chegue depois ao mercado europeu, revelou Elon Musk, CEO da Tesla, empresa que produz estas pickups elétricas. Questionado na rede social …

Mais seis mortos e 131 novos casos em Portugal nas últimas 24 horas

Portugal regista hoje mais seis mortos e 131 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sábado, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. O número de pessoas internadas é de 366, mais nove …

"Erro" do Instagram favoreceu conteúdo de Trump face ao de Biden

Um "erro" da rede social Instagram favoreceu durante dois meses o conteúdo gerado pela campanha de reeleição do atual Presidente norte-americano, Donald Trump, quando comparado com as publicações de Joe Biden, candidato democrata que está …

Fotografia partilhada nas redes sociais levou à suspensão de alunos nos Estados Unidos

Pelo menos dois alunos da North Paulding High School, no estado da Georgia, dizem ter sido suspensos depois de terem partilhado nas redes sociais uma fotografia na qual é possível ver um corredor da escola repleto …

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …