Bactérias e fungos podem tornar plantas mais resilientes às alterações climáticas

Cientistas encontraram uma forma de tornar as plantas mais resilientes ao maior problema que enfrentamos atualmente: as alterações climáticas. Uma investigadora em Coimbra diz que esta descoberta pode ainda ajudar a reduzir o uso de agroquímicos.

O recurso a bactérias e fungos para aumentar a resiliência das plantas às alterações climáticas e reduzir o uso de agroquímicos está a ser estudado e testado, com “resultados promissores”, por uma investigadora em Coimbra.

A investigadora do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), Inês Rocha, desenvolveu e testou “um método simples que usa bactérias e fungos, em separado ou de forma combinada, para aumentar a resiliência das plantas às alterações climáticas e, em simultâneo, reduzir o uso de agroquímicos”.

O método, desenvolvido no âmbito da tese de doutoramento de Inês Rocha, orientada por Rui Oliveira, consiste essencialmente em “inocular plantas com bactérias presentes na rizosfera (na zona da raiz) e fungos micorrízicos”, explica a FCTUC, numa nota enviada esta terça-feira à Lusa.

“Estes dois tipos de micro-organismos possuem diferentes mecanismos de ação direta na planta”, através da absorção de nutrientes e do fornecimento de água ou por ação indireta (protegendo a planta de pragas ou melhorando a estrutura do solo, por exemplo).

O processo de inoculação traduz-se por “incorporar microorganismos que promovam o crescimento das plantas de uma forma mais resistente, permitindo a sua sobrevivência independentemente da degradação ambiental”, refere a FCTUT.

Até obter uma “fórmula eficiente e sustentável”, este estudo compreendeu várias fases, entre as quais a “identificação de micro-organismos promotores de crescimento vegetal em culturas agrícolas e a seleção de fungos e bactérias com o potencial mais elevado para garantir o sucesso do método”.

Os resultados obtidos até agora “são promissores, demonstrando vantagens na aplicação do método desenvolvido”, afirma Inês Rocha.

“Nos ensaios de avaliação do stress hídrico, as bactérias tiveram um efeito positivo no rendimento da cultura e os fungos foram responsáveis pelo aumento da absorção de nutrientes”, acrescenta a investigadora.

Já nos testes de fertilização, em que as plantas inoculadas foram cultivadas com quantidades reduzidas de fertilizantes químicos, verificou-se “um aumento de biomassa e de nutrientes”, revela a mesma nota, adiantando que “a próxima fase passa por avaliar o comportamento das plantas em cultivo ao ar livre, em campos agrícolas”.

Com o problema das alterações climáticas, “esta abordagem apresenta-se como uma solução eficiente e de baixo custo para promover uma agricultura sustentável através da redução do uso de agroquímicos e do aumento da sobrevivência das plantas face a stresses ambientais, como os problemas das secas, inundações e salinização dos solos”, sublinha a investigadora da FCTUC.

O projeto, iniciado em 2015, é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …